Está aqui

Viagens

VIAGEM DE BARCO

O mar parecia um espelho. Calmo, plano, sem qualquer tipo de ondulação ou toque de brisa. Ao olhá-lo via-se o céu e a nossa cara refletida como se fossemos um Narciso apaixonado por si próprio. Nesse mar calmo, apetecia-me navegar além das ilhas verdes e rochosas que se plantavam, além da minha imaginação e navegar dentro dela, como se eu próprio estivesse na minha cabeça e a navegação fosse feita à vista, dentro dela, sem astrolábios ou materiais de navegação.

OS GIRASSÓIS DE SAIGÃO

Cheguei a Saigão, que hoje já não se chama assim. Hoje é Ho Chi Minh. Cidade com o nome do fundador do moderno Vietname. Lembro-me e recorro ao nome Saigão à luz daquilo que escreveu Marguerite Duras. Nos tempos da presença francesa, uma história de amor n´O Amante.

ECONOMIA COM SURPRESA

Surpresa. Ato ou efeito de surpreender ou de ser surpreendido. Ação calculada pela qual se pretende agradar ou ser útil a alguma pessoa sem esta o prever ou algo que acontece ou surge de repente, não estando previsto.

É assim que começo a primeira nota de economia deste ano, com surpresa.

Pensem no Kinder Surpresa. Agora pensem em economia. Estão a ver? Não? Então debrucemos-mos um pouco sobre a ideia que venceu o TAP Creative Launch- concurso de ideias de negócio que a transportadora aérea lançou em parceria com a Start Up Lisboa, - a Waynabox.

CAFÉ

Cheguei à entrada do café passavam alguns minutos das sete horas da manhã. Óculos escuros postos para disfarçar o olhar matinal de quem vê o Sol como se o visse pela primeira vez na vida. Os olhos emocionam-se, reagem de forma alérgica e ficam vermelhos e inchados. É o repetir dos dias e o peso do sono. Nada a fazer, exceto um café matinal para agitar a adrenalina que se acomodou durante a noite. Após passar a portada do café, esperavam-me tantas caras desconhecidas quanto espaços vazios na cafetaria. Encostei-me ao balcão e o empregado, do outro lado, lançou-me um olhar de rapidez inquiridora do que me levava ali e perguntou se queria café. Respondi que sim e um pastel de nata. Veloz como a necessidade urgente de retirar as borras, por mais pó e tirar mais cafés numa máquina industrial a precisar de se alimentar de mais e mais cafeína. Ouvia o barulho do moinho a transformar os grãos em pó. Eu tomaria apenas uma pequena dose desse volume incomensurável de café que se misturava na água, se cobria de creme e tinha o poder de despertar até os mais sonolentos.

TERMINAL DE AEROPORTO

Os terminais dos aeroportos são sítios estranhos onde as pessoas se cruzam, olham, ignoram, seguem viagem sem que muitas se voltem a ver. Os terminais dos aeroportos são um sítio de passagem para tantos que anseiam pelo regresso a casa. A permanência de cada um de nós neles resume-se a poucas horas e, em cada movimento dos transeuntes entende-se a extensão da sua demora no terminal. Os passos apressados, as caras preocupadas de quem corre em busca da porta para embarcar e está atrasado para o voo. Os que se passeiam lentamente nos corredores do terminal, esperando que o tempo passe e as horas corram nos ponteiros do relógio. Todos são o terminal. Em cada área, um visor que mostra as horas dos voos, o tempo que falta para anunciar a porta de embarque, através dos grandes vidros, que são paredes, veem-se os aviões que chegam e partem, as suas asas longas em contraste com as pequenas janelas, os símbolos das companhias aéreas que representam o mundo. Num terminal, toda a diferença étnica que caracteriza o ser humano. Todas as pessoas querem chegar ao destino. Todas as pessoas sabem que a sua casa não é ali e que os aviões são parte do percurso de vida, que foram criados pelos Homens para se chegar mais depressa a um qualquer lugar. No futuro, os Homens vão inventar outra coisa para chegarem ainda mais depressa. No terminal, entre produtos que se vendem em lojas que não conseguimos evitar no percurso e em pequenos cafés que acomodam os que esperam durante algum tempo, os minutos vão decrescendo para a hora do voo.

Linguagem Universal… sim existe!

Voltei a sair de Portugal, desta vez com destino à Turquia. Várias vezes já reflecti sobre a importância de falar uma língua estrangeira de forma a ter uma base de apoio em situações diversas em que necessitamos de comunicar com alguém. Pois bem, na Turquia, especialmente em Ankara, 99% da população (de acordo com a minha experiência) não fala qualquer tipo de língua estrangeira, sendo apenas turco o essencial, algo que para mim é exactamente o mesmo que grego, pois apenas sei meia dúzia de palavras em turco.

Bruno Araújo e a Ezimute. Made in Alentejo

Chama-se Bruno Araújo, tem 39 anos, nascido transmontano mas trazido para Évora com três anos. Está empenhado num projecto turístico nacional, o EZIMUTE e é responsável deste para a região Alentejo. E tem um desafio para proprietários de restaurantes, bares, lojas e animadores turísticos. Fique a saber qual.