Está aqui

Artigos publicados

Dermatobia hominis

Lá vou eu buscar o nome latino para outra das minhas crónicas. Pois bem, assim foi de modo a não assustar o senhor leitor e até a deixar a sua curiosidade mais afinada.

És um abutre!

Esta é a história de Feliciano Fortunato da Silva Feliz. Não é uma história qualquer, mas uma fábula que procura apelar ao vosso sentido de compaixão mais profundo por uma criatura que apesar do nome, foi sempre o oposto. Nascido abutre, era tão feio como a própria ave. Tinha no seu bico e face todas as características negativas que faziam dele temível. Nasceu careca e sem penas. Dotado apenas de uma leve penugem, as penas lá foram crescendo. Em todos os lugares menos na cabeça. Sempre foi discriminado, por todos.

Mantodea

Chamava-se Mantodea. Tinha 28 anos e um curso universitário. Era uma criatura de pernas longas e um vestido verde longo de gala, uma mulher linda! Sabia que o era. E fazia uso disso. Mantodea depois de acabar o curso mudou de cidade e foi viver para o Algarve. Antes, em Beja, sempre fora uma rapariga discreta. Numa cidade de insectos, Mantodea fez o seu percurso de forma muito discreta. Andou de um lado para o outro e em Beja era uma pessoa que passava despercebida. Nunca ninguém notou que Mantodea era, verdadeiramente, uma assassina. Nem eu sabia.

Lobo em pele de cordeiro

Nascido nas Beiras, João Lobo era um rapazinho ambicioso. Fez os seus estudos numa escola secundária pública e sempre foi o melhor aluno.

João Lobo nunca tinha tido uma nota abaixo de 95 por cento em todas as disciplinas. Quando terminou o secundário decidiu enveredar por uma região diferente do país. Foi para o Alentejo. A sua primeira preferência era a área mais calma do país e aquela que, na minha opinião, era a mais rica na vida académica, sem prejuízo de todas as outras. João Lobo fez economia em Évora e aí se tornou Doutor nos mesmos estudos.

Rato capitão

A manhã começou com uma brisa tão suave que parecia que o tempo não iria mudar nos próximos dias e anos. Na terra longínqua de Franterra, o tempo era ameno e sempre bom.

Era uma terra que vivia principalmente do comércio marítimo e do mar. A cidade ficava virada para o mar, numa paisagem e cenário que fazem lembrar o lugar mais idílico. Era, de facto uma maravilha aos olhos.

Mãe Galinha

Pedrês de seu nome, era uma franganita do campo. Nascida de um ovo, chocada com mais 8 irmãos, desde pintainha que cedo aprendeu a seguir a mãe, sentir-se protegida e aprender a lidar com as adversidades.

Ir parar ao tacho e transformar-se em cabidela era uma delas, embora não o soubesse.

Pedrês foi crescendo com os irmãos e com as irmãs e conheceu verões, invernos, primaveras, outonos. Houve períodos de mais abundância e períodos mais difíceis durante o seu crescimento.

I. A toupeira

Começa, com este texto, mais um ciclo nesta minha coluna semanal. Desta vez, tornei-me mais arrojado. Não que, de forma alguma, queira ou me possa comparar a Ésopo ou La Fontaine, mas tentarei criar alguns textos e alguns mundos em que as personagens e, principalmente, os protagonistas são animais. Nas próximas semanas, dificilmente, o caro leitor e a cara leitora se cruzarão com seres humanos e, se isso porventura acontecer, terá sido pura coincidência.

Tempo novo

Este é um tempo novo. Um tempo que se Renova. Não é o tempo em que me sinta mais criador, nem o tempo em que a minha imaginação pulse. Sinto-me como que um inútil que passa o dia a fazer coisas que, no final, passam a ter alguma utilidade.

Este é um tempo novo que não queria conhecer. Desde o dia primeiro que sigo as notícias. Vejo diariamente as coisas que me contam os amigos, os seus pensamentos, as suas divagações, a beleza das suas criações.

Talvez mais separados que nunca, reencontrá-lo-nos na fibra ótica, nos bits e nos bytes, nos desabafos e nos sorrisos virtuais.

O homem do metro

Afinal, o que é e quem é o homem do metro? O homem é um substantivo masculino, alguém do sexo masculino, que é qualificado como alguém que anda e que é associado ao metro. O homem do metro não era ninguém relevante. Nunca o foi na sua vida para qualquer história. Tornar-se-ia na nossa história e por isso... conhecido de vós num pequeno pormenor na crónica de janeiro, o homem do metro cruza-se com uma mulher... e cruzam-se muito mais do que socialmente.

A mulher, não sabíamos ainda quem era. Só a conheceríamos no mês seguinte.

Dezembro

Foi um mês imensamente frio. Nunca tinha estado tanto frio. Eloísa acabara de chegar a Miami, após a sua fuga e a sua viagem. Com o saco cheio de dinheiro, a sua vida tinha mudada tanto no espaço de um ano.

Mudou de nome e de identidade. Era uma mulher nova. Nunca tinha viajado até aos Estados Unidos, mas as coisas todas mudam.

Quando Pablo chegou a casa, deparou-se com a triste realidade que o esperava. A mulher a quem tinha dedicado tudo, figura com grande parte da sua riqueza. Desconfiou de tudo e de todos. Pensou que Rodrigo estaria implicado no maquiavélico plano.

Páginas