Está aqui

Artigos publicados

FIASCO

Drumbliava entre drumbles e brumbíades. À noitinha, quando já não se via nada, saía da toca onde se escondia e preparava-se para fazer as malandrices que fazia quando as pessoas começavam a ver menos e algumas a fechar os olhos. Era uma criatura muito matreira, que poucos tinham visto mas muitos tinham já ouvido falar, amplamente, diria eu. Era de uma espécie que só há pouco tempo os cientistas conseguiram identificar – Drumbliofes agudus mas era conhecido na gíria humana como Fiasco. Havia unanimidade em relação a dar-lhe esse nome.

LEILÃO

A sala estava cheia de gente e de coisas. Tanta gente e tanta coisa que as luzes faziam parecer ainda mais coisas e mais gente no mesmo sítio. Era noite de leilão. Nessa noite, as coisas eram muito diferentes do habitual. Quando, naquele salão grande, onde a única presença habitual eram os enormes candeeiros pendurados do tecto e as mesas vazias. Os candeeiros nos dias em que não era dia de leilão, estavam habitualmente apagados, escondendo a sua grandiosidade.

O DIA EM QUE ACABOU O FACEBOOK

Naquele dia, uma sexta-feira treze, dia de azar para muitos, o Ti António, homem octogenário mas todo moderno nestas coisas da internet, levantou-se cedinho e dirigiu-se ao computador portátil que estava em cima da mesa, ao lado da garrafa de vinho caseiro, do pão e do presunto que tinha sobrado da ceia do dia anterior.

DAR ÁGUA PELA BARBA

Os rios são fronteiras naturais que nos impedem de chegar ao outro lado se não tivermos barco. Os rios são linhas que se curvam e descurvam na longitude e latitude da geografia, da terra, das coisas e do ser humano. Havia um rio que começava numa nascente e crescia, em gradação, do sul para o norte, em claro desafio das leis da física. Não era o único, mas era aquele que ficava perto da povoação de Cortes. Era um rio grande já quando se encontrava com o homem. Era um rio encorpado onde viviam peixes, plantas aquáticas e tantas outras coisas nas suas margens.

SUAR AS ESTOPINHAS

Eram duas cegonhas. Moravam ali a seguir a Castro Verde no caminho que vai para Aljustrel, antes do Carregueiro. Moravam no mesmo ninho em cima de um poste de pinho que servia de apoio às linhas do telefone. Alguém se tinha lembrado de pôr lá uma forma de segurar os ninhos e este casal de perna-longa, recém-casados, cegonho e cegonha. Conheceram-se há muito tempo, o seu falar era tão distinto quanto as longas patas e pernas ainda mais compridas, quase que como a fazer concorrência ao seu longo bico. Tudo era por um motivo e esse motivo confundia-se com a essência dos casais de cegonhas.

FERVER EM POUCA ÁGUA

Fazia mesuras o dia inteiro. Andava meio tonto metade do dia e dormia a outra metade. Havia quem dissesse lá na cidade grande que era maluquinho. Talvez fosse. Não se sabia muito bem se era por causa das mesuras que fazia o dia inteiro, se porque andava tonto meio dia ou se porque dormia a outra metade. Ele não se chateava muito com isso. Nem se importava lá com as coisas que diziam dele. Fazia mesuras. Antes de se tornar meio tonto metade do dia era artista de circo e tinha andado por tantas terras como letras do alfabeto multiplicadas por vinte. Bem, tinha andado por muitos lugares.

OS CÃES PASSAM E A CARAVANA LADRA

Era uma família nómada que vivia ali na beira do rio. Eram hippies alentejanos que tinham aprendido a conviver com a natureza de forma tão natural que se confundiam com a própria natureza em si. A mãe era as águas e o pai a terra de onde floresciam os vegetais e as frutas com que se alimentavam todos os dias do ano. A mãe era calma como as águas dos ribeiros, sem ondas que só suavemente se tornavam em ondulação. A mãe nunca gritava e nunca se chateava com os quatro filhos que tinha. Vivia no pacifismo das águas. Podiam ter-lhe dado, até, em honra disso, a alcunha de Mãe Água.

DAR UMA MÃOZINHA

Entusiasmado por andar a trabalhar no campo e na lavoura, Antímio esforçava-se todos os dias, do nascer ao pôr-do-sol. Sabia o que custava andar de camisa suada, sabia o que custava beber água tépida para matar a sede. No meio dos torrões secos dos campos, era preciso ajeitar a terra e preparar aquela que viria a ser a cama das sementes para nascerem logo a seguir.

POSTAS DE PESCADA

No Alentejo, antigamente, havia ursos. Já não há. Embora ainda haja em outros sítios do planeta, dizem. Confirma-se. Então é assim, antigamente, quando havia ursos no Alentejo, estes tinham personalidade. Tinham tanta personalidade que fazia impressão. Não havia forma de registar a personalidade dos ursos nesses tempos em vídeo, nem áudio. Era uma pena. Tudo era basicamente uma pena naquela altura e ao mesmo tempo bucólico e apaixonante.

BARATAS TONTAS

Vamos dar, neste texto, uma perspetiva diferente e atribuir características nobres a esse inseto multifacetado, tanto voa como rasteja, que é a barata. Espere. Não deixe de ler já o texto só porque se criou uma imagem de uma barata e já apetece fugir. Há que dar o benefício da dúvida. A barata, para começar, diz que tem sapatinhos de veludo. Ah, não. Espera, essa é mentira da barata. O que ela tem é os pés peludos. Não vou entrar por aqui. Podia, mas não vou.

Páginas