Está aqui

Opinião

A galinha dos ovos de chocolate

Numa ilha tropical vivia uma galinha. Morava no interior da ilha e era uma galinha sabida e curiosa, ao contrário das outras galinhas que não eram assim muito interessadas por questões astrofísicas. A galinha Gá Gá era muito diferente de todas elas. As outras galinhas levavam uma vida normal de galinha, como se espera... bicavam milho e sementes, comiam coisas frias e quentes, bebiam água da ribeira e do bebedouro e punham ovos.

Há homens grávidos e doentes com 134 anos?

Os dados que têm sido disponibilizados pela Direção Geral de Saúde (DGS) aos cientistas que ao longo do tempo têm analisado a evolução da covid-19 em Portugal, e que têm sido utilizados como base ao Governo e aos médicos para decidir como combater a pandemia, contêm erros graves e alguns completamente absurdos.

Muro de Berlim caiu há 31 anos

Resumir a bipolarização do mundo na Guerra Fria, no pós-Segunda Guerra Mundial num só símbolo esse seria certamente o Muro de Berlim (die Berliner mauer).

No dia em que o muro foi derrubado, a 9 de novembro de 1989, há 31 anos, o então chanceler alemão, Willy Brandt, disse: "Cresce junto, o que é para estar junto". O muro que separou a cidade de Berlim em dois durante 28 anos - separando famílias e amigos - era derrubado.

Cintura de vespa

Émilie Marie Bouchaud, mais conhecida por Polaire, num outro mundo que não é o nosso, era atriz e de muito sucesso. Viveu há muitos anos numa cidade francesa e tinha uma particularidade que fazia dela não só uma atriz muito famosa, mas também uma figura única. Polaire era uma vespa. Tinha, por isso mesmo, uma delicada e definida cintura de vespa.

Isto é uma América?

Desde pequeno que aprendi a admirar os Estados Unidos.

A doutrina emanada de Hollywood terá sido uma grande culpada. Quando era pequeno, tal como a maioria das crianças à época, preferia os cowboys aos índios, preferia os americanos aos russos, aos chineses, a quaisquer outros alegadamente “bad guys”. Os EUA chegaram à lua, dominavam o espaço e quem não quis viver como em “Beverly Hills 90210”?

(re)Flectir

São 22h, acabo de sair do trabalho e a distância de regresso a casa é preenchida pelo choro de um pai desesperado que ecoa através do altifalante do carro.

Sinto que o meu trabalho enquanto psicólogo pode ser entendido como perigoso na medida em que me direciona recorrentemente para zonas de conflito. Predominantemente de conflitos internos, mas muitas vezes de conflitos externos...

Coesão para o Eixo Atlântico! E o Eixo Ibérico?!

Por Jorge Pais, Presidente da Associação Empresarial de Portalegre

Das decapitações e fuzilamentos da nova vaga de terrorismo às malfadadas aulas de Cidadania

Não é necessário estar muito atento às notícias para entender que assistimos hoje ao ressurgimento de uma nova vaga de terrorismo jihadista na Europa. Em França há decapitações na via pública por via de um professor ter mostrado caricaturas de Maomé numa aula sobre liberdade de expressão. Na Áustria um homem passeia-se por Viena com armamento de guerra matando tudo quanto encontra. Assim estamos, mais uma vez.

Confiem no Teletrabalho!

Aos portugueses sempre causou alguma perplexidade e admiração, observar trabalhadores independentes a desempenhar as suas funções a partir de casa, em cafés, restaurantes, jardins, ou em qualquer outro lugar longe do rebuliço do escritório. O que tomava as atenções era a informalidade da situação, a despreocupação com que se iniciava o dia de trabalho, a postura leve que estas pessoas assumiam e a flexibilidade que aparentavam ter.

O sapo encantado

Num reino muito distante, onde as árvores não falavam, onde os habitantes vestiam roupas de encantar, onde todos falavam a cantar, havia um habitante especial. Tão especial que merece uma fábula nossa. Chamava-se Teodoro e era um sapo. Vivia, num mundo em que os sapos eram simples plebeus e gente de baixa e má rês. Teodoro tinha um sentido de justiça muito especial. Fugia do padrão do resto dos sapos e das rãs, mas mesmo assim conseguia entrar nos nervos de algumas espécies com capacidades mágicas.

Páginas