Está aqui

Somincor

MINEIROS DE CASTRO VERDE EM GREVE

EMPRESA PREOCUPADA COM TRABALHADORES IMPEDIDOS DE TRABALHAR

O Sindicato dos Trabalhadores da Indústria Mineira (STIM), começou ontem uma nova greve nas minas da Somincor, em Castro Verde, greve que só termina a 11 de novembro.

A Somincor fez saber em comunicado que a sua prioridade durante esta greve "é garantir que quem pretende trabalhar o possa fazer de forma segura e com a mínima perturbação".

PROTESTO DE MINEIROS EM CASTRO VERDE SOBE DE TOM

SINDICALISTAS TROCAM ACUSAÇÕES COM GNR

O Sindicato dos Trabalhadores da Indústria Mineira (STIM), que promove uma paralisação nas minas da Somincor, em Castro Verde, até dia 11 de novembro, acusa a GNR de estar a defender a empresa em vez dos trabalhadores e avançou em comunicado que a GNR não é bem vinda junto aos piquetes de greve.

A GNR já rejeitou as acusações, esclarecendo que a sua missão é de salvaguardar os direitos tanto de quem quer fazer greve, como dos que querem trabalhar.

MINEIROS DO BAIXO ALENTEJO AVANÇAM COM NOVA GREVE. SOMINCOR APELA AO DIÁLOGO

A SOMINCOR, subsidiária da Lundin Mining Corporation e exploradora das minas Neves-Corvo, no Baixo Alentejo, confirmou através de comunicado que recebeu um pré-aviso de greve do  Sindicato dos Trabalhadores da Indústria Mineira (STIM) e apela ao diálogo, lamentando esta nova greve, apesar do seu "compromisso em manter um diálogo construtivo" com sindicatos e trabalhadores daquela mina.

SOMINCOR COM DIA DE PORTAS ABERTAS NO ALENTEJO

No próximo 22 de outubro, a SOMINCOR - Sociedade Mineira de Neves-Corvo S.A, concessionária da Mina de Neves-Corvo e subsidiária da Lundin Mining Corporation - promove o segundo Open House SOMINCOR de 2017, inteiramente dedicado ao tema “A Água e a Preservação do Planeta – Qual o Contributo da SOMINCOR?”.

BAIXO ALENTEJO: PCP APOIA A CONTINUAÇÃO DA GREVE NAS MINAS DA SOMINCOR

Os mineiros da Somincor, do grupo multinacional canadiano Lundin Mining, em Castro Verde, que avançaram com uma greve entre 3 e 7 de outubro e ameaçam com novas paragens em novembro e em dezembro, têm o apoio inequívoco do PCP. Esta greve procura o fim do regime de laboração contínua no fundo da mina e pela progressão na carreira, como avançou o Sindicato dos Trabalhadores da Indústria Mineira.

MINEIROS DE ALJUSTREL ENTRAM EM GREVE

Os mineiros da Somincor, do grupo multinacional canadiano Lundin Mining, em Aljustrel, avançaram com aviso de greve entre 3 e 7 de outubro. Os trabalhadores avançam para a greve por defenderem o fim do regime de laboração contínua no fundo da mina e pela progressão na carreira, como avançou o Sindicato dos Trabalhadores da Indústria Mineira.

ALMODÔVAR PASSA A BENEFICIAR DE IMPOSTO DA MINEIRA SOMINCOR

A pretensão era antiga: receber parte da derrama da mineira Somincor, que está a explorar a mina de Neves-Corvo, nos concelhos de Castro Verde e Almodôvar, este último ao nível do subsolo, no Baixo Alentejo. Até agora a Somincor pagava este imposto apenas em Castro Verde, o que gerou durante muito tempo incompreensão do município de Almodóvar, que ponderou levar o caso a tribunal.

NEVES-CORVO EM CASTRO VERDE VAI CRIAR MAIS 200 POSTOS DE TRABALHO

A Lundin Mining, dona da Somincor, Sociedade Mineira Neves-Corvo, de Castro Verde, Beja, através do seu CEO Paul Conibear, apresentou ontem no Ministério da Economia os planos de investimento de cerca de 250 milhões de euros para duplicar a produção de zinco naquela região.

MINA NEVES-CORVO, EM CASTRO VERDE, JÁ RENDEU ESTE ANO 34 MILHÕES

A mina de Neves-Corvo, no concelho de Castro Verde, no Baixo Alentejo, obteve no primeiro trimestre do ano 33,9 milhões de euros de lucro, segundo avança a Somincor. Até março, saíram daquelas minas 10 195 toneladas e cobre, 17 948 toneladas de zinco, 1406 toneladas de chumbo e 330 toneladas de prata.

No total a Somincor faturou neste 1.º trimestre, 74 milhões de euros.

Imagem de capa de epos.pt

 

AUTOESTRADA DO BAIXO ALENTEJO E AEROPORTO DE BEJA

A A26 (Autoestrada do Baixo Alentejo) encontra-se com as obras a avançar, já a passar Santa Margarida do Sado (literalmente) com a ponte de 1938 a ser (parece) substituída por um viaduto de 900 m (o tal que tinha tido mil e uma avaliações de impacto ambiental e que se encontrava incompleto) que permite que haja no Concelho de Ferreira do Alentejo (finalmente!) Autoestrada.

Páginas