Está aqui

Poesia

As cadeiras à noite pela fresca

as cadeiras sentam-se
e arejam a noite
da terriola mais quente.

as vozes saem de casa
e a rua escuta epopeias
exaltadas pela sua gente.

são as primeiras redes sociais
sem seguidores ou amizades formais
o mito do vizinho que enriquece
e o zum-zum da vizinha que enlouquece
não passam de fake news imorais.

mas que bom que é falar sem internet
sem binários mal interpretados
e sem medo da palavra a dizer;
por isso a rua da minha aldeia é assim:
a voz da liberdade a prevalecer.

 

A pergunta

pergunta o velho ao jovem,

sabes o que esta casa gasta?

e prosseguiu sem esperar resposta:

mais do que as contas normais,

o desgaste das paredes e

algumas telhas que vão caindo.

a sombra que persegue a minha voz

é a maior despesa desta casa.

 

o jovem ficou em silêncio

longe da sua própria sombra;

quem cala consente

ou está ausente na fraqueza

de simplesmente concordar.

 

não eram palavras

nem teses fundamentadas

que o velho esperava ouvir.

 

O lugar

solto-me na imensidão

que mergulha os meus olhos

 

sobreiros caminhando pelo tempo

rebanhos na azáfama do dia

campos dourados de trigo

dão luz a quem lhes dá vida

 

sei que aqui estou

quando os horizontes

se cruzam com a origem

 

todas as histórias têm um lugar

este é a liberdade

na grandeza do Alentejo

onde o olhar beija a saudade.

 

---------------------------------------------------------------------------

Sobre o 10 de Junho

Tenhamos consciência do que sempre fomos,

E que nunca mais se viva o que já foi vivido.

Se do cavaleiro brumoso esperarmos retorno,

Jamais o caminho em frente será cumprido.

De nuvens baixas vive a promessa do nevoeiro,

Lutemos por um céu limpo e azul, por inteiro.

 

 

---------------------------------------------------------------------------

 

As oliveiras e o tempo

As oliveiras falam através do tempo.

Não é por isso que as invejo;

é, sim, por terem passado

por tanto ou tão pouco,

sem nunca moverem raízes.

 

Escuto-as

sem pressa de abalar.

 

Ramos milenares sustentam

os mais atrevidos pássaros cantantes;

A mando de quem vieram

para me agoirar?

 

Nesse instante

o tempo faz-se.

 

Percebo que tudo é parte da melodia.

Os pássaros, as galinhas, os perus,

os cães, os porcos, os leitões, as ovelhas,

nós e tu.

 

Mar meu

Pouso o meu pé com a maior delicadeza do mundo e sou coberta pela areia mais fina que já estivera em contacto.

Fecho os olhos.

Inspiro.

Cheira a novo. Cheira a mar.

Abraço o cheiro e com todo o cuidado do mundo, vou abrindo os olhos. Eles sorriem secretamente. É o nosso segredo.

O meu coração que outrora batia furiosamente contra mim, começa a criar uma sinfonia com a minha respiração.

Sem perceber, a minha pele é cumprimentada por lágrimas ácidas que não sabia que existiam. Estou sozinha. Sempre estivera.

O que fazer no Alentejo?

Assistir ao brotar de um grão de trigo
e pela primeira vez pensar
na derradeira sorte
de ter pão e vida.

 

Imagem de casaredo .com

 

---------------------------------------------------------------------------

Ruas de Arraiolos estão cheias de poesia

Poemas e frases da autoria de Sérgio Godinho, The Legendary Tigerman, Valter Hugo Mãe, Ivo Canelas, Pedro Abrunhosa, Rita Redshoes, Afonso Cruz, Samuel Úria, Márcia, Katia Guerreiro, Joana Espadinha, José Eduardo Agualusa, entre outros nomes, deram cara ao projeto MANIFESTO e estão expostos nas ruas da pitoresca vila alentejana.

A iniciativa “Manifesto” vai prolongar-se até de 30 de setembro e é um projeto do “Departamento” -  criadores do Poster Mostra - e da “E-Panther”. 

O Grande Lago

Neste lago de infinitas polegadas

peço explicações a todas as minhas

reflexões.

 

Foi por escutá-lo que entendi

as suas ondas ténues falantes,

formadas de gota em gota,

tal como humanos se formam

de palavra em palavra:

 

— Somos um espelho;

reflectimos nos outros

o que reflectem em nós.

 

 

Liberdade

Se pudesses escolher

que cor darias à liberdade?

 

Tens a certeza?

Mesmo depois de te ensinarem que

vermelhos são os campos,

verdes são os lírios e

azul é a tempestade?

 

A tua liberdade

é do tamanho do livre-arbítrio

multiplicado pela vontade.

 

Nunca uma coisa tão real

foi tão infinita

e nunca o infinito

foi tão limitado

para se tornar essencial.

 

Anda, vem brindar connosco;

— quem é livre de festejar

toma a sua liberdade por gosto!

Páginas