Está aqui

Trump

O dia do indizível

Duas canções, um trecho de poesia de Aberto Caeiro e o dia do indizível (a tomada de posse de Donald Trump como presidente dos EUA) – relembrando o pesadelo.

Duas canções que não salvam nem confortam, mas que são incrivelmente belas; ficam como aviso:

Breathing (Kate Bush)     

Closing Time (Leonard Cohen)

-

Quando os danos colaterais são os mortos e os feridos

Já não existem palavras aveludadas, estas apenas refletem mágoa e revolta. Os escritos já só conseguem exprimir realidades obscenas e sentimentos marcados pela insubmissão. O meu acervo dos sonhos vai-se esgotando e, chegar a acordo com o tempo, começa a não estar nos meus planos.   

Enquanto se exuberam essências, as catarses coletivas vão-se impondo pelo mundo fora.

Tinha, inicialmente, pensado escrever sobre Maio de 68, sobre os encantos e os desencantos de juventudes vividas de esperanças e de poéticas sonhadas e sempre adiadas.

O arrancar de mais uma Guerra

Este fim-de-semana o Mundo acordou com a notícia do ataque coordenado dos EUA, do Reino Unido e de França na Síria, sendo este ataque apresentado como resposta ao ataque com armas químicas que foi ordenado por Bashar Al Asad e vitimou centenas de inocentes.

Muitas vozes já vieram afirmar e com alguma razão, que por detrás deste ataque está uma tentativa de fazer frente à Rússia na questão do Médio Oriente.

Em tempos falei nestas crónicas do perigo que seria ter Donald Trump a coordenar operações militares.

TRUMP, O INCENDIÁRIO

Ao anunciar o reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel Trump acendeu mais um rastilho de pólvora no Médio Oriente.

É uma decisão que para além de comprometer os esforços de paz e de afrontar o povo palestiniano, viola as resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas sobre o não reconhecimento da ocupação de Jerusalém oriental.

Mas é apenas mais um episódio de uma presidência desequilibrada, populista e, sobretudo, perigosa.

BIG D - AMÉRICA PROIBIDA

O dia 25 de Julho foi um mau dia para Hillary Clinton e os Democratas. A maioria das sondagens americanas colocam Donald Trump à frente nas eleições presidenciais. Será este um voto de protesto em relação à elite política que pouco ou nada se relaciona com o americano comum, ou será a causalidade de uns Estados Unidos (EUA) com crescentes tensões raciais, maior desigualdade e um capitalismo cada vez mais desequilibrado?

O PERIGO DA IMPREVISIBILIDADE

Esqueçam Bush Pai ou Bush Filho, esqueçam John McCain, Ted Cruz, Marco Rúbio ou Mitt Romney. Se existe alguém que os considere extremos, incoerentes, populistas, e como dizem os próprios americanos, completos warheads, chegou Donald Trump para quebrar todas as barreiras que se julgavam estabelecidas no Partido Republicano.