Está aqui

Interior

168 milhões de euros e a Barragem do Pisão será realidade em 2027

Depois de prometida e projetada por quatro vezes ao longo de quarenta anos, a Barragem do Pisão será realidade 2027 e após um investimento estimado de 168 milhões de euros.

O despacho conjunto publicado em Diário da República, identifica a barragem do Pisão como financeiramente viável, com uma Taxa Interna de Rentabilidade (TIR) de 4,9% de 20 anos de operação, um Valor Atualizado Líquido (VAL) para uma taxa de atualização de 4% de 14,7 milhões de euros e um tempo de amortização do investimento para uma taxa de atualização de 4% de 22 anos"

Gavião com 1,3 ME para incubadora de empresas não tecnológica

Em Gavião, a Câmara Municipal vai realizar um investimento de 1,3 milhões de euros para desenvolver e criar uma incubadora de empresas não tecnológicas.

As obras deverão ter início já em agosto – terá um prazo de construção de 540 dias - , uma vez que já terminou o concurso e as propostas estão já a ser analisadas, sendo a escolha revelada até final do corrente mês, aguardando depois luz verde do Tribunal de Contas.

Esta nova incubadora surgirá no logradouro do edifício do antigo seminário da vila e deverá estar concluída no início de 2021.

O lento e silencioso “desmantelamento” do Posto da GNR das Alcáçovas

Está a decorrer um lento e silencioso “desmantelamento” do Posto da GNR das Alcáçovas.

O Posto de GNR das Alcáçovas está a perder os seus efetivos e a sua capacidade de atuação. Está a decorrer um lento e silencioso “desmantelamento” do Posto da GNR das Alcáçovas.

Nisa garante transporte social e une as suas freguesias

Terá início amanhã, dia 7, o projeto da Câmara Municipal de Nisa e que garantirá o acesso aos transportes a toda a população.

Sob o nome de “Transporte Social”, os principais beneficiários serão os residentes nas freguesias rurais do concelho que verão assim melhoradas as acessibilidades entre as freguesias rurais e a sede do concelho.

A autarquia garante que este é um projeto pioneiro na área da mobilidade e transporte e garantirá uma alternativa válida e suplementar de transporte social aos munícipes das freguesias afastadas da sede de concelho.

Descentralização: um processo fundamental para o desenvolvimento do país

A Descentralização é um processo fundamental para o desenvolvimento do País. A Descentralização para as Autarquias é uma parte decisiva desse processo.

Acredito que permite a aproximação das decisões aos cidadãos. Acredito que permite uma maior promoção da coesão territorial, o reforço da solidariedade inter-regional. Acredito que permite ajudar a melhorar da qualidade dos serviços prestados às populações. Também acredito que permite aumentar a racionalização dos recursos disponíveis.

Gritos D’alma do interior

O PSD fez recentemente as suas Jornadas Parlamentares na Guarda com o tema “Afirmação e Valorização do Interior”. 

A opção do local (bem no interior de Portugal) e do tema referido foram uma opção política. O interior, os territórios de baixa densidade, as regiões de convergência merecem muito mais. Merecem um trabalho político aprofundado.

Encerramento dos CTT geram revolta pelo Alentejo

O encerramento de balcões dos Correios pelo Alentejo está a gerar alguma revolta nas populações.

Neste sentido, a Câmara Municipal de Viana do Alentejo vai prestar uma sessão de esclarecimento sobre o encerramento da Estação dos CTT de Viana do Alentejo, no próximo dia 5 de julho, pelas 21h30, no Salão Nobre da Junta de Freguesia de Viana do Alentejo, numa iniciativa promovida em parceria com o SNTCT – Sindicato Nacional dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações.

Interior do País vai ter um programa específico de fundos europeus

O Governo planeia criar um programa destinado exclusivamente aos territórios de baixa densidade populacional e vinculado à criação de emprego.

Pedro Siza Vieira, ministro adjunto, em declarações ao Jornal de Negócios avança que os territórios do interior e menos povoados deverão ter um programa exclusivo de fundos europeus. O assunto está a ser preparado pelo Ministério do Planeamento e das Infraestruturas (MPI) e pela Secretaria de Estado do Desenvolvimento e Coesão, e vai acontecer ainda dentro da reprogramação do Portugal 2020,

Alentejo: 10 anos representaram menos 161 escolas

A Direção-Geral de Estatísticas da Ciência e da Educação divulgou o relatório “A Região em Números” e que expressa que, o Alentejo, no espaço de 10 anos, perdeu 161 escolas.

Desde o ano letivo de 2006/07 e até 2015/2016, o Alentejo Central perdeu 44 estabelecimentos de ensino com os concelhos de Alandroal e o Redondo a serem os concelhos que mais escolas perderam.

No Alto Alentejo, foram 24 escolas a menos com Campo Maior a perder o maior número com 5 escolas a menos.

O Litoral alentejano perdeu 37 e o Baixo Alentejo foi quem mais perdeu: 56 escolas.

 

INTERIORIDADES

É comumente conhecido que, sempre que se aproximam as eleições autárquicas, as questões das interioridades assumem um lugar de destaque nos discursos mais acerbados.

A quantidade de pensamentos não estruturados, reflexos de ideologias operadas a partir do erro, tornam-se frequentes.

Páginas