Está aqui

Cultura

O último voo da poupa

A poupa poupava muito dinheiro em viajar de autocarro. Mesmo em longas distâncias, preferia o transporte mais barato. Não tinha nada a ver com o seu nome, embora, claro, se é poupa, poupa.

Tinha mesmo de poupar esta poupa pois tinha um ninho cheio de ovos e uma prole tão mais numerosa quanto o número de ovos que tinha no ninho.

Embora poupada, havia sempre despesas que levavam a que a pobre gastasse dinheiro. Não me vou referir à forma escatológica como construíra o seu ninho.

Um presépio de "gigantes" para ver em Monsaraz

Está de regresso um marco da celebração natalícia alentejana: o presépio de rua de Monsaraz.

Este é já o 21ª ano consecutivo desta tradição e, pelas ruas de Monsaraz, poderá ver 46 figuras em tamanho real. Além da Virgem Maria, São José e do Menino Jesus - colocados no Castelo – até 6 de janeiro, pode ainda passear ao lado dos Reis Magos, mas também de pastores, dos guardas do castelo, do oleiro, do almocreve, da lavadeira e da fiadeira.

Fundação Eugénio de Almeida cria aplicação inovadora no inventário do património cultural religioso

Foi batizado de Inwebparoquias e nasce com o objetivo de facilitar o processo de atualização do inventário do património cultural religioso em 24 concelhos nos distritos de Évora, Portalegre, Setúbal e Santarém

Kat Piwecka, a fotógrafa polaca apaixonada pelo Alentejo

Foi num dia de junho que Kat Piwecka chegou a Portugal pela primeira vez. O intuito da fotógrafa polaca era realizar um trabalho sobre o Algarve para uma revista do seu país.

Kat revelou que não foi preciso muito para sentir que tinha descoberto a sua segunda casa, bastou uma brisa de vento na face no mesmo dia em viu escrita num barco a frase „se podes sonhar, podes concretizar“.

A fotografa de celebridades internacionais e jornalista de viagens ficou apaixonada. E o que acontece quando uma mulher se apaixona? Magia.

A fuga do peru

Dia 26 de novembro do corrente, antecipando a grande festividade do dia do peru nos Estados Unidos, Macário, um peru grande e encorpado que vivia no meio desse país, antecipou um acontecimento que o deixaria em sérios problemas, se não, questão de vida ou de morte. Neste caso sabemos que seria mais de morte.

Há uma tradição aqui deste lado do Atlântico de sacrificar um animal que será barbaramente degustado por um número enorme de comensais. Trata-se do Dia de Ação de Graças. Quem não acha muita graça são os perus. Neste caso Macário não achava mesmo piada nenhuma.

Quem quer apagar o 25 de Novembro?

O 25 de Abril acabou com o regime de Salazar / Marcelo. O 25 de Abril abriu as portas à Democracia e à Liberdade. O 25 de Novembro garantiu a Democracia e a Liberdade. O 25 de Novembro consolidou o 25 de Abril.

Na minha opinião as duas datas são fundamentais para a consolidação do processo democrático português.  Por isso mesmo, estranho a débil, ou quase inexistente, evocação ao 25 de novembro.

Recentemente completaram-se os 45 anos do 25 de novembro de 1975 e, pelo que se pode notar, praticamente nenhum órgão de comunicação social relembrou esta data histórica.

658 anos de Sines com exposições e programas online

Foi em 1362 que D. Pedro I criou o município de Sines. Este ano, a 24 de novembro, assinalam-se 658 anos de existência e há um programa de celebração, maioritariamente online, para celebrar o dia.

O elefante que conhecia tudo

Seu nome próprio era elefante embora os amigos se dirigissem a ele como ele. Vivia em África e nunca tinha vindo ao Alentejo. Podia até já ter vindo mas não era o caso.

A família era numerosa. Havia elefantes grande e havia elefantes pequenos. Havia primos e tios e afilhados e coisa que tal.

Elefante tinha uma vida cheia. Já tinha vivido muito e nunca se esquecia de nada. Daí terá surgido uma famosa expressão de memória de elefante. Era mesmo assim este ele.

Nem doente, nos seus últimos dias, se esquecia de nada.

A galinha dos ovos de chocolate

Numa ilha tropical vivia uma galinha. Morava no interior da ilha e era uma galinha sabida e curiosa, ao contrário das outras galinhas que não eram assim muito interessadas por questões astrofísicas. A galinha Gá Gá era muito diferente de todas elas. As outras galinhas levavam uma vida normal de galinha, como se espera... bicavam milho e sementes, comiam coisas frias e quentes, bebiam água da ribeira e do bebedouro e punham ovos.

Cintura de vespa

Émilie Marie Bouchaud, mais conhecida por Polaire, num outro mundo que não é o nosso, era atriz e de muito sucesso. Viveu há muitos anos numa cidade francesa e tinha uma particularidade que fazia dela não só uma atriz muito famosa, mas também uma figura única. Polaire era uma vespa. Tinha, por isso mesmo, uma delicada e definida cintura de vespa.

Páginas