Está aqui

Relações Internacionais

Eurodeputado alentejano quer reforçar a relação União Europeia/Estados Unidos

O eurodeputado alentejano, Carlos Zorrinho, defendeu esta semana, em Bruxelas, o reforço das relações entre a União Europeia (EU) e os Estados Unidos (EUA).

“A tomada de posse da nova administração Americana é uma oportunidade para uma reconfiguração geoestratégica global e para o reforço das relações entre os Estados Unidos e a União Europeia, num contexto de pandemia e de ameaça crescente do populismo e do autoritarismo no mundo”, afirmou Carlos Zorrinho, para quem “o mandato de Trump deixa marcas que não se apagam com a sua derrota eleitoral.”

Putin: “O liberalismo tornou-se uma teoria obsoleta”

Decorreu recentemente a Cimeira do G20 de 2019 em Osaka, onde fomos presenteados com esta declaração de Putin, que defende que o liberalismo está obsoleto e com o seu propósito ultrapassado.

Não deixa de ser interessante que esta declaração venha da voz de um político que não só, nunca acreditou no liberalismo, como lidera um país onde o liberalismo nunca existiu na prática.

Todavia, Putin têm razão, e ao mesmo tempo não.

Negócio de futuro? O desenvolvimento

A história da humanidade é a história de uma migração. Desde que o ser humano se começa a afirmar no seu habitat como líder da cadeia alimentar, este começa também a expandir-se por todos os territórios do planeta em busca de novos recursos e regiões mais prósperas.

Chineses querem mármores de Borba

Um grupo de investidores chineses está de visita à zona dos Mármores em Borba.

A comitiva já foi recebida nos Paços do Concelho por António Anselmo, presidente da Câmara Municipal, e é constituída por vários industriais do mármore daquele país. Os investidores vieram conhecer o mármore extraído naquela região, para "posteriores relações comerciais", segundo a autarquia, que está a facilitar o contato entre empresários chineses e empresários locais.

 

TRUMP, O INCENDIÁRIO

Ao anunciar o reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel Trump acendeu mais um rastilho de pólvora no Médio Oriente.

É uma decisão que para além de comprometer os esforços de paz e de afrontar o povo palestiniano, viola as resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas sobre o não reconhecimento da ocupação de Jerusalém oriental.

Mas é apenas mais um episódio de uma presidência desequilibrada, populista e, sobretudo, perigosa.

O BALANÇO DE OBAMA

Numa altura em que Obama começa a fazer as malas para sair da Casa Branca, os seus níveis de popularidade alcançam recordes só vistos durante a sua campanha inicial. É quase certo que Obama será lembrado pelos historiadores como um grande presidente, apenas com o inconveniente de poder ser “ensandwichado” por 2 maus presidentes, um confirmado e outro que provavelmente o poderá ser.

Assim sendo, que ilações podemos tirar dos quase 8 anos do primeiro Presidente negro dos Estados Unidos da América? Podemos avalia-lo em 2 partes: domesticamente e em política externa.

A (DES)ORDEM INTERNACIONAL

Com as eleições nos EUA quase aí, os holofotes prendem-se em todas as ações de campanha e comentários que Hillary Clinton e Donald Trump tecem. Não desfazendo a importância que estas eleições terão no futuro das relações internacionais, Putin aproveita para reforçar o seu apoio a Bashar-al-Assad, através do aumento do seu poder bélico na reconquista da Síria.

TURQUIA NA UNIÃO EUROPEIA. BOA IDEIA OU NEM TANTO?

Fundada a 29 de Outubro de 1923, a República da Turquia marcou o fim do esgotado Império Otomano que se extinguia ao fim de 623 anos de existência. A derrota na 1ª Guerra Mundial e a pressão dos aliados verificava-se demasiado pesada para um império desgastado pela guerra e pelo tempo. Após 4 anos de uma Guerra Mundial seguida de uma Guerra pela Independência de 3 anos, a chamada Turquia moderna é fundada por Mustafa Kemal Ataturk.

PACTO DE XANGAI, O "NOVO" INIMIGO NATURAL DA NATO

Agiganta-se a cada dia que passa um novo bloco regional internacional. A SCO, sigla para Shanghai Cooperation Organisation, que se traduz para Organização para a Cooperação de Xangai, ou de forma mais simplificada Pacto de Xangai, foi um projecto criado há precisamente 20 anos sob o nome de “Os 5 de Xangai”, nome que viria a ser alterado para o actual aquando da entrada do Uzbequistão na organização, juntando-se aos 5 fundadores China, Rússia, Cazaquistão, Quirguistão e Tajiquistão.

LÍNGUA E PROXIMIDADE

Aproveitar o nosso potecial - Língua e proximidade.

Uma das principais causas das nossas debilidades económicas enquanto país é a nossa aparente incapacidade de aproveitar as nossas vantagens. O antigo império português permitiu a difusão da nossa cultura e especialmente língua por praticamente todos os continentes. Tal facto, garante a Portugal uma clara vantagem nas relações com as nações e os mercados que outrora fizeram parte da nossa pátria. Por outro lado, a nossa adesão à União Europeia capacita-nos de ferramentas de influência em relação às nações europeias.

Páginas