Está aqui

Combustíveis

Beja é o distrito com os combustíveis mais caros

Em setembro, o preço do gasóleo atingiu o valor mais baixo dos últimos três meses, custando, em média, 1,247 euros por litro, de acordo com a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE).

Como evidencia o Boletim dos Combustíveis e GPL, em Portugal, Beja e Bragança são os distritos onde os preços dos combustíveis são mais elevados.

No sentido inverso estão Braga e Santarém que apresentam, em média, os preços mais baixos.

Beja regista os preços de gasóleo e gasolina mais caros do país

Em agosto, Beja registou os mais caros preços de gasóleo e gasolina, enquanto Santarém registou os mais baixos, revelou o Boletim do Mercado de Combustíveis e GPL, referente a agosto de 2020, divulgado esta segunda-feira pela ERSE – Entidade Reguladora de Serviços Energéticos.

Este boletim mostra também que Portalegre registou, para Portugal continental, a garrafa de GPL (butano e propano) com o menor custo. Já Beja apresentou valores mais elevados.

O que aprendemos com esta greve?

O que aprendemos com a greve dos motoristas? Que, conforme as condições, o sindicato dos motoristas de mercadorias e o dos motoristas de matérias perigosas não são tão unidos assim. 

Qual foi o verdadeiro objectivo desta greve? Destabilizar o governo ou reivindicar acções que não estava previsto na greve de Abril?

Descobrimos, também, que o senhor Pardal está a ser investigado por burla. Nada que faça perder personalidade nesta greve. Por mim, não o torna duvidoso nesta luta. 

O sindicato bom e o sindicato mau

Este governo foi pródigo em deixar-nos novos conceitos em democracia. Mas talvez o mais pernicioso de todos seja este com que nos brinda no final: a ideia de que os sindicatos são bons se, nas mãos da UGT ou da CGTP, puderem ser instrumentalizados para atacar um governo hostil, mas passam a ser maus se, independentes, decidirem atacar-nos no momento em que mais nos dói. Foi um modelo de argumentação tentado com os enfermeiros, mas agora verdadeiramente executado com os motoristas de matérias perigosas.

GNR está a fazer transporte de combustível em Lisboa, Alentejo e Algarve

Na sequência da Situação de Alerta declarada pelo Ministro da Administração Interna foram realizados ontem, dia 12 de agosto, pela Guarda Nacional Republicana, transportes de combustível em 13 veículos pesados de transporte de mercadorias perigosas com destino às regiões de Lisboa, Setúbal, Beja e Algarve, envolvendo um total de 26 militares da GNR.

Alentejo: nestes postos não faltará combustível

Quase a ter início a tão falada greve dos camionistas e sem uma solução à vista, há postos no Alentejo onde não faltará combustível.

Estes postos são da Rede Estratégica de Postos de Abastecimento (REPA). No total do nacional são 325 postos, mais 16 que o decretado na greve anterior. Há 56 postos só para viaturas prioritárias.

Estes são dados da Entidade Nacional para o Setor Energético (ENSE) e que prevê para o Alentejo 27 postos de abastecimento: 22 para veículos em geral e 5 para veículos prioritários - dois postos nos distritos de Beja e Évora e um em Portalegre.

O GOVERNO E AS SUAS MATREIRICES

O Governo avançou no último dia do ano, de forma sorrateira e praticamente à socapa, com um novo aumento do Imposto Sobre Produtos Petrolíferos e Energéticos (ISP). Segundo uma portaria publicada pelo Governo em Diário da República, este aumento entrou em vigor a partir de 1 de janeiro de 2018.

A GALINHA DOS OVOS DE OURO

Os combustíveis em Portugal são caros. Para isso, basta comparar com outros países europeus e entender que, depois de impostos, temos em média o sexto gasóleo e a sétima gasolina com os preços mais elevados da União Europeia.

Mas, com o fim da revisão trimestral do Imposto sobre Produtos Petrolíferos (ISP), criada no ano passado com o intuito de proteger os automobilistas através da diluição das subidas bruscas no preço dos combustíveis, o consumidor final sai, severamente penalizado, numa altura em que o barril de petróleo custa mais do que custava há um ano.

QUEM FECHA O BURACO?

Há cerca de três meses, quando o governo decidiu aumentar o imposto sobre os produtos petrolíferos em 6 cêntimos, ficou a promessa de voltar a baixar o imposto em função do montante arrecadado com o IVA, com reavaliação trimestral por parte do governo. Passados três meses, o preço dos combustíveis subiu cerca de 11 cêntimos e o imposto baixou 1 cêntimo.

CAMIONISTAS COM GASÓLEO AO MESMO PREÇO QUE EM ESPANHA

O Governo está a propor às associações de transportes pesados de mercadorias definir um preço para o gasóleo igual ao pago em Espanha mas apenas praticado em municípios na fronteira. Para já a resposta é provisória e o regime será experimental, num piloto a testar em três concelhos fronteira com Espanha.

Depois o Governo consultará a Comissão Europeia de forma a avaliar a possibilidade de instituir um regime de gasóleo profissional a nível nacional ou pelo menos a nível regional. A medida proposta será para avançar a partir de dia 1 de julho.

 

Páginas