Está aqui

INE

O Alentejo continua a perder população

O Alentejo continua a perder população. Se já desconfiava desta situação, as estatísticas demográficas do Instituto Nacional de Estatística (INE), e que foram divulgadas ontem, sexta-feira, vêm confirmar a suas suspeitas.

O Alentejo é mesmo a região portuguesa que maior perda de população sofreu em 2018, só a Área Metropolitana de Lisboa viu a sua população aumentar ligeiramente.

A nível nacional, o país segue a tendência de decréscimo dos últimos oito anos e tem menos 14 mil do que em 2017, um total de 10.276.617.

 

Imagem de stavgorod.ru

Os alentejanos morrem mais cedo

Um estudo do Instituto Nacional de Estatística (INE) e que revela que os alentejanos vivem menos que os habitantes das outras regiões.

Estes dados sobre a esperança média de vida em Portugal revelam que a região do Cávado, com destaque para Braga, é a região com maior longevidade, estando o Baixo Alentejo no polo oposto, a para das ilhas, as áreas onde os indicadores de esperança de vida, à nascença, é mais baixa.

A diferença da esperança média de vida de Braga para o Baixo Alentejo, como por exemplo nos concelhos de Mértola ou Aljustrel, é de 3,05 anos.

Alentejo vê Turismo crescer outra vez

O número de dormidas no Alentejo continua a crescer. Em julho, o aumento foi de 3,3% a julho de 2018, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística (INE).

O Alentejo seguiu assim a tendência de crescimento e aumento das dormidas em todas as regiões do país, exceção feita da Madeira.

Só este ano, o Alentejo aumentou o número de dormidas 9,5% e o Alentejo concentrou ainda 24,3% do turismo em espaço rural e de habitação.

 

Imagem de herancasdoalentejo.net

Há mais edifícios reabilitados em todo o país, menos no Alentejo

De acordo, com nota estatística divulgada pelo Instituto Nacional de Estatística, esta sexta-feira, neste 2.º trimestre de 2019, foram concluídas as obras de mais 19,4% de edifícios – entre construções novas, ampliações, alterações e reconstruções - face ao 2.º trimestre de 2018. Face ao primeiro trimestre deste ano, o aumento foi de 23,1%, tendo ficado concluídos cerca de 3,9 mil edifícios, a grande maioria para habitação familiar.

Apesar deste aumento, nota-se já uma tendência para uma queda em breve, dado a diminuição do número de licenciamentos pedidos.

Dormidas turísticas sobem 25,7% no Alentejo

Segundo o Instituto Nacional de Estatística, INE, o número de dormidas nos alojamentos turísticos em abril no Alentejo subiu 25,7%, quando comparado com o período homólogo.

Já os proveitos totais cresceram 27,5% e os de aposento 32% o que colocou o Alentejo como a região conheceu a maior variação homóloga dos proveitos, no país, como adianta hoje a Rádio Pax.

Em Abril passado, o rendimento médio por quarto disponível nos estabelecimentos de alojamento turístico aumentou 23% no Alentejo, comparativamente a Abril de 2018.

Quebra superior a 20% na produção de azeitona vai afetar Alentejo

Em matéria de produção de azeitona era previsível que este ano ficasse aquém do ano anterior, já que 2018 foi o ano recordista na produção nacional, com 134 mil toneladas de azeitona. 2019 é o chamado ano de "contrassafra", que vai atingir inevitavelmente o Alentejo, região que produz cerca de 80% da azeitona portuguesa. As previsões de quebra na casa dos 20% já haviam sido antecipadas pelo INE em fevereiro.

Casas no Alentejo têm a maior subida do país na avaliação da banca

Segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE) a avaliação bancária voltou a aumentar em janeiro, revelou, tendo atingido os 1.226 euros por metro quadrado, o que representa o valor mais elevado desde o quarto trimestre de 2007, quando ascendia a 1.230 euros por metro quadrado, como avança o Jornal de Negócios.

Ainda segundo o INE a avaliação bancária está a aumentar há 22 meses e o valor atual representa um máximo desde o final de 2007, ou seja, de 11 anos.

Turismo em Grândola fecha ano com mais de 350 mil dormidas

Grândola lidera os municípios do litoral alentejano com o maior número de dormidas turísticas em 2018 e segundo os dados do Instituto Nacional de Estatística - INE lidera também todos os municípios do Alentejo, com uma estada média do turista – 2,7 noites, superior à estada média do Alentejo (1,8) e de Portugal Continental (2,5).

O concelho de Grândola registou por exemplo, através dos estabelecimentos de alojamento turístico o maior número de dormidas, hóspedes e proveitos da NUT III - Litoral Alentejano, apresentando ainda um crescimento consistente relativamente a 2016.

O Alentejo cresceu

A seguir a tendência nacional, segundo estimativas reveladas pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) relativamente a 2017, o Alentejo cresceu acima da média nacional no que ao PIB- Produto Interno Bruto.

Com uma subida de 3,2%, o INE revela que, no Alentejo, este crescimento “foi influenciado pelo desempenho da indústria e energia, em especial pelo ramo da indústria de fabricação de coque e de produtos petrolíferos, atividade com especial importância nesta região”.

Investimento. Onde andas?

Para Portugal crescer como todos nós, cidadãos portugueses, queremos, é necessário investimento. E para termos crescimento é preciso confiança. Historicamente falando, basta pensar que Partido Socialista e boa fama na gestão das contas públicas não é coisa que combina, principalmente, por não existir o bom senso de precaver crises económicas ou choques externos.

Páginas