Está aqui

Liberdade

A ordem mundial anarquista da atualidade

Alguém tem um relógio? Que dia é hoje? Hoje comemoram-se os 2 meses e 9 dias em que as nossas vidas mudaram radicalmente e tentamos arduamente para que voltem ao normal, mas de nada vale o esforço se não somos nada para além de carne e osso, sentimentos e pensamentos que facilmente são corroídos por um vírus que tem ceifado imensas vidas ao longo de todo o mundo e, também, por aqueles que convivem connosco.

Está a corrupção a ameaçar a democracia? – opinião de Ana Gomes, Eduardo Dâmaso e Rafael Marques

No debate desta sexta, com Ana Gomes, Eduardo Dâmaso e Rafael Marques, o foco estará na corrupção, um ato tão antigo como o poder e tem sido um dos pontos relevantes nas sociedades modernas. Muitas vezes empecilho da evolução e do progresso, das desigualdades sociais e do mau funcionamento do Estado, a teia chega agora à própria Liberdade.

O confinamento tem influência na Democracia?

O confinamento tem influência na Democracia? Foi a base de nova conferência/debate.

Promovido pela ASMAV, no passado dia 14, decorreu o debate online sobre os efeitos do confinamento no apego à democracia e à liberdade.

Uma súplica de Liberdade

É como se estivéssemos todos a viver dentro do mesmo sonho, aliás, presos nele. Sempre que vemos a saída, voltamos ao início. É quase como um jogo que dura há meses, onde para ganhar, se requer o esforço de todas as partes, onde nem todas estão a colaborar. É o jogo mais difícil que passará por todos nós; mexe com emoções, principalmente com o medo. Há dias e dias que adormecemos junto a esse monstro, pedindo que ele desapareça o mais depressa possível. Mas ele insiste em regressar sempre.

Parece um universo paralelo. Repetimos sempre o dia anterior. Como um flashback.

Está o COVID-19 a por em causa a democracia e a liberdade em nome da segurança?

Estará a nossa Liberdade em risco com o COVID-19? Ter mais segurança implica perder direitos? Estas e outras perguntas serão respondidas neste debate com Francisco Teixeira – Professor de Filosofia, ESFH e ULP, João Duque – Teólogo, presidente do Centro Regional de Braga da UCP e Moisés de Lemos Martins – Sociólogo, Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (CECS) da UM, com moderação – Rui Dias.

A democracia em Estado de Emergência

Na sexta-feira, dia 24 de abril, a Associação Artística Vimaranense promoveu um debate online entre José Adelino Maltez, André Freire e Francisco Teixeira. Transmitido online, via Facebook, pode ver aqui https://business.facebook.com/asmav.pt/videos/3096458607080797/ o evento contou com a colaboração do jornal Mais Guimarães e Tribuna Alentejo.

Acabou o medo e a ignorância, somos orgulhosamente Portugal

“Quis saber quem sou, o que faço aqui!” dois versos simples - que expressam duas dúvidas de sempre, de toda a Humanidade - e que deram início à revolução de Abril.

Foi a música escrita por José Calvário, cantada por Paulo de Carvalho, que serviu de primeira senha à revolução.

Hoje, 46 anos depois, Portugal já não é orgulhosamente só; é como a sua génese humanista sempre o ditou: um país de diáspora, que se integra sem problemas e que recebe de braços abertos.

A festa da Liberdade, sempre

Só amanhã é dia 25 de Abril, aquele dia que até 1974 era só mais um e que - farão amanhã 46 anos – se tornou um símbolo da Liberdade após a revolução popular e militar.

A revolução dos Cravos – que teve no alentejano Salgueiro Maia uma peça fulcral - trouxe uma maior abertura de mentes e do país enquanto um todo.

Mais um que já foi, mais um que vem

Chegamos a mais um final de ano. Pode parecer impressão minha, mas com o passar deles, dos anos, parece-me que se sucedem mais rápidos, como o passar dos meses, das semanas, dos dias, das horas…

Fico sempre com a sensação de querer ter feito mais qualquer coisa, de querer ter aproveitado melhor) ainda melhor) cada minuto de 2019.

Com o final do ano chegam também as previsões para o novo ano, as estatísticas e os números do ano que passa e há vários assuntos que gostaria de tocar neste último editorial de 2019.

Há 30 anos, o povo derrubou o muro!

Se a bipolarização do mundo no pós-Segunda Guerra mundial se pudesse resumir a um símbolo, esse seria certamente o Muro de Berlim, "die Berliner mauer".

"Cresce junto, o que é para estar junto" disse Willy Brandt, ex-chanceler alemão, sobre os acontecimentos de 1989, o ano em que o muro que separou a cidade de Berlim em dois durante 28 anos - separando famílias e amigos - foi derrubado. Desse acontecimento passam hoje, 9 de novembro, 30 anos e foi um dos momentos mais importantes da história do século XX.

Páginas