Está aqui

Instituto Português do Mar e da Atmosfera

Alentejo vai passar dos 30º. Temos Verão

Segundo previsões do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), as temperaturas vão começar a subir, particularmente no Alentejo, cujas máximas poderão ultrapassar os 30º.

Apesar de ainda ser provável chuva para hoje e amanhã, o tempo de calor finalmente volta ao Alentejo, a partir de quarta-feira, com previsões de céu pouco nublado, sem precipitação e com uma subida da temperatura máxima.

 

Alentejo vai sentir calor esta semana

As temperaturas máximas no Alentejo podem chegar esta semana aos 25º, após um início de primavera chuvoso e frio. As previsões aponta para um aumento generalizado das temperaturas máximas no país, com Évora a atingir amanhã 24º, podendo vir a ultrapassar os 26º até sexta-feira que vem, com Beja a acompanhar esta tendência.

FAZ HOJE 49 ANOS QUE A CHUVA MATOU MAIS DE 500 PESSOAS NO PAÍS

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) lembra hoje que foi na noite de 25 e madrugada de 26 de novembro de 1967, há 49 anos, que uma grande tempestade abateu-se sobre o país, matando mais de 500 pessoas e desalojando quase 900, destruindo pontes, estradas e muitos edifícios, sobretudo na região de Lisboa.

CHUVA FORTE COLOCA ALENTEJO EM ALERTA AMARELO

Tardou, mas aí está a chuva e a baixa de temperaturas.

Este fim de semana o estado do tempo vai agravar-se em todo Portugal continental com previsões de aguaceiros intensos, vento forte, forte agitação do mar e até possível queda de neve nas terras altas.

Os distritos de Portalegre, Évora e Beja estão sob aviso amarelo do Instituto Português do Mar e da Atmosfera – IPMA quanto à precipitação, pois esperam-se vários períodos de chuva forte.

TEMPERATURAS CAEM NO ALENTEJO. AGORA É QUE VAI FICAR FRIO

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) prevê que nos próximos dias, particularmente no fim-de-semana de 5 e 6 de novembro, as temperaturas mínimas venham a descer significativamente (entre 4 e 8ºC). 

A partir de dia 4 prevê-se ainda a ocorrência de precipitação em todo o território. É fruta da época.

Mas não se deixe impressionar com as descidas. Não há nenhum alerta para condições extremas no Continente.

Imagem de capa de mundoconectado.net

BEJA, ÉVORA E PORTALEGRE SOB SOL TÓRRIDO

O alerta do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) estende-se a mais distritos do país mas tem especial incidência no Alentejo onde, desde ontem, as temperaturas máximas estão a tocar os 40.º.

ALENTEJO COM ALERTA. VEM AÍ BORRASCA

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera lançou um alerta para o Alentejo que aponta para condições climatéricas adversas tais como períodos de chuva ou aguaceiros por vezes fortes e acompanhados de trovoada e possibilidade de ocorrência de fenómenos extremos de vento, particularmente em Beja, Évora e Portalegre.

CHUVA VAI CAIR FORTE NO ALENTEJO CENTRAL

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera lançou um alerta amarelo para as próximas horas.

VEM AÍ CALOR. É FUGIR PARA A BORDA D'ÁGUA

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) colocou em alerta amarelo os distritos de Évora, Portalegre, Beja e Setúbal.

Segundo a previsão do IPMA, as temperaturas poderão atingir os 38º.

Juntamente com as altas temperaturas virá o risco "muito alto" de exposição aos raios UV, sendo aconselhado aos grupos mais vulneráveis (crianças e idosos) roupas frescas, reduzida exposição solar e a ingestão de muitos líquidos.

O risco de incêndio será também muito elevado.

ALERTA AMARELO

Há três distritos no país que estão sob alerta amarelo a propósito de temperaturas altas e adivinhe quais são. Bruxo. Falamos de Beja, Portalegre e Évora.

Segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), para estes três distritos prevê-se a persistência de valores elevados da temperatura máxima, podendo ser atingidos os 35ºC.

E o calor não nos vai dar descanso pelo menos até quinta-feira, onde se prevê um dia ligeiramente mais fresco. Mas será "sol de pouca dura" porque no fim-de-semana adivinha-se que as temperaturas voltem a atingir novas máximas.

Páginas