Está aqui

João Fortes

Sim, é possível fazer mais por Mourão

Por variadíssimas vezes, tenho reiterado a importância da atração de investimento para o interior, nomeadamente para o meu concelho – Mourão, uma vez que considero que será este caminho o responsável pela criação de emprego, fixação e atração de pessoas para a nossa terra. No essencial, criar riqueza.

Para contextualizar esta matéria de captação de investimento, dou alguns exemplos de investimentos que têm sido feitos e que estão a ser feitos por todo o interior do país:

Primeiro Portugal

Em todos os Estados onde se vive a prática democrática o papel da oposição é reconhecido pela sua importância. Em Portugal,  o papel que cabe à oposição é feito, em parte, pela imprensa, uma vez que se torna nas suas diversas formas, o meio mais difundido pela qual a população toma conhecimento do panorama politico e respetivos desvios de conduta, apesar do teimoso facciosismo de esquerda na mesma.

Évora merece um pólo residencial universitário

Investir tudo nos filhos. Este é o sonho da generalidade dos pais, ou seja, proporcionar as condições necessárias para dar um curso superior aos seus pares. Contudo, olhando para os desafios de contexto atuais, suportar os gastos com a educação é um pesadelo, desde o berçário à universidade, o caminho é conturbado e espinhoso.

Investimento. Onde andas?

Para Portugal crescer como todos nós, cidadãos portugueses, queremos, é necessário investimento. E para termos crescimento é preciso confiança. Historicamente falando, basta pensar que Partido Socialista e boa fama na gestão das contas públicas não é coisa que combina, principalmente, por não existir o bom senso de precaver crises económicas ou choques externos.

E TUDO O ALQUEVA LEVOU

Vivo no Interior do país. Aquele mal-afamado Interior que teima em ser notícia, na grande maioria das vezes, pelas piores razões. Depois ouvimos de atores políticos, a todo o momento, discussões em torno deste tema, quer seja sobre as assimetrias a nível do desenvolvimento económico, quer seja sobre o índice de envelhecimento da população ou mesmo devido à escassez de emprego jovem. Mas resoluções? Até agora, manifestamente insuficientes.

ÉVORA: ESTE ENCONTRO EMPRESARIAL DISPENSA FATOS E GRAVATAS

A cidade de Évora recebeu ontem o seu primeiro Afterwork Meeting. Trata-se de um encontro de empresários, empreendedores e estudantes, depois de um dia de trabalho, para "beber um copo", trocar experiências e contatos, fazer novas amizades e rede.

(IR)RESPONSABILIDADE GOVERNATIVA E UM PAÍS A ARDER

Vai-se dizendo por aí, que o poder representa um afrodisíaco delirante, que quem com ele se cruza e convive, perpetua um sentimento incógnito de prepotência: sobre tudo, sobre o social, sobre talvez o mesmo individuo que o exerce. É claro que, tendencialmente, o rejubilado se torna exacerbado, pois com o poder vêm as promessas, e a capacidade de concretizar essas mesmas promessas, dilui-se com as circunstâncias de governação que enfrenta.

AS LIÇÕES DE MORAL DO GOVERNO

Não sou de todo alguém que se socorre da direção espiritual de uma entidade superior e omnipresente, no entanto, admito na condição de ateu, que os exemplos demonstrativos que encontramos na bíblia são um ótimo manual para o nosso dia-a-dia quotidiano.

A JUVENTUDE COMO OPORTUNIDADE E SOLUÇÃO

Nos dias que correm, os países europeus, e muito em particular Portugal, lidam com a inversão da pirâmide etária e o consequente envelhecimento da população, pelo que é necessário e preponderante que as organizações ajustem as suas politicas a esta realidade.

INTERIOR, MOBILIDADE SOCIAL E EDUCAÇÃO

Numa altura em que o tema da Educação tem sido uma constante na discussão em praça pública, maioritariamente pela dualidade das manifestações a que temos assistido em torno do apoio à escola pública ou contra os cortes nos contratos de associação, acredito, ultrapassando essa lógica de disputa, que a Educação é acima de tudo um processo de emancipação do indivíduo. Um processo, onde a aquisição de competências e habilidades sociais, tornarão esse mesmo individuo num cidadão com voz e responsabilidades, em concreto, no ambiente onde se insere.

Páginas