Está aqui

Política Nacional

Setecentos mil eleitores não têm quem os represente

Foram quatro milhões e novecentos mil os portugueses com votos válidos nas últimas legislativas. Destes, setecentos mil não contribuíram para eleger nenhum deputado. A culpa não foi deles, que se disponibilizaram para ir às urnas escolher os seus representantes, nem foi dos candidatos, cujas propostas conseguiram captar o seu interesse e aprovação. Foi mesmo da lei eleitoral que temos, que faz corresponder os círculos eleitorais aos distritos administrativos de 1835.

Investimento. Onde andas?

Para Portugal crescer como todos nós, cidadãos portugueses, queremos, é necessário investimento. E para termos crescimento é preciso confiança. Historicamente falando, basta pensar que Partido Socialista e boa fama na gestão das contas públicas não é coisa que combina, principalmente, por não existir o bom senso de precaver crises económicas ou choques externos.

PROFETAS DA DESGRAÇA

Estranha forma de fazer política.

Enquanto todos os estudos revelam um claro aumento da confiança no Governo, Passos Coelho e os seus seguidores no PSD mantêm o discurso da hecatombe. Com enorme esforço e duvidosa imaginação vão-se dedicando a profetizar toda a espécie de catástrofes.

Felizmente para os portugueses, não há meio de acertarem uma.

A vida não está fácil para os profetas da desgraça.

PELA MÃO DO PSD: AR APROVA 2 PROJETOS PARA O ALENTEJO

Criação dos circuitos hidráulicos de Reguengos de Monsaraz e de Viana do Alentejo

 

Na última sexta feira foram aprovados na Assembleia da República dois Projetos de Resolução, que tinham sido apresentados por minha iniciativa.

Um dos projetos (PJR 400/XIII/2a (PSD)) recomenda ao Governo que adote as medidas que permitam a criação do Circuito Hidráulico de Reguengos de Monsaraz (ligação à Albufeira de Alqueva).

QUEM TRAMOU A CAIXA?

E, aí vamos nós uma vez mais, sorrateiramente, de forma ordeira e submissa, recapitalizar outro banco, apenas aguardamos o momento da decisão.

O GRIPAR DA ECONOMIA PORTUGUESA COM A GERINGONÇA AO VOLANTE

O atual governo constitucional assumiu funções ao volante do país à cerca de pouco mais de meio ano, exercendo a sua atividade em todas as pastas a que concernem a administração regular de Portugal. No entanto, importa referir que a gerigonça, destacando um governo formado pelo PS e apoiado nas esquerdas radicais, que tem de uma forma metafórica “conduzido” o nosso país sem fazer a devida manutenção e gestão cautelosa do “veículo”. Ridicularizando a metáfora, diria até que o painel de bordo do veículo tem várias das suas luzes de perigo acesas e no entanto o condutor continua e guiá-lo sem qualquer preocupação, quase não querendo ver a realidade que se encontra bem perante os seus olhos. Como bem se dirá na gíria “É meter combustível e andar…”, porém esse combustível também não está tão aditivado quanto isso. E assim vai o estado do país essencialmente no setor económico, um dos principais pilares de sustentabilidade do crescimento do país. O motor não está suficientemente lubrificado, existe falta de água no motor que leva a que o mesmo sobreaqueça podendo causar danos irreversíveis na sustentabilidade e competitividade do nosso cantinho à beira-mar plantado.

É A VONTADE, MAS NÃO É A VONTADINHA…

Nos últimos dias a política lusa recordou-me aquele filme de Bob Rafelson, “O carteiro toca sempre duas vezes”, e a verdade é que em relação aos nossos primeiros ministro “toca” sempre mais do que aquilo de que gostaríamos.

ADEUS CAVAQUISMO

No próximo dia 09 de Março diremos adeus a Cavaco Silva. Após 10 anos como Presidente da República, e quase outros tantos como Primeiro-Ministro, o político que diz não o ter sido, Cavaco Silva abandona os palcos políticos.

Enquanto Primeiro-Ministro, passou do betão das auto-estradas, dos subsídios ao sector terciário para deixar de produzir, terminando nas cargas policiais sobre polícias, mantendo, no entanto, uma imagem coerente com o regime rígido que sempre defendeu e apoio.

Enquanto Presidente da República, tal coerência não se manteve.

JE NE SUI PAS CM

Esta semana rebentou mais uma polémica a envolver o Jornal Correio da Manhã. No entanto, desta feita não foi por alguma notícia muito pouco crível que fosse publicada.

DEBATE … MAS POUCO

No rescaldo do primeiro debate televisivo das eleições legislativas 2015 que colocou frente-a-frente Jerónimo de Sousa e Catarina Martins, líderes do Partido Comunista Português (PCP) e Bloco de Esquerda (BE) respectivamente, posso afirmar que fiquei um pouco desiludido com o desenrolar do mesmo, revelando convergência política, alinhamento de opiniões, enfoque nos mesmos inimigos (que não estavam no debate) e ausência de confronto de ideias.

Páginas