Está aqui

Exportação

Canábis cultivada em Odemira exportada pela primeira vez para os EUA

A multinacional Clever Leaves, com sede nos Estados Unidos, anunciou a exportação do primeiro lote comercial de flor seca de canábis produzida em São Teotónio, no concelho de Odemira, para o mercado dos EUA.

Segundo o Jornal de Negócios, a empresa indica em comunicado que o lote de 30 quilos se destina à Biopharmaceutical Research Company (BRC).

Note-se que a Clever Leaves se instalou em Portugal em 2019 e, em agosto do ano passado, recebeu uma licença que permite o cultivo, importação e exportação de flor seca de canábis medicinal por parte do Infarmed.

Brasil interessado em Sines como porta de entrada na Europa

O embaixador brasileiro em Lisboa, Carlos Alberto Simas Magalhães, divulgou que o Brasil quer reforçar as relações económicas com Portugal, referindo Sines como a porta de entrada “da produção brasileira na Europa”.

300 toneladas de Azeite de Serpa rumam aos EUA

São 300 toneladas de azeite alentejano que, nos próximos anos, vão chegar à mesa dos norte-americanos.

A Herdade Maria da Guarda – responsável por cerca de 2% da produção nacional de azeite – realizou um acordo com o produtor norte-americano “California Olive Ranch” para a exportação de azeite alentejano de Serpa, para as terras do “Uncle Sam”, como avança o Jornal Económico.

Portugal é país do mundo onde a percentagem de azeite de qualidade é a mais elevada, sendo que perto de 75% da produção nacional é considerada como azeite de qualidade de topo.

UVAS ALENTEJANAS CHEGAM AO BRASIL

A Herdade Vale da Rosa, no concelho de Ferreira do Alentejo – que produz anualmente cerca de 6.000 toneladas de uvas de mesa - vai iniciar em breve a exportação das suas uvas de mesa para o mercado brasileiro - aumentando ainda mais a sua cota de exportação que já é de 35%.

Liderada pelo Comendador António Silvestre Ferreira, esta sociedade agrícola inicia assim nova aventura em mercados externos - após o mercado europeu, Angola e China – uma vez que estão desbloqueados os obstáculos fito-sanitários que impediam a sua entrada no maior mercado da América do Sul, o brasileiro.