Está aqui

Alimentação

ÉVORA TAMBÉM VAI TER UM KM0

Resultado de uma ampla parceria entre diferentes instituições do concelho de Évora, vai nascer na capital centro-alentejana um “quilometro zero”.

O “Km0 Évora” será apresentado no Dia Mundial da Alimentação, a 16 de outubro, pelas 15 horas, na Associação Comercial de Évora.

O Km0 é um conceito que foi criado em Itália, pela Slow Food, e que se tem vindo a espalhar um pouco por todo o mundo como característica distintiva da restauração de qualidade, suporte da identidade e atratividade dos territórios.

E UMA AÇORDA DE BICHO?

Com o aumento da população mundial, excepto aqui para estes lados, a pressão sobre os recursos naturais aumenta e as necessidades de alimentar tanta gente crescem. E por isso os insectos, dada a sua abundância, parecem tornar-se solução apelativa para alimentar a humanidade e dar resposta aos desafios ambientais. Segundo a edição de hoje do jornal I, a Europa está cautelosa e aguarda novos estudos antes de nos colocar na mesa, larvas, gafanhotos ou grilos.

SÃO PRECISOS TOMATES

Sabe porquê?

Porque o tomate tem licopeno, um carotenoide com propriedades antioxidantes naturais e que protege as células do stress oxidante produzido pelos radicais associados ao desenvolvimento da maior parte das doenças cardiovasculares, do cancro, da imunidade e do envelhecimento prematuro.

SÃO BANANAS

As bananas nascem em mais de 100 países e contam com mais de 300 espécies diferentes. Há para todos os gostos e tamanhos.

Tiveram origem no Sudeste Asiático -nas regiões da Malásia, Indonésia e Filipinas - foram levadas para a Índia – há relatos de budistas sobre bananas datados de 600 a.C.. Foi Alexandre, O Grande quem as trouxe mais para Ocidente. Através de Madagáscar entraram em África e com o comércio de escravos da época espalhou-se pelo continente e em 1402, navegadores portugueses descobriram-nas e trouxeram-nas para as Ilhas Canárias e Madeira em 1516, pela mão de monges portugueses, chegaram à América.

Segundo estatísticas de 2009 da FAO - Food and Agriculture Organization das Nações Unidas - a Índia é o maior produtor com 26.2 milhões de toneladas, quase três vezes mais que o segundo produtor, as Filipinas.

O nome banana deve-se aos árabes. Conta-se que eram do tamanho de um dedo e por isso teriam usado o nome “banan” (palavra árabe para dedo).

O imortalizado fruto na canção de José Cid é um dos mais vendidos em todo o mundo; o facto de serem baratas, saudáveis e saborosas deve ajudar. Talvez também por isso os “Mínimos” – personagens de um dos mais recentes filmes da criançada e que partilham com as bananas um amarelo forte – gritem com tanta veemência “BANANAAAAAAA” cada vez que veem uma.

O QUE COMER NO VERÃO II - VERDURAS

As hortaliças também também são de aproveitar nesta época, o muito sol de destes meses fazem com que estes produtos ganhem uma maior qualidade agora com texturas e sabores mais requintados

Um dos destaques de verão, nesta área, é certamente o tomate.

Existem de vários feitios e para todos os gostos. Para fazer molhos, aconselham-se os mais doces como o tomate chucha ou os italianos San Marzano. Não deve é deitar açúcar para corrigir a acidez e deve utilizar tomate que esteja no ponto.

BEJA

As Cáritas de Beja estão com falta de bens alimentares para poder fazer face aos pedidos de auxílio que recebem.

A quantidade de alimentos doados aquela instituição é pequena e está a diminuir e a instituição já teve que recorrer ao Fundo de Emergência Social da diocese para comprar os bens essenciais para entregar os cabazes mensais a famílias carenciadas.

À Lusa, Florival Silva, presidente da Cáritas de Beja disse “Desde finais de janeiro que a maioria dos géneros alimentares», excedentes da União Europeia e provenientes do Banco Alimentar Contra a Fome de Beja, doados à instituição para compor os cabazes, está esgotada.”