3 Maio 2017      21:11

Está aqui

XV FESTIVAL DE CINEMA DE PORTEL DESTACA O NEOREALISMO

Arranca a 14 de maio a XV edição do Festival de Cinema - O Castelo em Imagens, em Portel, no Alentejo Central com a participação do seu diretor artístico, Lauro António.

Este ano o Festival de Cinema conta com o projecto Passione, com uma semana de sessões de projecção dedicadas inteiramente à temática dos castelos e à sétima arte.

A valorizar este ano a temática do festival está a mostra cinematográfica em torno do neorealismo italiano.

O movimento neorrealista é seguramente dos movimentos artísticos que, no campo do cinema, teve uma maior influência em todo o futuro da cinematografia mundial. Surgiu num momento muito paricular da história da Europa (e do mundo) mas teve antecessores que possibilitaram a sua eclosão, nomeadamente algumas escolas realistas, como o documentarismo social inglês dos anos 30 (onde avultam as obras de John Grierson, Basil Wright, Edgar Anstey, Stuart Legg, Paul Rotha, Arthur Elton, Humphrey Jennings, Harry Watt ou Alberto Cavalcanti, entre outros), algumas incursões da escola soviética, mas também de muitos cineastas com uma obra muito particular, como Robert Flaherty, Joris Ivens, Dziga Vertov e tantos mais. Integrando-se nessa corrente realista, o neorrealismo teve, todavia, particularidades próprias. 

Tanto na literatura como no cinema, a criação neorrealista procura descrever de imediato a realidade social e humana do país, enquadrando-as no ambiente da época, dando inclusive especial atenção a especificidades regionais e observando o quadro com preocupações éticas e igualmente estéticas. A verdade é que o tipo de rodagem que o neorrealismo impôs veio a influenciar toda a história do cinema posterior. Este tipo de “cinema pobre” sem magia estereotipada, sem grandes recursos, sem o glamour das estrelas e dos estúdios, sem temas fantásticos e fantasistas, esteve na origem de inúmeras experiências em todo o mundo, desde a Nouvelle Vague francesa, passando pelo Free Cinema inglês, pelos novos cinemas que se conheceram na década de 60 na Europa Ocidental e de Leste, pela América Latina, pela India, chegando aos próprios EUA, onde os primeiros títulos italianos de Rossellini e De Sica provocaram ondas de entusiasmo transbordantes. 

O Castelo em Imagens

“O Castelo em Imagens” nasceu da ideia de homenagear e sublinhar a importância histórica, social, cultural, artística e cinematográfica do “castelo”. Emanou de um conjunto de vontades com interesses comuns, à volta das muralhas de um castelo (o de Portel), de todos os castelos (inicialmente os portugueses, como é óbvio, mas também todos os castelos do mundo, do mundo “visível”, dito “real”, mas também do mundo da fantasia que só existe no interior de cada um de nós). Falar do Castelo como inspiração é falar de utopias, de castelos idealizados com vida em comum. Falamos hoje mais do que nunca, do castelo da resistência. Da resistência física, e da resistência intelectual. O castelo da defesa dos ideais.

Lauro António, director artístico e responsável pelo programa valoriza a “promoção da cultura junto da comunidade e das suas várias franjas e idades, o que assume no concelho de Portel através do festival de cinema, uma grande relevância e é sem dúvida uma realidade que tem caracterizado o evento, bem como os seus conteúdos ao longo destes treze anos. Nesse sentido, o papel da autarquia tem contribuído de forma decisiva para criar as condições para uma vida cultural activa, assente na inovação e na descentralização, possibilitando cada vez mais um acesso generalizado à Cultura fora dos grandes centros urbanos e fazendo daquele concelho um reconhecido referencial no domínio cultural.”

O Festival encerra a 20 de maio com um espectáculo musical que reune o Trovas & Canções, contando no seu elenco com o actor Ruy de Carvalho.

Imagem de capa de Chromatic Orb, em Mapio.net

CAPTCHA
Image CAPTCHA
Escreva o caracteres que vê na imagem do lado direito.