Está aqui

Artigos publicados

Cante(mos)

“Um povo que canta não pode morrer.” É esta a frase de Giacometti que tem lugar de destaque na Casa do Cante, em Serpa.

Quase a fazer quatro anos da nomeação do Cante Alentejano como Património Imaterial da Humanidade pela UNESCO, o Cante reconquistou a sua importância no coração dos alentejanos e é agora presença assídua em eventos e festivais de música.

Ninguém ganhou a guerra, nem ninguém ganhará a próxima

Há exatamente 100 anos as balas calaram-se e deram lugar ao silêncio de 10 milhões de combatentes mortos e cerca de 20 milhões de mutilados.

Mas “ele não” porquê?

Desta vez, o Brasil é foco e não é pelos golos e fintas do Ronaldinho ou pelo Carnaval do Rio. Os olhos do mundo – passadas três semanas da primeira volta – voltam a estar postos no “país irmão“ porque a escolha do Brasil, com uma polarização do eleitorado nunca antes vista, vai recair num de dois nomes: Jair Bolsonaro (PSL -) ou Fernando Haddad (PT – Partido Trabalhista).

À hora que escrevo o Brasil estará já em reflexão para escolher quem o liderará nos próximos anos. À hora que está a ler este editorial, o Brasil já vota para escolher o próximo Presidente.

711 anos de Sextas 13, Ignorância e Fanatismo

Foi a 13 de outubro de 1307, numa sexta-feira, que teve início, em França, a perseguição aos Templários, por ordem do rei de França, Filipe IV, “o Belo” e com a anuência e apoio do Papa Clemente V.

Depois de 188 anos em Jerusalém, a marcar a presença Cristã e a proteger os peregrinos, foram acusados de heresia pelo rei francês e foram perseguidos, torturados e mortos, passando as suas posses e bens para a coroa francesa e não sendo um “empecilho”na gestão política do Vaticano.

5 de outubro: celebra-se Portugal... duas vezes

Pelo menos por duas vezes na História de Portugal que a data de 5 de outubro é uma data muito marcante: a que dá azo ao feriado de hoje, a data que marca a Implantação da República, e a da assinatura do Tratado de Zamora.
 
O Tratado de Zamora foi assinado há exatamente 875 anos marcou o início formal da independência nacional face a Castela. 
 

Não ruíram só as Torres

Já passaram 17 anos desde os atentados às Torres Gémeas em Nova Iorque e o tema continua a ser motivo de debate, de controvérsia, de incerteza e de fantasma de insegurança, com razão umas vezes, por conveniência por outras. Não ruiram só as Torres.

Morreu um homem de “raça”

Morreu Cavalli-Sforza, aos 96 anos, sem estrondo, sem direito a manchetes e só notícia em alguns órgãos de comunicação social.

O nome Luigi Luca Cavalli-Sforza é desconhecido de quase todos, no entanto, o cientista geneticista italiano foi responsável pelo estudo sobre a distribuição geográfica de variantes genéticas na Terra e que veio a permitir a reconstrução de como se deu a expansão da humanidade pelo planeta.

Faz 73 anos que terminou a Segunda Guerra Mundial

Hitler, Nacional Socialismo ou nazismo e Holocausto. Poucas palavras cunharam de forma tão violenta o século XX. E as consequências delas deixaram um rasto tão grande que o tempo que decorre entre a mais global das guerras e o tempo presente não parece assim tão longo. Apesar dos 73 anos que faz o fim da Segunda Guerra Mundial, com a capitulação do Japão, a 15 de agosto de 1945.

Caso Robles: saiu à casa

Já muito foi dito sobre Ricardo Robles, vereador do Bloco de Esquerda na Câmara de Lisboa, sobre as suas propriedades, as vendas, alugueres ou a especulação imobiliária. Adquirir um imóvel, recuperá-lo (ainda que por obrigação) e querer vendê-lo obtendo algum lucro é legítimo; os valores de um dos prédios de Robles terão sido: a compra por 347 mil euros, a remodelação por 650 mil e foi colocado à venda por 5,7 milhões, tudo em quatro anos. Neste caso, não será algum lucro, é muito, mas se alguém pagar, o problema é de quem paga.

Perguntamos ao Olimpo porquê

Porque passámos por algo semelhante há bem pouco tempo.

Porque as vidas humanas são sagradas.

Porque o amor entre as famílias durou até ao último suspiro.

Porque não conseguimos uma explicação para o sucedido, resta perguntar ao Olimpo o porquê de mais uma tragédia como a que se vive na Grécia com os incêndios.

Impotentes, desolados e incapazes de explicar, o sentimento toma conta da razão, e com as imagens da Grécia, tal como em Portugal, o ano passado, as lágrimas são muitas, mas insuficientes para acabar com o flagelo.

Páginas