Está aqui

Ministério Público

EMPRESA ESPANHOLA ARRASA 2 DEZENAS DE SÍTIOS ARQUEOLÓGICOS NO ALENTEJO

Já foi apresentada queixa no Ministério Público e à Direcção do Património Cultural para que a empresa de capitais espanhóis De Prado Portugal S.A. suspenda os trabalhos de preparação dos terrenos em Beja para plantio de amendoal. É que segundo a Direcção Regional de Cultura do Alentejo, as movimentações de terras feitas por esta empresa já destruíram cerca de "duas dezenas de sitíos arqueológicos que estão devidamente assinalados no PDM de Beja.

GOLPE DE ASA DO BANDO DE ESCROQUES

Sem que se vislumbre qualquer tipo de punição, de golpada em golpada, continuam a colocar os interesses do sector financeiro à frente dos interesses dos cidadãos. Assim, na última década, foram retirados dos bolsos dos contribuintes portugueses cerca de 20 mil milhões de euros para safar um bando de escroques que, impávido e sereno, continua a esvoaçar por aí sem medo.

CIGANOS AMEAÇADOS EM MOURA

Não é a primeira vez que o SOS Racismo denuncia ameaças à comunidade cigana de Moura, no Baixo Alentejo mas desta vez a sua intervenção parece ter ido mais longe com o Alto-Comissariado para as Migrações apresentar queixa ao Ministério Público por "indícios da prática do crime de discriminação racial em razão da etnia, previsto no artigo 240º do Código Penal".