Está aqui

Rio Mira

Associação de Beneficiários do Mira repõe caudal do rio

A Associação de Beneficiários do Mira (ABM), em Odemira, já se encontra a dar cumprimento, desde segunda-feira, à determinação para assegurar a manutenção do caudal ecológico daquele rio, disse à Lusa a Agência Portuguesa do Ambiente (APA).

Fonte da APA explicou apenas que a associação, que gere a água da albufeira de Santa Clara, já deu cumprimento a uma determinação daquele organismo com vista à libertação de caudais ecológicos para o rio Mira.

“Abaixamento do nível” do Rio Mira é “preocupante” para saúde pública

A Agência Portuguesa do Ambiente (APA) solicitou à Associação de Beneficiários do Mira (ABM) a libertação de água para o caudal ecológico do Rio Mira, em Odemira, devido ao impacto na saúde pública.

Fonte da APA disse â agência Lusa que o pedido foi enviado na semana passada, após responsáveis daquele organismo terem verificado que o “abaixamento do nível” naquele espelho de água, junto à barragem de Santa Clara, pode conduzir a “uma situação preocupante” do ponto de vista de saúde pública e salubridade.

Autarca de Odemira e Zero alertam para falta de água no concelho

A associação ambientalista Zero une-se e dá voz às queixas do autarca de Odemira sobre a falta de água no concelho, devido à falta de ordenamento e às explorações agrícolas na zona.

Em declarações à TSF, José Alberto Guerreiro, presidente da Câmara Municipal de Odemira, alertou para a forte possibilidade de haver falta de água na região e de a água disponível na barragem de Santa Clara, situada no rio Mira, só chegar para o período de um ano, caso não chova. Para o autarca, o problema é agravado pela agricultura intensiva, situação que o próprio já tinha denunciado ao Governo.

Dente de elefante encontrado no rio Mira origina estudo internacional

Um mariscador encontrou um dente de elefante na foz do rio Mira, em Vila Nova de Milfontes, dando origem a um estudo publicado na revista Scientific Reports, avança a Lusa.

De acordo com Carlos Neto de Carvalho, do Centro Português de Geo-História e Pré-História (CPGP), a equipa de investigadores detetou semelhanças com os dentes molares de uma espécie que habitou a Península Ibérica há cerca de 30 mil anos, mas a datação por carbono-14 permitiu “dissipar as dúvidas” e concluir que se trata de um dente com origem no Oeste de África, com cerca de 230 anos.

Odemira quer mobilizar sociedade civil para a valorização do Rio Mira

O Município de Odemira iniciou mês passado a elaboração do Plano Estratégico e Operacional de Valorização do Rio Mira, com base num estudo de 2017 e que baliza uma área de intervenção entre a barragem de Santa Clara e a sua foz, em Vila Nova de Milfontes.