Está aqui

Emigração

FERREIRA DO ALENTEJO COM GABINETE DE APOIO AO EMIGRANTE

O município de Ferreira do Alentejo acaba de criar um Gabinete de Apoio ao Emigrante na Divisão de Acção Social, que procurará apoiar todos os que saíram do concelho em busca de novas oportunidades fora do país.

O ESTRANHO CASO DO EMIGRANTE PORTUGUÊS

Que terá em comum Durão Barroso com um trabalhador de construção civil português em Paris? Que terá em comum António Guterres com uma cientista portuguesa a trabalhar num projecto de investigação contra o cancro em São Francisco? Que terá em comum Daniela Ruah ou Cristiano Ronaldo, com um jovem engenheiro eletrotécnico português a trabalhar na Philips em Amsterdão? A resposta é quase comicamente simples. São todos eles, ou já foram, emigrantes portugueses!

QUERIDO EMIGRANTE, É MUITO MAIS QUE UM ADEUS

O Verão já vai para finados e não podia deixar de evocar neste período estival o nosso querido Emigrante.

Conheço, infelizmente muitos portugueses que mais ou menos forçosamente decidiram procurar um novo rumo para as suas vidas. E esta escolha que muitas vezes não é mais que uma imposição ditada pelas suas mais básica necessidades e direitos, influencia tanta coisa, não apenas na vida particular do emigrado, mas da conjuntura económico-social do seu pais de origem.

TRAGÉDIA EUROPEIA

Ainda há poucas semanas se discutia o possível fim da Europa do Euro, o quanto as negociações e as pressões realizadas sobre um Estado Membro, a Grécia, eram contrárias ao espírito solidário e corporativo que dera inicio à União.

Silenciada a revolta grega, a Europa acorda, novamente, para a triste realidade que lhe bate diariamente à porta: há milhares de refugiados que olham para Europa como um sonho de uma vida.

TRÊS ALENTEJANOS DE QUE O PAÍS PRECISA

Demos há uns dias com um artigo do “Jornal I”, em que se fazia uma seleção de 50 portugueses emigrantes e que deviam regressar ao país.

Nesta lista, EUA e Inglaterra são os países de onde viriam mais portugueses. Quanto às áreas profissionais vai das finanças, à arquitetura, à música, ao desporto e uma nota especial para a investigação científica. Em todas estas áreas há portugueses a dar cartas no estrangeiro e entre nomes como António Damásio, José Mourinho, Rui Costa, João sousa e Maria João Pires há três alentejanos: Rita Guerreiro, João Magueijo e Vítor Hugo Gazimba.

Emigração: de que é feita a mala que outrora era de cartão

A emigração é uma história banal contada em língua portuguesa. Começa, quase sempre, por ser contada na terceira pessoa do singular, ainda antes de ser narrada na primeira pessoa. Primeiro contempla-se o exemplo dos nossos pares que, destemidos, partem à procura de um futuro melhor e mais prometedor. Vamos, assim, alimentando o fogo com a lenha da frustração. E esperamos frustrados! Esperamos frustrados!

Sra. Ministra, lamento mas não consigo desvalorizar

Pode ser falha minha, mas não consigo desvalorizar o facto de mais uma pessoa próxima ser forçada a emigrar pelo facto de não existirem oportunidades no seu País que reconheçam o seu valor enquanto profissional.

Uma pessoa que afirma que um jovem recém-licenciado em Portugal tem muitas janelas abertas, decerto não tem passado muito tempo no País de que fala.

Ponto número um: actualmente, um jovem recém-licenciado quase que é forçado a tirar mestrado para poder sequer pensar em ser aceite no mercado laboral.

Este País não é para jovens

Assinalou-se esta semana o Dia Internacional da Juventude.

Como é hábito, para assinalar a data, foram lançados os resultados relativos a diversos factores do quotidiano dos jovens portugueses.

Resultados? Os jovens portugueses são dos que ganham menos a nível europeu. Equiparando ao nível de formação, concluímos que não existe qualquer acompanhamento salarial.

Actualmente, um jovem licenciado ou com mestrado ganha o mesmo que ganharia se tivesse optado por entrar no mercado de trabalho logo após a conclusão do secundário.