Está aqui

Artigos publicados

A GUERRA ACABOU HÁ 99 ANOS

Hoje, 11 do 11, celebram-se 99 anos do Dia do Armistício, efeméride que assinala formalmente o fim da Primeira Grande Guerra.

O QUE É ISTO DO 5 DE OUTUBRO?

Este dia estava predestinado a ser um dia marcante na História de Portugal. Voltando agora a ser comemorado como feriado, este dia deixou, por diversas vezes, marcada a sua importância na História do país. 

ELEIÇÕES, REFERENDOS, PODER E A PERVERSIDADE DA DEMOCRACIA

Num curto espaço de tempo o mundo começa a ver ruir alguns princípios da Democracia que deixam cada vez mais evidente que é – como disse Camus em 1948 – não o melhor dos regimes, mas o menos mau.

HOLOCAUSTO – 72 ANOS DEPOIS

Era esta a frase inscrita nos campos de concentração nazis: “o trabalho liberta-nos”. Durante anos, nestes campos, foram cometidas as maiores atrocidades entre seres humanos. Como disse George Steiner “Para muitos homens o ambiente de paz parece mais sufocante do que o ar revigorante da guerra.”

SOARES FOI, É E SERÁ SEMPRE FIXE

Já não será notícia que Mário Soares faleceu, mas Soares sê-lo-há sempre pela herança democrática que nos deixou.

O ex-Presidente da República tinha 92 anos e desde o início de dezembro que se encontrava internado.

Mário Soares foi fundador e primeiro líder do PS e logo no pós-25 de abril – durante o governo Provisório -  foi ministro dos Negócios Estrangeiros. Antes, nos tempos do Estado Novo, Soares foi um resistente da ditadura e esteve preso diversas vezes.

E SE ALEPO FOSSE AQUI?

Ninguém que conheça uma criança deve passar sem se deter nesta imagem.

Quem é? Onde é? O que fez? Nenhuma das respostas a estas perguntas justificará a imagem que vê.

Centenas de imagens e vídeos foram libertadas e partilhadas por pessoas prestes a morrer durante a “tomada de Alepo”. Guardo um vídeo em especial, pelas semelhanças comigo, o vídeo de Abdulkafi Alhamdo, pai, professor, jornalista e ativista – rebelde aos olhos do regime.

11 DE SETEMBRO: AINDA SE VÊ O FUMO

Lembro-me perfeitamente do momento do atentado.

Era um jovem universitário a fazer zapping compulsivo na tentativa de encontrar uma desculpa para não pegar nos livros, quando – passavam uns minutos das 9:03h em Nova Iorque, 14:03h em Portugal – ao ver um pasmado José Rodrigues dos Santos, paro na RTP1 e vejo um jornalista experiente - cujas primeiras memórias me enviam para a Guerra no Golfo, estando, como tal, habituado a cenários difíceis – atónito, a tentar explicar o que estava a acontecer nas imagens que se viam em direto dos Estados Unidos.

EXTREMISMOS VS. LIBERDADE

Fruto da repetição de erros históricos, vivemos tempos de extremismos onde o fanatismo exacerbado se tornou normal e é transversal quer na estrutura social, quer nos mais variados quadrantes – do desporto à política, passando pela comunicação social.

As desigualdades extremaram-se também: 1% da população mundial detém a riqueza e o poder político concentra-se cada vez mais nas mãos de uma pequena elite empresarial e financeira.

DICOTOMIAS DEMOCRÁTICAS

O mundo conheceu, neste fim-de-semana, dois resultados eleitorais, em dois países completamente diferentes, em dois continentes diferentes, com culturas democráticas bem diferentes.

TRAGÉDIA EUROPEIA

Ainda há poucas semanas se discutia o possível fim da Europa do Euro, o quanto as negociações e as pressões realizadas sobre um Estado Membro, a Grécia, eram contrárias ao espírito solidário e corporativo que dera inicio à União.

Silenciada a revolta grega, a Europa acorda, novamente, para a triste realidade que lhe bate diariamente à porta: há milhares de refugiados que olham para Europa como um sonho de uma vida.

Páginas