Está aqui

Artigos publicados

Campos de arroz

Escondidos no meio da imensidão que era aquele país, os campos de arroz fecundavam dia após dia. Rodeados de montanhas, descansavam num terreno plano, divididos em parcelas que cada família cuidava. Homens e mulheres passavam os dias com os pés enfiados nas águas que alimentavam os pés de arroz, picados incessantemente por mosquitos de estirpes várias. Umas vezes traziam consigo malária, outras sugavam apenas algumas gotas de sangue. Quase todos tinham já experimentado uma ou outra situação.

A morte

Todos os momentos são propícios a reflexão, sejam eles mais alegres ou mais tristes, mais gratificantes ou mais dolorosos. Ontem, dia 20, só num dia, quatro pessoas amigas e conhecidas, do meu círculo pessoal, partiram para o descanso eterno, como todos nós gostamos de pensar. Imaginar aqueles que mais amamos num lugar belo, conforta-nos e alivia a nossa dor. Alivia, porque essa dor, creio, nunca nos abandona.

Janeiro

O mês tinha começado com um frio moderado. O pior não era o frio em si, mas o vento e a chuva que se fazia sentir no monte. Quando falamos de montes no Alentejo, falamos das casas que se espalham pelas serras ou planícies.

Janeiro não era assim tão diferente dos outros meses, nem o era das outras pessoas a pessoa de quem falamos. É verdade, também se chamava Janeiro o homem que morava no monte.

A planta

No dia em que foi à grande superfície, que poderá ter sido qualquer uma, a mulher de cabelo encaracolado sabia que havia alguma coisa que teria de forçosamente trazer consigo para casa.

Linda de Suza, ou a nossa mala de cartão

Começa o ano de 2023. 2022 foi, à semelhança de muitos outros anos que o antecederam, e muitos outros que o seguirão, um ano repleto de acontecimentos bons e maus. Talvez mais maus que bons, neste especificamente.

2023 começará cheio de esperança, de boas novas, de desejos de prosperidade e felicidade. Aquilo que todos nós desejamos e que, lá para meio do ano, percebemos que as coisas não vão ser bem assim.

A salamandra

Olhando fixamente para o céu cinzento, o homem de cara fechada, sentado em cima de um tronco de azinho, sabia já que a chuva ia voltar.

Essa certeza deixava-o com sentimentos diferentes. Por um lado, inundava-o uma felicidade muito grande que lhe assegurava a água a alimentar as terras e as barragens e ribeiras cheias. Por outro lado, os perigos que a água trazia consigo assustava-o e pensava que, em demasia talvez causasse os estragos que vira, pela televisão, na grande cidade de Lisboa.

Passaporte

Nem todos temos um. Embora todos nós, cidadãos de países onde se pode viajar, tenhamos direito a um, possamos utilizá-lo para sair de um território que é nosso nacional, passar por outro, chegar a outro ainda, nem todos temos um. Nós os portugueses temos um cartão de cidadão que nos identifica, que nos dá um número de identificação, um número de pagamento de impostos, um número para receber uma reforma nos anos mais serôdios da nossa vida e um outro que nos dia quando e onde podemos ir ao nosso médico.

Nenhuma das opções está correta

O tempo passa e nós passamos pelo tempo. Tantas vezes o tempo passa por nós e não sabemos bem como entender se é ele a adiantar-se, se o atraso é nosso, se as coisas são assim ou diferentes na vida de cada um. O tempo baralha-nos. Na vida, nos serviços públicos, nos transportes, em todo o lado. Até parece que nos regemos por aquela famosa frase dos testes de escolha múltipla, em que nenhuma das opções está correta…

As cantigas que trauteamos

Era pequenino. Novinho e já ouvia e tentava imitar as cantigas que ouvia trautear. É um verbo bonito e diferente. Nunca tive muito, diria nenhum, sucesso nas minhas tentativas de imitação a cantar. Até ao dia de hoje, e isso não mudará certamente enquanto eu viva. Também, não sei quanto tempo vou viver. A nossa duração física e carnal é sempre uma incógnita. Houvera uma bola de cristal e certamente muita gente a usaria para descobrir o seu tempo nesta terra.

Folheto informativo

O folheto informativo chegava todos os dias à mesma hora. Trazia toda a informação necessária para aqueles que o recebiam e aqueles que o emitiam. Essa era a sua função e esse é o seu primordial propósito.

Poderia ter outro formato, o de um jornal, de uma brochura, mas não tinha. Era apenas um folheto informativo que em poucas páginas trazia tudo aquilo que se considerava relevante.

Passou por vários formatos de emissão e de chegada, desde o antigo papel, até ao digital. Hoje em dia, aquilo que interessa chega num clique. Tudo e nada.

Páginas