Está aqui

Vinho da Talha

VAI NASCER A CASA DO VINHO NA VIDIGUEIRA

A Vidigueira, terra do vinho da talha que é candidato a património da humanidade, está a meses de concluir a Casa do Vinho, segundo avançou Manuel Narra, presidente do município (CDU). Para o edil, o projecto, que estará pronto no primeiro trimestre deste ano, está associado à candidatura do Vinho da Talha a Património Imaterial da Humanidade, que a Vidigueira lidera, e ao Centro Interpretativo do Vinho da Talha, em Vila de Frades e vai ser articulada com o cante alentejano.

Imagem de capa de Susana Oliveira.

VIDIGUEIRA APOSTA NO VINHO DA TALHA

O município de Vidigueira, no Baixo Alentejo, viu aprovada a candidatura para criação de um Centro Interpretativo do Vinho de Talha, em Vila de Frades.
O projecto pretende, segundo a Câmara, “contribuir para a promoção do Vinho de Talha através da investigação e divulgação da sua base patrimonial”.O investimento está associado à candidatura do Vinho de Talha a Património Imaterial da Humanidade.

VIDIGUEIRA APOSTA NO VINHO DA TALHA

O município de Vidigueira, no Baixo Alentejo, viu aprovada a candidatura para criação de um Centro Interpretativo do Vinho de Talha, em Vila de Frades.
O projecto pretende, segundo a Câmara, “contribuir para a promoção do Vinho de Talha através da investigação e divulgação da sua base patrimonial”.O investimento está associado à candidatura do Vinho de Talha a Património Imaterial da Humanidade.

VINHO DA TALHA ALENTEJANO QUER SER PATRIMÓNIO DA HUMANIDADE

Amareleja, no concelho de Moura, no Baixo Alentejo, celebra a 15.ª edição da Feira da Vinha e do Vinho nos próximos dias 9 a 11 de dezembro e com um programa preenchido de comes, bebes, música e a candidatura do excepcioal vinho da talha a património da humanidade.

ALENTEJO ATACA UNESCO

As figuras conhecidas como “Bonecos de Estremoz”, realizadas em barro e características desta localidade alentejana são a primeira linha de novo ataque do Alentejo às classificações de Património Imaterial da Humanidade da UNESCO, já em 2017.

As entidades promotoras da candidatura – liderada pelo município local - esperam que esta possa ajudar a promover, valorizar e salvaguardar o a tradição e fabrico destas figuras únicas que se estima que tenha começado no século XVIII.