Está aqui

Opinião

POSTAS DE PESCADA

No Alentejo, antigamente, havia ursos. Já não há. Embora ainda haja em outros sítios do planeta, dizem. Confirma-se. Então é assim, antigamente, quando havia ursos no Alentejo, estes tinham personalidade. Tinham tanta personalidade que fazia impressão. Não havia forma de registar a personalidade dos ursos nesses tempos em vídeo, nem áudio. Era uma pena. Tudo era basicamente uma pena naquela altura e ao mesmo tempo bucólico e apaixonante.

AINDA RESTAM CRAVOS PARA PLANTAR?

No ano em que comemoramos 43 anos sob a revolução de Abril de 74, na qual foi implementado o atual modelo de regime democrático em que vivemos, deve-se destacar a conquista do Poder Local pela efetiva possibilidade de participação das populações nas variadas tomadas de decisão, designadamente, a nível dos órgãos autárquicos.

SER ALUNO SÉNIOR

Setembro é sinónimo de regresso às aulas, assim como Dezembro é sinónimo de Natal e Agosto é igual a férias. Quem não se lembra da azáfama da compra de livros, do cheiro dos livros novos, do papel para forrar os livros, da mochila mais bonita e do estojo cheio de canetas e lápis decorados com os temas da altura.

SPRING BREAKERS, (DIS)HARMONY ACCORDING KORINE AND DESPERATION (OVEREMPHASIS) OF ME

Não podendo ser de outra forma, que seja desta: releio um texto (não suporto a palavra!) com alguns meses sobre Spring Breakers. Palavras exaltadas e pouco medidas. Como se não bastasse, releitura mal dormida, após uma mudança de hora que roubou pelo menos uma. Definitivamente volve-se contra a mão que o escreveu (não ao ponto de cuspir no prato onde come e terá de voltar a comer), forma derradeira e galhofeira de masoquismo, mas esta última apenas por estar travestido de trecho de diário, como uma dentada nos calcanhares de tempos a tempos com o propósito de evitar o esquecimento.

BARATAS TONTAS

Vamos dar, neste texto, uma perspetiva diferente e atribuir características nobres a esse inseto multifacetado, tanto voa como rasteja, que é a barata. Espere. Não deixe de ler já o texto só porque se criou uma imagem de uma barata e já apetece fugir. Há que dar o benefício da dúvida. A barata, para começar, diz que tem sapatinhos de veludo. Ah, não. Espera, essa é mentira da barata. O que ela tem é os pés peludos. Não vou entrar por aqui. Podia, mas não vou.

O ESTADO, OS RICOS, OS POBRES E OS IMPOSTOS

No seu habitual espaço de comentário na TVI24 e a propósito das negociações para o Orçamento do Estado para 2018 Manuela Ferreira Leite afirmou “os impostos não podem castigar quem ganha muito”.

Depois de conseguir digerir e assimilar a soberba declaração senti necessidade de inferir sobre o significado da mesma. Assim e tendo como ponto de partida a afirmação proferida por Manuela Ferreira Leite, será legítimo inferir que os impostos podem castigar quem ganha pouco?

BULLET IN THE HEAD

Bullet in the head (1990), de John Woo

ESTRANHAS OPERAÇÕES

                      

Desafio nº 11                                                                                 Nível de dificuldade: 2

 

 

Resolução:

Este tipo de desafio é, hoje em dia, muito frequente nas redes sociais. Em termos matemáticos a sua resolução é bastante simples, contudo é necessário algum poder de abstracção.

CABEÇA DE ALHO CHOCHO

Nem mais. Cabeça de alho chocho. Sem rodeios. Cabeça. Alho. Chocho. Nem mais nem menos. Confesso que nunca percebi muito bem a origem da expressão nem porque se poderia chamar a alguém cabeça de alho chocho. Mas existia. E era, de facto, uma cabeça de alho chocho. Ora, depois de uma extensa pesquisa, destinada a escrever este artigo, descobri, eu próprio, narrador, através de uma coisa chamada Google que não me ajudou em nada, nada. Isto para dizer que não descobri a origem. Se alguém souber, pois muito agradeço que aqui deixem o testemunho.

O SONHO... DE UMA CIDADE EDUCADORA!

“...que sabemos dos lugares é coincidirmos com eles durante um certo tempo no espaço que são. O lugar estava ali, a pessoa apareceu, depois a pessoa partiu, o lugar continuou, o lugar tinha feito a pessoa, a pessoa havia transformado o lugar.”

José Saramago

Páginas