Está aqui

Festas do Povo de Campo Maior

Festas do Povo de Campo Maior são Património da Humanidade

As Festas do Povo de Campo Maior, no distrito de Portalegre, foram hoje classificadas como Património Cultural Imaterial da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).

Festas de Campo Maior apreciadas para Património Imaterial

O comité da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) começa hoje, segunda-feira, a apreciar a candidatura das Festas do Povo de Campo Maior a Património Cultural Imaterial, avança o Correio da Manhã.

O processo de candidatura teve o seu início em 2014 por uma equipa multidisciplinar de sociólogos, historiadores e antropólogos, sendo promovido pela Câmara Municipal de Campo Maior, pela Associação das Festas do Povo de Campo Maior (AFPCM) e pela Entidade Regional de Turismo (ERT) do Alentejo e Ribatejo.

Campo Maior: Festas do Povo podem ser Património Mundial já em dezembro

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) aceitou a candidatura das Festas do Povo de Campo Maior a Património Cultural Imaterial, que será analisada no decorrer da 16.ª sessão do Comité do Património Mundial, a realizar entre 13 e 18 de dezembro, em Colombo, Sri Lanka.

Festas do Povo de Campo Maior oficialmente candidatas a Património da Humanidade

Já está entregue o dossier de candidatura das Festas do Povo de Campo Maior a Património Cultural Imaterial da Humanidade. A candidatura foi ontem entregue na UNESCO em Paris, pela mão de António Ceia da Silva, o presidente da região de turismo do Alentejo.

Em Campo Maior todos querem ver as “Festas do Povo” reconhecidas pela UNESCO como Património Cultural Imaterial da Humanidade, e já em 2019.

Festas do Povo de Campo Maior podem ser classificadas pela UNESCO

As Festas do Povo de Campo Maior passaram a estar inscritas no Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial. A Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) justificou a decisão favorável alegando um dos fundamentos foi a importância de que se reveste esta manifestação do património cultural imaterial, enquanto “reflexo da identidade” da comunidade em que a tradição se originou e se pratica.