Está aqui

literatura

Ainda julho

Numa noite quente de julho, os meus olhos pretos transmitem pequenos raios de ansiedade. Um passo em frente e caio para trás. Dou balanço e as minhas costas reproduzem um barulho sonoro similar à dor quando embatem no chão.

Monte das Almas

Sentava-se solitário no poial caiado de branco. Detentor de uma pele enrugada, queimada e rasgada pelo Sol intenso dos dias de verão, a sua única companhia era um cão rafeiro, que se sentava na pequena sombra que o homem lhe proporcionava.

Vestido de negro, com uma camisa tão queimada do Sol e do tempo como a sua pele, via-se nele o peso de uma vida e de muitos anos. O seu olhar perdia-se no horizonte, na imensidão dos montes e dos vales em frente ao Monte das Almas. Neste tempo de verão, tudo o que se avistava era um misto de verde seco com castanho e amarelo torrado.

A lenda dos quatro olhos II

Depois dos latidos dos cães, três, a festa começou. O moço e a moça tinham ido os dois à festa, como sempre tinham ido desde que se conheciam por gente. Deviam ter agora os seus catorze anos. Eram da mesma idade. Aliás, tinham nascido os dois no mesmo dia e à mesma hora. Coincidência ou não, o destino marcava os dois de uma forma nunca igual. Ele nasceu no cerro, do lado da umbria e ela nasceu do outro lado, o da soalheira. Ela tinha nome de flor e ele de flor tinha.

Já se tinham visto tantas vezes na festa, sentados na igreja, um na coluna da esquerda, o outro no lado direito.

A cura

Apertou e gritou. Suplicou e chorou. Deu a volta ao meu corpo e encontra-se perdido dentro do mesmo sem rasto.

Salgadas e quentes. Irrequietas e seguindo direções opostas, queimam sob o meu rosto melancólico.

Fechada e a arder. É acompanhada de sentimentos de medo e de mão trémulas.

Caí e dói. Há sangue. Há dor. Há paz invisível.

Permaneço caída a ouvir os sons e as sensações que eu mesma transmito.

Existem memórias espalhadas ao meu redor, junto de lembranças que ardem e pensamentos cortantes. Há anos ao meu redor e deito a minha cabeça no chão.

Novos mundos ao mundo

O “Ó mar salgado, quanto do teu sal são lágrimas de Portugal!” de Fernando Pessoa na “Mensagem” são palvras que refletem muitas vezes um Portugal soturno, triste, que se vê inferior e subalterno, de cabeça baixa e rendido ao Fado e ao trinar lento da guitarra e do tempo.

O enunciado

Eram 8:00, 8:30 da manhã quando chegaram ao local de aplicação, num lugar qualquer deste mundo, numa qualquer disciplina, num qualquer nível de ensino.

As nossas crianças e adolescentes passam todas, como todos nós passamos, por momentos de teste. Somos testados a cada momento e em diferentes aspetos da nossa vida. As relações testam-nos, a família testa-nos, a escola, o trabalho, os amigos, a estrada, os reflexos, os jogos. Tudo é um teste mais ou menos convencional.

A geração que virá depois

Somos feitos de carne, de osso, de músculo, de nervo, de água, de sangue, de uma combinação tão quase perfeita que seria quase impossível descrever num tão curto texto todas as características que nos compõem e que nos marcam.

Todos os elementos foram criados e conjugam-se de forma admirável. Todos os elementos começam de forma quase invisível, vão crescendo, amadurecem e envelhecem até ficarem como pó na terra que os vi nascer.

A noite das maravilhas

Por Giuseppe Steffenino

Eu sou agnóstico. Apesar disso, ou talvez justamente por isso, as religiões interessam-me porque pertencem ao modo de pensar das pessoas e muitas vezes moldam suas vidas.

O pescador e as ondas

Era uma vez um mar muito azul, que se prolongava de uma costa distante até ao lado de cá, onde se acreditava tão longe o lado de lá, como nesse lado achavam este. Duas visões e percepções distantes e idênticas. Neste lado, o mar era mais azul quando visto do céu. As tonalidades que o preenchiam transmitiam a ideia de paz e imensidão. A alma precisa tantas vezes de azul para se acalmar, da mesma forma que precisa de verde quando busca a esperança para se aconchegar.

Redor

Redor. Ao redor. Aquilo que nos rodeia. O círculo que se forma em torno de nós e daquilo que pensamos. As redondezas significam sempre algo que está próximo de nós e tem, positiva ou negativamente, influência no nosso bem-estar, no nosso comportamento, no olhar que mudamos para ver mais longe, ou mais perto…

O redor molda-nos e molda aquilo que vemos. Hoje em dia, pouco interessa o redor que pode contribuir para a verdade. Tantas vezes, embora os nossos olhos vejam e testemunhem a realidade, dir-nos-ão que o redor não é o redor e aquilo que vemos não é real.

Páginas