Está aqui

Lídia Serra

O corpo caloso: a fonte de comunicação

O cérebro possui dois hemisférios (direito e esquerdo) que podem comunicar entre si através do corpo caloso. O corpo caloso é constituído por fibras, classificadas em diferentes tipos de radiações, que permitem a comunicação entre os lóbulos do córtex cerebral, onde assentam várias funções cerebrais (Shah et al., 2021; Fitsiori et al., 2011).

Lateralidade cerebral

A lateralidade cerebral verifica-se quando uma determinada função cerebral está preferencialmente num lado do nosso cérebro comparativamente ao outro. Para além disto, a manifestação dos comportamentos dos sujeitos revela igualmente a sua preferência pela utilização de uma parte do corpo.

Por exemplo, existem sujeitos que utilizam a mão direita (destros) para escrever enquanto outros utilizam a mão esquerda (esquerdinos, mais conhecidos como “canhotos”). Para além disto, na maioria das pessoas, o lado do cérebro que é dominante para a linguagem é o esquerdo (Habib, 2003).

Hemisférios cerebrais e a sua especialização

Os nossos hemisférios cerebrais, o direito e o esquerdo (figura 1), mostram características anatómico-estruturais diferentes, o que ajuda a compreender as especificidades funcionais de cada um.

A importância do jogo no desenvolvimento das crianças

A exploração e a interação com o meio ambiente podem ser facilitadas através do jogo.

O jogo permite receber um conjunto de sensações corporais e executar vários movimentos que facilitam o desenvolvimento das capacidades das crianças (e.g., cognitivas, físicas, emocionais ou sociais) e transformam o comportamento motor dos mais pequenos ao longo do seu ciclo de vida. Jogos simples de “faz de conta”, de simulação, de contacto físico, de exploração ao ar livre, com recurso a manipulação e exploração das propriedades de objetos, são promotores deste tipo de desenvolvimento.

O esquema corporal e o tónus muscular nas crianças

A formação do esquema corporal, a correta representação mental dos diferentes segmentos ou movimentos, permitem às crianças situarem-se no tempo e no espaço e entenderem a sua posição face aos objetos.

A utilização do corpo e a noção da posição e do movimento das suas diferentes partes, ajudam as crianças a assimilar informação acerca da localização superior-inferior, medial-lateral ou interno-externo.

Para elas, o seu corpo é a sua principal referência. Conhecer o estado do tónus muscular da criança é igualmente importante na exploração e execução dos movimentos.

O esquema corporal e o tónus muscular nas crianças

A formação do esquema corporal, a correta representação mental dos diferentes segmentos ou movimentos, permitem às crianças situarem-se no tempo e no espaço e entenderem a sua posição face aos objetos.

A utilização do corpo e a noção da posição e do movimento das suas diferentes partes, ajudam as crianças a assimilar informação acerca da localização superior-inferior, medial-lateral ou interno-externo.

Para elas, o seu corpo é a sua principal referência. Conhecer o estado do tónus muscular da criança é igualmente importante na exploração e execução dos movimentos.

Conquistas Neuropsicomotoras e a Qualidade de Vida das Crianças

Ao longo do seu desenvolvimento, as crianças atingem grandes conquistas neuropsicomotoras como, o controlo da cabeça para apreciarem o que existe à sua volta, o controlo das mãos que lhes permite pegar em objetos, a locomoção que possibilita a sua mobilidade pelo espaço envolvente, a posição bípede, o caminhar, o subir escadas onde, pouco a pouco, vão alternando os pés, o correr ou o saltar. Esta última fase, também é conhecida como a fase de voo, onde as crianças perdem o contacto com o solo e, através da qual, reforçam a sua autoconfiança.

Alterações no Processamento da Informação Sensorial

O tratamento das perturbações sensoriais tem vindo a ser alvo de um número cada vez maior de estudos científicos.

O desenvolvimento sensorial ocorre ao longo do tempo e a manipulação e processamento dos estímulos que se recebem, permitem a sua integração sensorial.

As normas de Denver e o desenvolvimento motor entre um mês e seis anos de idade

As normas de Denver permitem avaliar o desenvolvimento motor de crianças com idades entre um mês e seis anos.

Através do teste de Denver II é possível identificar os ganhos contínuos que a criança adquire ao nível das suas competências sociais/relacionais, linguagem e motricidade grossa e fina (Frankenburg et al., 1992). Deste modo, espera-se que aos quatro meses de idade a criança possa evidenciar controlo da sua cabeça.

A díade sensorial e motora e o uso da telereabilitação

Durante o desenvolvimento normal da criança torna-se imprescindível que a mesma explore o ambiente à sua volta, tocando e sentindo os objetos que encontra. A perceção sensorial tátil, permite à criança contactar diretamente com os vários estímulos que a rodeia, desencadeando sobre eles uma ação motora que, de acordo com o feedback que recebe, ajusta ao seu organismo e ambiente. Nas primeiras fases de vida do bebé após o nascimento, o seu comportamento é involuntário, ou seja, este reage sobre os estímulos do meio de forma automática e sem controlo voluntário do seu comportamento.

Páginas