Está aqui

Internacionalização

Delta leva Alentejo ao Médio Oriente

A empresa alentejana de Rui Nabeiro, a Delta, anunciou esta semana que o Gruo começará a distribuir o seu café na Arábia Saudita.

Após a realização de uma parceria com uma empresa local para distribuição exclusiva das marcas Delta na Arábia Saudita e é mais um passo para o crescimento internacional da marca.

Ao início, o café em cápsulas Delta Q estará disponível só na capital Riade, além da distribuição on-line para todo o país.

A Arábia Saudita é só mais um passo na internacionalização do Grupo Nabeiro, já presente em mais de 35 mercados de todo o Mundo.

 

Politécnico de Portalegre em semana de trabalho com universidades europeias

O Instituto Politécnico de Portalegre (IPP) realiza uma Semana Internacional no conjunto das suas Unidades Orgânicas e abrir-se ao mundo.

Entre 14 a 18 de maio aquela escola alentejana reúne cerca de 40 participantes, entre professores e pessoal de gestão e de diversos departamentos de trabalho, vindos de instituições parceiras do IPP da Europa, nomeadamente Bélgica, Bulgária, Eslovénia, Estónia, Espanha, Itália, Lituânia, Polónia, Turquia e Roménia.

VIANA DO ALENTEJO QUER INTERNACIONALIZAR EMPRESAS

Com o tema “Apoios e incentivos à atividade económica e Apoios à Internacionalização e à Inovação”, a Câmara Municipal de Viana do Alentejo em parceria com o NERE – Núcleo Empresarial da Região do Alentejo promovem o IV Encontro de Empresários do Concelho, no próximo dia 24, a decorrer no Cineteatro Vianense, a partir das 14h30,.

ALENTEJO COM OPORTUNIDADES

Há oportunidades comerciais para empresas do Alentejo nos mercados internacionais da Holanda e dos Países do Golfo. Tão consistentes que a Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP) estará em Évora no próximo dia 16 de Junho, na Universidade de Évora, para uma sessão de esclarecimentos com os empresários alentejanos e que tem o apoio do Núcleo Empresarial da Região de Évora (NERE) e da Universidade de Évora.

ENTRE AS MAIS FALADAS

Com parte da estratégia nacional e europeia, tanto pública como privada, focada na internacionalização, é importante saber onde nos situamos e para onde vamos, assim como ter uma boa base de domínio das ferramentas necessárias para o sucesso. Uma delas, das primeiras a serem transmitidas de geração em geração, é a Língua. No nosso caso, a Língua Portuguesa.

INTERNACIONALIZAR! É PARA TODOS OU SÓ PARA ALGUNS?

Existem situações que pelo seu lado mais caricato acabam por ser tão originais que nos marcam de modo a as recordamos por largos anos, sempre com um sorriso nos lábios.

Uma delas pode servir para introduzir a minha crónica de hoje.

Há alguns anos fui abordado por um pequeno produtor de vinhos que irrompeu pelo meu escritório carregando algumas caixas do seu vinho tinto. Queria “apoios” para exportar, ou na sua mais simples e pura ingenuidade, que eu lhe fizesse chegar aquelas caixas de vinho ao Brasil. A quem? Não sabia. Como? Também não sabia.

Tentar, sem medo de falhar, mas...e se falhar?

Confesso que o grande Michael Jordan é um dos meus maiores ídolos e marcou os meus tempos de criança/adolescente. Recordo com saudade e emoção as longas madrugadas que passava acordado só para o ver jogar, o quanto vibrava vendo-o voar em direção ao cesto e os pulos que dava quando marcava o decisivo cesto da vitória. Era uma festa apenas silenciada pelos meus pais que prontamente me recordavam do avançado da hora!