Está aqui

Seca Severa

Seca severa mantém-se e aumentou no Alentejo

O Algarve já quase não tem zonas em seca severa e nenhuma está em seca extrema, mas, no Alentejo, a área afetada pela severidade da seca aumentou, de acordo com os dados de monitorização do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Estes dados, citados pelo portal Sul Informação, mostram que, no Alentejo, tal como no Algarve, já não há zonas em seca extrema, mas a área de seca severa expandiu-se, ocupando agora quase todo o litoral, mas também uma parte significativa do interior do distrito de Beja.

Baixo Alentejo e Algarve em seca severa no mês de outubro

Portugal continental registou, em outubro, face ao mês anterior, uma diminuição da área em seca meteorológica no Alto Alentejo, mas registou um aumento da intensidade no Baixo Alentejo e Algarve, com alguns locais na classe de seca severa, indicam os dados do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Alentejo em seca extrema. Já quase não há água em algumas albufeiras

Os distritos de Beja e Évora encontram-se oficialmente em seca severa extrema. Portalegre está praticamente numa situação semelhante.

O Governo já declarou 78 concelhos do País em seca severa extrema, através de um despacho do Ministro da Agricultura, publicado ontem em Diário da República. A declaração visa minimizar os efeitos da seca na agricultura, aumentando o leque de apoios e flexibilizando as medidas de apoio previstas no Programa de Desenvolvimento Rural do Continente (PDR 2020).

SITUAÇÃO DE SECA É GRAVE NO ALENTEJO

Entramos em agosto com mais de 95% do território nacional em seca, sendo que segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), 16,5% do país está em seca moderada, 70% em seca severa e 9% em seca extrema. O Alentejo é a principal região afetada e, sobretudo no Baixo Alentejo (Moura e Castro Verde), registaram-se 5 dias consecutivos em que as temperaturas ultrapassaram os 40.º.