Está aqui

Opinião

ALSTONES – Uma oportunidade para o Alentejo

Decorreu, na passada quarta-feira, a apresentação pública do Projeto ALSTONES. Este evento, que irá realizar-se em Vila Viçosa, no próximo mês de julho, e que agrega sete concelhos do Alentejo Central (Vila Viçosa, Borba, Estremoz, Alandroal, Sousel, Reguengos de Monsaraz e Redondo), tem como objetivo primordial a promoção da pedra enquanto fator determinante do ponto de vista patrimonial, cultural, social económico.

Entre Capelas e "capelinhas em R4 - Alvito, Cuba e Vidigueira

Entre Capelas e "capelinhas em R4, com os "Eat-Inerários Slow @ Alentejo"

Sob o signo do vinho de talha, entre capelas e “capelinhas”, encerrou a temporada de 2018 dos "Eat-inerários Slow @ Alentejo" com uma jornada dupla, que regressou a terras que regressou a terras de vinhos (Vidigueira, Cuba e Alvito) onde temos sido muito bem recebidos, permitindo aos aventureiros a (re)descoberta de mais um pouco de um Alentejo menos conhecido, tendencialmente em modo slow travel…

Primeiro Portugal

Em todos os Estados onde se vive a prática democrática o papel da oposição é reconhecido pela sua importância. Em Portugal,  o papel que cabe à oposição é feito, em parte, pela imprensa, uma vez que se torna nas suas diversas formas, o meio mais difundido pela qual a população toma conhecimento do panorama politico e respetivos desvios de conduta, apesar do teimoso facciosismo de esquerda na mesma.

Ainda agora começou…

Estamos a começar a terceira semana de 2019 e parece que já temos matéria para um novo ano civil.

Começámos com a tomada de posse de Bolsonaro com o cumprimento de algumas promessas como por exemplo a retirada de autonomia a comunidades indígenas.

Continuámos com um canal generalista que esqueceu por completo a norma constitucional portuguesa que proíbe a publicidade a entidades fascistas ou fascizantes e a convidar um dos principais rostos dessas mesmas entidades para uma entrevista.

A canção pop perfeita…

Por mais voltas que o pobre e belo mundo venha a dar dificilmente se poderão definir (ou melhor, circunscrever) as razões que levam uma canção pop a ser considerada perfeita. Não com a certeza pós-primitiva que é apanágio dos justos. Canção pop perfeita – Ui! Plim plons plim plons numa sequência subjectiva como que a levar-nos pela mão ao altar da mestria absoluta em pouco mais de três minutos. É o impraticável tornado viável, apesar de tudo? Singularidade que apenas interessa aos “náufragos do fim dos tempos” – aos que restam (sim, refiro-me a nós).

O presidente que se tornou rei do absurdo

Era uma vez um presidente que queria ser rei do absurdo; selfie atrás de selfie, entrevista atrás de entrevista, abracinhos e beijinhos:tudo isto não bastou. Mas o presidente era esforçado nesta sua vontade de ser rei do absurdo e chegou o dia que ligou à Cristina, em direto, no seu novo programa de TV, e assim conseguiu sê-lo.

II. Momentos após o início

Amaro continuava sentado naquela cama que o aprisionava e fazia com que se contorcesse de forma vulnerável sem que conseguisse que o seu corpo respondesse ao apelo que a mente fazia.

Quando perdemos o domínio do corpo, a mente tenta dar-lhe ordens em vão. Amaro, por todas as razões que conheço, tinha perdido o domínio do corpo. Instrumentalizava-o ainda, ligeiramente, quando se mexia. Nada era como antes, nada é como no dia anterior. Não filosofemos.

Jean Claude Brisseau e Henry Miller

Apontamento sobre o cineasta Jean Claude Brisseau (com um piscar de olhos ao perverso mais sincero – apetecia dizer singelo – que este mundo alguma vez conheceu: Henry Miller)

I. O início

No meio de um suspiro sôfrego, meio desencantado com a situação que se tinha instalado, Amaro levantou-se do colchão duro que o incomodava ostensivamente e inclinou-se na cama.

Descentralização: um processo fundamental para o desenvolvimento do país

A Descentralização é um processo fundamental para o desenvolvimento do País. A Descentralização para as Autarquias é uma parte decisiva desse processo.

Acredito que permite a aproximação das decisões aos cidadãos. Acredito que permite uma maior promoção da coesão territorial, o reforço da solidariedade inter-regional. Acredito que permite ajudar a melhorar da qualidade dos serviços prestados às populações. Também acredito que permite aumentar a racionalização dos recursos disponíveis.

Páginas