Está aqui

Relações Internacionais

O BALANÇO DE OBAMA

Numa altura em que Obama começa a fazer as malas para sair da Casa Branca, os seus níveis de popularidade alcançam recordes só vistos durante a sua campanha inicial. É quase certo que Obama será lembrado pelos historiadores como um grande presidente, apenas com o inconveniente de poder ser “ensandwichado” por 2 maus presidentes, um confirmado e outro que provavelmente o poderá ser.

Assim sendo, que ilações podemos tirar dos quase 8 anos do primeiro Presidente negro dos Estados Unidos da América? Podemos avalia-lo em 2 partes: domesticamente e em política externa.

A (DES)ORDEM INTERNACIONAL

Com as eleições nos EUA quase aí, os holofotes prendem-se em todas as ações de campanha e comentários que Hillary Clinton e Donald Trump tecem. Não desfazendo a importância que estas eleições terão no futuro das relações internacionais, Putin aproveita para reforçar o seu apoio a Bashar-al-Assad, através do aumento do seu poder bélico na reconquista da Síria.

TURQUIA NA UNIÃO EUROPEIA. BOA IDEIA OU NEM TANTO?

Fundada a 29 de Outubro de 1923, a República da Turquia marcou o fim do esgotado Império Otomano que se extinguia ao fim de 623 anos de existência. A derrota na 1ª Guerra Mundial e a pressão dos aliados verificava-se demasiado pesada para um império desgastado pela guerra e pelo tempo. Após 4 anos de uma Guerra Mundial seguida de uma Guerra pela Independência de 3 anos, a chamada Turquia moderna é fundada por Mustafa Kemal Ataturk.

PACTO DE XANGAI, O "NOVO" INIMIGO NATURAL DA NATO

Agiganta-se a cada dia que passa um novo bloco regional internacional. A SCO, sigla para Shanghai Cooperation Organisation, que se traduz para Organização para a Cooperação de Xangai, ou de forma mais simplificada Pacto de Xangai, foi um projecto criado há precisamente 20 anos sob o nome de “Os 5 de Xangai”, nome que viria a ser alterado para o actual aquando da entrada do Uzbequistão na organização, juntando-se aos 5 fundadores China, Rússia, Cazaquistão, Quirguistão e Tajiquistão.

LÍNGUA E PROXIMIDADE

Aproveitar o nosso potecial - Língua e proximidade.

Uma das principais causas das nossas debilidades económicas enquanto país é a nossa aparente incapacidade de aproveitar as nossas vantagens. O antigo império português permitiu a difusão da nossa cultura e especialmente língua por praticamente todos os continentes. Tal facto, garante a Portugal uma clara vantagem nas relações com as nações e os mercados que outrora fizeram parte da nossa pátria. Por outro lado, a nossa adesão à União Europeia capacita-nos de ferramentas de influência em relação às nações europeias.

AO RITMO DA SALSA

No passado Domingo, o presidente Barack Obama promoveu mais um acontecimento que marca a história mundial: pisa solo cubano e quebra 88 anos de ausência de líderes americanos neste país.

A visita de Obama a Cuba representa um momento extraordinário, marcando mais um passo no caminho da resolução de problemas antigos, problemas de velha Cortina de Ferro que teimava em cair, problemas de outro tempo que já não têm razão de existir na conjuntura actual.

SIM, O VATICANO É IMPORTANTE!

Em primeiro lugar quero em jeito de defesa de honra pré guilhotina social, motivada por possíveis susceptibilidades feridas que possam surgir após a leitura desta crónica alegar que: Sou convictamente e profundamente ateu! Não acredito no «Homem invisível que vive no céu a olhar para tudo o que fazemos, a todos os minutos de todos os dias da nossa vida. Homem esse que tem uma lista especial de 10 coisas que não se devem fazer, e que se fizermos uma dessas coisas, ele tem um sítio especial para nós!

O ÚLTIMO DOS PRÍNCIPES VERMELHOS

Kim Jong-Un herdou de forma quase dinástica a gestão de um país que considera seu, como já o seu pai o tinha feito por herança do seu avô, e administra o “seu” domínio como um jogo de computador se tratasse.

Sejamos claros (embora custe aos “camaradas” do PCP em admitir), a Coreia do Norte é uma ditadura, mas mais, é uma perigosa ditadura porque detém capacidade bélica ao nível atómico.