Está aqui

História

Há municípios alentejanos que querem “Portugal Romano”

Alguns municípios portugueses partilham a herança romana e querem associar-se para criar a “Associação de Municípios do Portugal Romano” e que quer promover o crescimento do sentimento de pertença entre eles, mas também o turismo.

Évora, Mértola, Alter do Chão, Beja, Monforte e Grândola são os municípios alentejanos que já se mostraram interessados em integrar a associação e juntar-se a outros municípios nacionais de modo a criar e promover uma ação cultural e social constante, e que permita o aumento dos fluxos turísticos cultural e social.

 

De Montoito para a Primeira Grande Guerra (1914-1918)

A propósito das comemorações dos 100 anos do Armistício

 

A razão pela qual as futuras linhas são dedicadas a um grupo de soldados residentes no território de Montoito prende-se, por um lado, com a forma como gostaríamos de retirá-los do silêncio, recordando-os e valorizando a sua difícil tarefa, e por outro, relembrar o que para uma boa parte da sociedade civil é o desconhecimento da participação do nosso país de forma activa neste conflito.

Da Guerra Civil Espanhola à deriva autoritária na Monarquia Espanhola

“Pode o homem atento ao mundo, nos tempos que correm, não tomar partido?” é a questão que os organizadores lançam para a discussão e que tem por base os tempos conturbados que se vivem em Espanha com a situação social e política na Catalunha. São esses acontecimentos e outros, desde a Guerra Civil espanhola, que o Grupo Cénico da SOIR JAA, em Évora, deseja ver debatidos no Colóquio "Da Guerra Civil Espanhola à deriva autoritária na Monarquia Espanhola".

Batalha dos Atoleiros: quando o “Special One” era Nun´Álvares Pereira

Em desvantagem numérica, 1500 homens a pé – 100 armados com bestas e a ajuda inglesa de 300 lanceiros a pé e a cavalo – as forças portuguesas enfrentavam, a 60 quilómetros da fronteira com Espanha, um efetivo de 5 mil homens.

A liderar as forças nacionais, um homem, o “Special one” da época, Nuno Álvares Pereira, que, inovando e trazendo para a Península Ibéria novas técnicas de defesa de forças de infantaria em inferioridade numérica, conseguia vencer o exército espanhol, naquilo que seria um prenúncio para o que viria a acontecer em Aljubarrota, quase um ano depois.

Alcácer do Sal assinala 800 anos

O Município de Alcácer do Sal celebra este ano 800 anos de existência.

Alcácer do Sal foi conquistada pela primeira vez pelos portugueses em 1160, sendo que em 1191 foi novamente recuperada por Ya´qub al-Mansur e que marcou a presença islâmica até 1217, data em que foi retomada pelos portugueses com o auxílio das tropas da V Cruzada.

Em 1218, Alcácer recebeu Foral pelas mãos do rei D. Afonso II que confiou novamente a sua posse à Ordem de Santiago, e que fez de Alcácer a sua sede até 1482.

Há uma “nova cidade” que vai renascer no Alentejo

Há uma “nova cidade” no Alentejo, mas atente-se: ali vive uma enorme serpente que guarda um tesouro e mata quem o quiser levar!
 

“Inquisição de Évora” com direito a reedição

O livro “Inquisição de Évora – 1533-1668” de António Borges Coelho, terá direito a uma reedição com a chancela da Editorial Caminho, com apresentação a 13 de março.

HUMBERTO DELGADO: MANTÊ-LO VIVO TODOS OS DIAS

A vida do General Humberto Delgado, o “General sem medo” deixou um legado de coragem na luta anti-fascista e pelos valores da Liberdade e da Democracia. Acabou por ser assassinado por enfrentar a ditadura salazarista, mas, “Pronto a morrer pela Liberdade!”, o General sempre soube o quanto a sua luta lhe podia custar, ainda assim deu o exemplo e disse também que, na luta pela Liberdade “não nos podem prender a todos”.

BELVER CELEBRA 500 ANOS DO FORAL

Este ano celebram-se 500 anos desde que o rei D. Manuel I concedeu carta de foral à vila de Belver, no concelho do Gavião.

Deste modo, e dada a proximidade de datas com a habitual Feira Medieval de Belver, este evento não se realizará, celebrando-se a 18,19 e 20 os Quinhentos anos do Foral, com um programa que será divulgado em breve.

A decisão foi tomada pela Câmara Municipal do Gavião e a Junta de Freguesia de Belver e tem por base as semelhanças históricas entre os dois eventos, a proximidade de datas e visa a rentabilização de recursos financeiros públicos.

 

SECA REVELA ARTE RUPESTRE NO GUADIANA

Serão cinco as gravuras - que se estimam ser da época pós-paleolítica – que terão sido encontradas, na passada semana, nas margens do rio Guadiana, perto de Elvas.

A descoberta só foi possível dado o baixo nível das águas devido à seca e este raro achado arqueológico será em breve analisado pela Direção Regional de Cultura do Alentejo.

Páginas