Está aqui

Arte

Museu Berardo Estremoz vai abrir este mês

O museu com a maior coleção privada de azulejos de Portugal vai abrir, dia 25 deste mês, em Estremoz.

Vhils homenageia agricultores com retrato de mulher ceifeira na Comporta

O artista Vhils criou um retrato gigante de uma agricultora em homenagem a trabalhadores e agricultores, na Quinta da Comporta.

Alexandre Farto retratou uma ceifeira do arroz num muro da Quinta da Comporta, descrevendo a obra como “um símbolo das gerações que ajudaram a moldar esta paisagem fértil ao longo dos séculos, ajudando a preservar a sua memória e importância para o futuro”.

Lobo em pele de cordeiro

Nascido nas Beiras, João Lobo era um rapazinho ambicioso. Fez os seus estudos numa escola secundária pública e sempre foi o melhor aluno.

João Lobo nunca tinha tido uma nota abaixo de 95 por cento em todas as disciplinas. Quando terminou o secundário decidiu enveredar por uma região diferente do país. Foi para o Alentejo. A sua primeira preferência era a área mais calma do país e aquela que, na minha opinião, era a mais rica na vida académica, sem prejuízo de todas as outras. João Lobo fez economia em Évora e aí se tornou Doutor nos mesmos estudos.

I. A toupeira

Começa, com este texto, mais um ciclo nesta minha coluna semanal. Desta vez, tornei-me mais arrojado. Não que, de forma alguma, queira ou me possa comparar a Ésopo ou La Fontaine, mas tentarei criar alguns textos e alguns mundos em que as personagens e, principalmente, os protagonistas são animais. Nas próximas semanas, dificilmente, o caro leitor e a cara leitora se cruzarão com seres humanos e, se isso porventura acontecer, terá sido pura coincidência.

O homem do metro

Afinal, o que é e quem é o homem do metro? O homem é um substantivo masculino, alguém do sexo masculino, que é qualificado como alguém que anda e que é associado ao metro. O homem do metro não era ninguém relevante. Nunca o foi na sua vida para qualquer história. Tornar-se-ia na nossa história e por isso... conhecido de vós num pequeno pormenor na crónica de janeiro, o homem do metro cruza-se com uma mulher... e cruzam-se muito mais do que socialmente.

A mulher, não sabíamos ainda quem era. Só a conheceríamos no mês seguinte.

Reabre o Centro de Arte e Cultura da FEA em Évora

Já passaram dois meses do encerramento do Centro de Arte e Cultura da Fundação Eugénio de Almeida (FEA), mas segunda, 18 de maio, o centro vai reabrir.

O funcionamento vai cumprir todos os procedimentos necessários de higiene, segurança e distanciamento social, nomeadamente a obrigatoriedade de utilização de máscara a todos os presentes, bem como a desinfeção, higienização e ventilação regular do espaço, conforme indicado pela Direção Geral da Saúde.

Dezembro

Foi um mês imensamente frio. Nunca tinha estado tanto frio. Eloísa acabara de chegar a Miami, após a sua fuga e a sua viagem. Com o saco cheio de dinheiro, a sua vida tinha mudada tanto no espaço de um ano.

Mudou de nome e de identidade. Era uma mulher nova. Nunca tinha viajado até aos Estados Unidos, mas as coisas todas mudam.

Quando Pablo chegou a casa, deparou-se com a triste realidade que o esperava. A mulher a quem tinha dedicado tudo, figura com grande parte da sua riqueza. Desconfiou de tudo e de todos. Pensou que Rodrigo estaria implicado no maquiavélico plano.

Artista alentejana homenageia profissionais de saúde

A artista plástica alentejana Susana Teixeira homenageou, esta semana, os profissionais de Saúde em combate contra o Covid-19, e entregou duas peças de arte da sua autoria à Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo (ULSBA).

Setembro

As ilhas eram o paraíso! Nada daquilo era metade do que Eloísa tinha imaginado. Era muito melhor! Inimaginável era a palavra que podia descrever o sentimento daquela mulher.

Pablo era o homem mais querido do mundo para Eloísa. Os homens que tinha conhecido e eram muito poucos, nenhum a tinha amado.

O único homem que tinha ando Eloísa era Pablo. Porém, nesses primeiros dias algo aconteceu que transformou a nossa história.

Numa das das festas, nessas primeiras noites loucas em casa de Pablo, apareceu Rodrigo.

Julho

Nos primeiros dias do mês, Eloísa sentiu que uma vida florescia dentro de si. Estava grávida. Começaram os enjoos mas, ainda assim, não eram suficientes para ponderar o que estava a viver.

Julho é um mês muito quente em Beja. Apesar de ser uma cidade que apaixona, em julho não há muito a fazer e o trabalho de Eloísa era inexistente. A fantasia em que vivia desligou-a de tudo, não completamente mas tornou-se segundo plano.

Páginas