Está aqui

Municípios

Municípios alentejanos com orçamento reforçado em 108 M/€

Com o objetivo de reforçar os investimentos de base territorial, após uma reprogramação do programa operacional Portugal 2020, serão distribuídos mais 108 milhões para os municípios de Alentejo.

No total nacional, a reprogramação dos fundos comunitários do Portugal 2020 representa um acréscimo de 607 milhões de euros para investimentos na área das infraestruturas escolares, de saúde e sociais, ou na política urbana da reabilitação e da mobilidade.

 

Fumo branco na CIMAC

Finalmente é conhecido o novo presidente da CIMAC - Comunidade Intermunicipal do Alentejo Central: José Calixto.

O socialista – presidente da Câmara de Reguengos de Monsaraz – terá como vice-presidentes Carlos Pinto de Sá e António Reto, da CDU e MICRE, presidentes de Évora e Redondo, respetivamente, num mandato que será repartido entre José Calixto e Carlos Pinto de Sá.

ALENTEJO LUCRA COM ORÇAMENTO DE ESTADO

O balanço dos ganhos com as transferências do Orçamento de Estado (OE) 2017 colocam o Alentejo numa boa posição lucrativa.

Dos munícipios do distrito de Portalegre, Ponte de Sor é aquele que mais vai receber das transferências do Orçamento de Estado para 2017. Ponte de Sor receberá mais de 8,4 milhões de euros.

MUNICÍPIOS ATRASAM LIBERTAÇÃO DE FUNDOS COMUNITÁRIOS

A notícia foi avançada pelo jornal O Público e refere que a contestação dos municípios às Comissões de Coordenação Regional do país (CCDR's) está a atrasar a libertação dos fundos comunitários.

ALENTEJANOS CONCORREM A "MUNICÍPIO DO ANO 2015”

A Universidade do Minho (UM) tem levado a cabo os Prémios Município do Ano, que pretendem distinguir as boas práticas dos municípios no território nacional, nas dimensões social, economia e ambiental e os os projetos implementados pelos municípios com impactos assinaláveis no território. Pretendem promover o crescimento, a inclusão e/ou a sustentabilidade e as autarquias interessadas, podiam concorrer a esta distinção enviando projectos seus que pudessem ser considerados relevantes.

A UM-Cidades quer, com a criação destes prémios e desta vertente “cidades”, ser reconhecida no espaço lusófono como a plataforma de referência na transferência de conhecimento em matéria de gestão e estratégia de cidades e regiões, explorando o potencial de valorização mútua dos governos locais e dos centros de conhecimento.