Está aqui

Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas

Lince encontrado morto em Mértola

O lince-ibérico de nome Piperita, uma fêmea com um ano de idade, proveniente de Doñana e libertada em Mértola, este ano, no âmbito do Projeto “Recuperação da Distribuição Histórica do Lince Ibérico (Lynx pardinus) em Espanha e Portugal (LIFE+10/NAT/ES/000570 - Iberlince), foi encontrada morta na segunda-feira, 27, junto à estrada municipal de Moinhos de Vento - Via Glória, avança o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, em comunicado.

Mais um lince morto por atropelamento em Mértola

Foi ontem encontrado mais um lince-ibérico morto na estrada nacional 122, a cerca de dez quilómetros de Mértola, distrito de Beja. Segundo o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), este é o segundo atropelamento naquela zona que resultou em morte de linces, considerando aquela estrada como ponto negro para aquela espécie protegida..

3 ANOS DE LINCES À SOLTA

Já passaram 3 anos desde que foram libertados em Mértola, o primeiro casal de linces ibéricos.

Desde então, e até final do ano passado, já foram libertados 27 animais, sendo que 16 crias já nasceram no Vale do Guadiana.

Em 2018 serão libertados mais 6 animais , refere o Instituto, que anuncia que em 2018 serão libertados mais seis animais, sendo que um destes já foi libertado no final de janeiro.

ALENTEJO EM DESTAQUE NOS PRÉMIOS DA NATUREZA

Os Prémios ICNF - Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas 2017 vão financiar três projetos, até 50 mil euros cada, e atribuiu quatro menções honrosas. Um prémio e uma menção estão ligados ao Alentejo.

Um projeto da Universidade de Évora, o da recuperação de espécies de zonas húmidas temporárias foi um dos grandes vencedores e um dos três distinguidos entre as 84 candidaturas recebidas.

ESTES CÃES ANDAM À PROCURA DE VENENO NO ALENTEJO

São cães pastores Belga Mallinois e integram a equipa cinotécnica de deteção de venenos com unidades em Évora e em Beja, criada pela GNR para proteção da águia-imperial ibérica e outras espécies ameaçadas que têm surgido em grande número, envenenadas por agricultores e por caçadores, como suspeitam as autoridades, segundo avançou recentemente o Notícias ao Minuto.