Está aqui

Greve

O que aprendemos com esta greve?

O que aprendemos com a greve dos motoristas? Que, conforme as condições, o sindicato dos motoristas de mercadorias e o dos motoristas de matérias perigosas não são tão unidos assim. 

Qual foi o verdadeiro objectivo desta greve? Destabilizar o governo ou reivindicar acções que não estava previsto na greve de Abril?

Descobrimos, também, que o senhor Pardal está a ser investigado por burla. Nada que faça perder personalidade nesta greve. Por mim, não o torna duvidoso nesta luta. 

Greves no Porto de Sines põem em causa investimento de 547 milhões

A concessionária do porto de Sines, a PSA, empresa estatal de Singapura, está a reagir mal às várias greves marcadas pelos estivadores desde o início do ano e ameaça rasgar o contrato de investimento assinado com o Estado para expandir o terminal de contentores, no valor de 547 milhões de euros.

A notícia é avançada hoje pelo Jornal Económico que refere o alerta da concessionária para quebras acima de 25% nas mercadorias movimentadas e perdas de nove milhões de euros, em resultado das consecutivas greves dos estivadores.

O sindicato bom e o sindicato mau

Este governo foi pródigo em deixar-nos novos conceitos em democracia. Mas talvez o mais pernicioso de todos seja este com que nos brinda no final: a ideia de que os sindicatos são bons se, nas mãos da UGT ou da CGTP, puderem ser instrumentalizados para atacar um governo hostil, mas passam a ser maus se, independentes, decidirem atacar-nos no momento em que mais nos dói. Foi um modelo de argumentação tentado com os enfermeiros, mas agora verdadeiramente executado com os motoristas de matérias perigosas.

GNR está a fazer transporte de combustível em Lisboa, Alentejo e Algarve

Na sequência da Situação de Alerta declarada pelo Ministro da Administração Interna foram realizados ontem, dia 12 de agosto, pela Guarda Nacional Republicana, transportes de combustível em 13 veículos pesados de transporte de mercadorias perigosas com destino às regiões de Lisboa, Setúbal, Beja e Algarve, envolvendo um total de 26 militares da GNR.

Má gestão ou má-fé?

Tem hoje início mais uma greve dos motoristas de mercadorias pesadas.

Uma greve que tem estado na ordem do dia mais pelos protagonistas dos dois sindicatos que continuam a recusar negociar do que propriamente pelas reivindicações reais dos motoristas.

Temos na origem destas greves um Sindicato criado por um advogado um mês antes de convocar a greve de Abril.

Um advogado que continua a mandar no Sindicato mas que, por razões deontológicas não pode ser seu Presidente.

Governo declara Situação de Alerta nacional

Está declarada a Situação de Alerta nacional  até às 23h59 do dia 21 de agosto de 2019, em todo o território de Portugal continental. A declaração foi emitida pelo Ministro da Administração Interna e decorre da situação de Crise Energética decidida pela Resolução de Conselho de Ministros nº 134-A/2019, face à suscetibilidade de serem afetados bens e serviços essenciais à população.

Alentejo: nestes postos não faltará combustível

Quase a ter início a tão falada greve dos camionistas e sem uma solução à vista, há postos no Alentejo onde não faltará combustível.

Estes postos são da Rede Estratégica de Postos de Abastecimento (REPA). No total do nacional são 325 postos, mais 16 que o decretado na greve anterior. Há 56 postos só para viaturas prioritárias.

Estes são dados da Entidade Nacional para o Setor Energético (ENSE) e que prevê para o Alentejo 27 postos de abastecimento: 22 para veículos em geral e 5 para veículos prioritários - dois postos nos distritos de Beja e Évora e um em Portalegre.

Pode o exercício do Direito à Greve levar um país à falência? 

Por Jorge Pais, Presidente da Associação Empresarial de Portalegre

 

Todos esperamos que não seja o caso, porque a mal ou a bem, acreditamos que o bom senso acabará por imperar e a anunciada greve dos motoristas, a fazer-se, não se prolongará por «tempo ilimitado». Mas, pode! E se assim fosse, uma greve de meses, deixaria realmente o país à beira da falência, obrigando de novo o «bom povo» do costume a apertar o cinto, talvez para níveis nunca vistos... 

Porto de Sines vai paralisar em 3 dias de greve

O Sindicato XXI,  Associação Sindical dos Trabalhadores Administrativos, Técnicos e Operadores dos Terminais de carga Contentorizadas do Porto de Sines, declarou greve na PSA Sines e Laborsines, numa paragem que arranca à meia-noite do dia 2 de Maio até 23:59 horas do dia 4, "com total paralisação das operações", anunciou o sindicato na sua página oficial.

A Revista Cargo avança ao mesmo tempo que o Sindicato XXI declarou também greve ao trabalho suplementar.

Operadores do call center da Fidelidade em Évora suspendem greve

A greve convocada amanhã, 2 de janeiro, pelo Sindicato Nacional dos Profissionais de Seguros e Afins aos operadores do call center da Fidelidade em Évora, foi desconvocada e substituída por um plenário de trabalhadores. 

Páginas