Está aqui

Professores

O Governo mentiu e fez um golpe de teatro de má qualidade

Relativamente ao tempo de serviço dos professores e toda a crise política que se instalou em torno do tema, não passou de uma farsa e de uma enorme mentira promovida pelo Sr. Primeiro-ministro.

É talvez a maior farsa que eu já vivi em termos políticos. Note-se bem, o Governo votou contra a reposição integral do tempo de serviço dos professores, reposição essa que tinha negociado e aprovado nos últimos orçamentos do Estado. Negociada obviamente com os partidos que ao longo destes anos dera suporte ao Governo (PS, BE, PCP e PEV).

Do sentido ao sem-sentido

O ano letivo começou dentro de uma normalidade possível. A luta dos professores continua sem que se preveja o seu desfecho. Com o extremar das posições é certo que o agudizar da luta se irá manter.

A maioria das escolas abriu, com os professores colocados, mas, ainda assim ,com algumas lacunas que entravam o bom funcionamento dos estabelecimentos de ensino.

Se temos direito a que se contabilizem os 9 anos em que a carreira esteve congelada? Claro que sim, se não para que estivemos a trabalhar.

Universidade de Évora estuda a Saúde dos Professores

A Universidade de Évora em parceria com a Universidade do Algarve, realizaram juntas um dos maiores estudos de sempre sobre stress, motivação e saúde dos professores em Portugal.

E AS AULAS RECOMEÇARAM...

Mais um ano letivo e os habituais entraves continuam por resolver.

O que no ano transato tinha sido um ponto a favor do Ministério da Educação, este ano, tudo se inverteu.

Escolas sem professores colocados, sem assistentes operacionais suficientes, crianças com necessidades educativas especiais (NEE) sem professores de apoio, obras por fazer ou por concluir, espaços descuidados, enfim…todo um manancial de problemas por resolver que, atravancam o inicio normal das atividades letivas.

É A VONTADE, MAS NÃO É A VONTADINHA…

Nos últimos dias a política lusa recordou-me aquele filme de Bob Rafelson, “O carteiro toca sempre duas vezes”, e a verdade é que em relação aos nossos primeiros ministro “toca” sempre mais do que aquilo de que gostaríamos.

Aos professores

Hoje dedico a minha crónica aos professores.

Aos que já estão colocados mas não sabem em que escolas vão ficar, e que vão ter de se apresentar numa escola que provavelmente não será a sua para o resto do ano lectivo.