Está aqui

Artigos publicados

Mitigar o isolamento geracional com jogos de tabuleiro

Sobre a mesa podíamos observar umas peças de cartão que formavam uma ilha, algumas cartas e uns objectos que representavam artefactos antigos. Os jogadores tinham que colaborar (o jogo era cooperativo) para conseguir encontrar todos as relíquias e escapar de helicóptero antes da ilha se afundar nas águas do oceano. Embora as regras sejam iguais para todos, cada um tem algumas características individuais que, utilizadas em equipa, podem permitir vencer.

Jogos de tabuleiro e intervenção social

Sim, os jogos de tabuleiro são excelentes alternativas aos brinquedos automáticos e aos jogos digitais para as crianças. Não, não se destinam apenas aos mais novos.

Sim, o Monopólio, o Trivial Pursuit, o Xadrez e as Damas são jogos de tabuleiro. Não, não são os únicos (na verdade há mais de 80.000 jogos de mesa publicados!).

Sim, há grupos de jogadores que, pelas suas características e preferências de jogo, constituem um nicho muito específico da população. Não, não são só estes a eleger jogos de tabuleiro como passatempo.

Aprender História a jogar

Para além de se referirem a períodos ou eventos históricos importantes para Portugal, o que têm em comum os seguintes cenários?

Durante a chamada “Idade da Pedra” surgiu a agricultura, o processamento de recursos e a construção de cabanas simples em pequenas comunidades. Iniciou-se o comércio e intensificaram-se habilidades tradicionais como a caça para nutrir uma crescente população…

Falemos de jogos de tabuleiro modernos

É esta a primeira de um conjunto de crónicas que escreverei para o “Tribuna Alentejo” e que serão dedicadas aos jogos de tabuleiro modernos (também conhecidos pelo termo anglo-saxónico “board games”). Na verdade, a designação mais correcta será jogos de mesa, uma vez que nem todos se apresentam com um tabuleiro, mas optarei por utilizar a denominação mais corrente.