Está aqui

Artigos publicados

Mais um que já foi, mais um que vem

Chegamos a mais um final de ano. Pode parecer impressão minha, mas com o passar deles, dos anos, parece-me que se sucedem mais rápidos, como o passar dos meses, das semanas, dos dias, das horas…

Fico sempre com a sensação de querer ter feito mais qualquer coisa, de querer ter aproveitado melhor) ainda melhor) cada minuto de 2019.

Com o final do ano chegam também as previsões para o novo ano, as estatísticas e os números do ano que passa e há vários assuntos que gostaria de tocar neste último editorial de 2019.

1914: Quando o Natal parou a guerra e se jogou futebol

Em plena Primeira Guerra Mundial, em dezembro de 1914, o espírito do Natal, do Humano, por uns dias, levou a melhor sobre a guerra, sobre as diferenças e, nas trincheiras, a guerra parou para dar lugar à comemoração do Natal. Em dezembro de 1914, suspendeu-se a guerra por umas horas e os soldados de ambos os lados das trincheiras voltaram a ser apenas civis.

Este Natal seja Catarina e sinta o poder

Disse o líder da igreja católica, o papa Francisco, “Estamos perto do Natal: haverá luzes, festas, árvores iluminadas, presépios… mas é uma farsa. O mundo continua a fazer as guerras. Não escolheu o caminho da paz.”

Gosto do Natal. As cores, os sons e até os cheiros do Natal despertam sentimentos de positivo e de fraternidade numa sociedade cada vez mais macambúzia. As pessoas saem à rua e disfrutam, em muitas localidades, da cor e das tradicionais músicas da época. A solidariedade cresce, as pessoas lembram-se que são humanas e são-no mais.

Há 101 anos assinavam o fim da Guerra

Às 11 horas de hoje, 11 do 11, há 101 anos, entrava oficialmente em vigor o armistício que punha um fim formal à Primeira Grande Guerra.

Há 30 anos, o povo derrubou o muro!

Se a bipolarização do mundo no pós-Segunda Guerra mundial se pudesse resumir a um símbolo, esse seria certamente o Muro de Berlim, "die Berliner mauer".

"Cresce junto, o que é para estar junto" disse Willy Brandt, ex-chanceler alemão, sobre os acontecimentos de 1989, o ano em que o muro que separou a cidade de Berlim em dois durante 28 anos - separando famílias e amigos - foi derrubado. Desse acontecimento passam hoje, 9 de novembro, 30 anos e foi um dos momentos mais importantes da história do século XX.

O Ser Humano não tem limites

Há vezes que a vida nos parece demasiado dura e que não vamos conseguir ultrapassar isto, ou aquilo. Nesses momentos, o mundo parece abater-se sobre nós. É então que nos chegam muitos outros exemplos do contrário. De que, com vontade, esforço, persistência e resiliência os problemas são ultrapassados; os objetivos são conseguidos; os limites são ultrapassados.

Liberdade, Independência, República e Educação

Hoje é 5 de outubro. Mais um. Podia este ser um dia qualquer, mas não é, e este ano, sendo o dia de reflexão que antecede mais um ato democrático, toma ainda mais relevo. E não fossem dois acontecimentos que hoje se celebram e podíamos nem ser país, nem viver em República.

Portugal é Lisboa e o resto é paisagem

Também na Assembleia, Portugal é Lisboa e o resto é paisagem. Ou melhor, Lisboa e Porto.

Para 10 811 436 eleitores, Portugal tem 230 deputados. Há deputados a mais, queixa-se o povo. E tem razão. Se é para representar só Lisboa e o Porto, tanto fazem 10 como 20.

A intolerância tem limites

É um facto: a net deu largas ao ódio. Poder-se-á dizer que fanáticos e extremistas sempre existiram, mas, sem dúvida, a net abriu-lhes as portas e permite que sejam proferidos impropérios, realizadas ameaças e ofensas de forma gratuita e que antes, em contacto pessoal, nunca seriam feitas, a consciência do humano, na maior parte dos casos, impele o respeito.

A diferença de opinião – quando confrontada - é o que faz crescer cada ser humano e, no geral, a sociedade, isto sempre e quando exista respeito pelo próximo e pela sua opinião.

Hoje é dia de um dos maiores de sempre: Mandela

Hoje, 18 de julho, é o Dia Internacional Nelson Mandela. Mais, hoje celebrava-se o aniversário de “Madiba”. Mais ainda, celebra-se o seu 101º aniversário.

Quando, em 2003, Mandela faleceu, foi relembrada uma frase sua de uns anos antes. “A morte é inevitável. Quando um homem fez o que considera seu dever para com seu povo e seu país, pode descansar em paz. Acredito ter feito esse esforço, e é por isso, então, que dormirei pela eternidade.”

Páginas