Está aqui

Donald Trump

Best Friends Forever, o fim “Ato 24”

Esta semana assistimos a um corrupio de cimeiras mundiais multilaterais e bilaterais que se podem entender como respostas e contrarrespostas umas às outras. A cimeira multilateral da NATO (ou cimeira bilateral Trump/Nato) e as cimeiras bilaterais Trump/Putin que teve as respostas condizentes nas cimeiras promovidas pela União Europeia, primeiro com a China e depois com o Japão.

TRUMP – Da incredulidade ao pessimismo

Não gosto de Donald Trump. Nunca me identifiquei com a sua forma de estar e com o estilo que cultivou, muito antes da sua entrada na vida política.

Quando se tornou candidato republicano à Presidência dos Estados Unidos, fiquei surpreendido, pensando que se tratava de mais um episódio caricato, semelhante ao exemplo vindo do Brasil, quando o célebre humorista Tiririca se propôs a ser deputado federal por São Paulo em 2010. Ou seja, não era para levar a sério. Ou, para engano meu, talvez fosse.

Os extremismos podem esperar, a vida humana não

A referência a Trump começa a ser uma constante nas notícias e nos espaços de análise política.

Desta feita uma das maiores, senão a maior violação de Direitos Humanos protagonizada pelos Estados Unidos.

Escudado numa lei Trump permitiu que crianças refugiadas ficassem em jaulas afastadas das suas famílias.

Famílias que antes de chegarem aos Estados Unidos passaram pelo inferno da guerra, dos bombardeamentos, das travessias para fugir e garantir a segurança e sobrevivência dos seus filhos.

A semana de Trump

Esta será sem dúvida uma das mais marcantes semanas para Donald Trump.

Já começou com a reunião do G7 que fica marcada pela pressão dos restantes membros ao Presidente dos Estados Unidos na questão das taxas comerciais.

Desde o  Canadá, um dos países mais tolerantes do Mundo até à toda poderosa Alemanha, todos concordam na necessidade da urgente revisão de uma das mais recentes medidas de Trump: o aumento exponencial das taxas comerciais.

TRUMP, O INCENDIÁRIO

Ao anunciar o reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel Trump acendeu mais um rastilho de pólvora no Médio Oriente.

É uma decisão que para além de comprometer os esforços de paz e de afrontar o povo palestiniano, viola as resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas sobre o não reconhecimento da ocupação de Jerusalém oriental.

Mas é apenas mais um episódio de uma presidência desequilibrada, populista e, sobretudo, perigosa.

TRUMP INTERESSADO EM SINES COMO PORTA DE ENTRADA PARA A EUROPA

A administração de Donald Trump está interessada em Portugal como porta de entrada para a Europa e já fez saber que pretende encontros entre a ministra do Mar e potenciais investidores na área do gás natural, nos Estados Unidos.

FELIZMENTE HÁ LUAR!

Nas últimas semanas temos assistido, através da imprensa, à terrificante e pouco edificante escalada verbal entre EUA e a Coreia do Norte. Donald Trump ameaça com uma chuva de fogo e fúria como nunca antes vista, Kim Jong-Un promete um mar de chamas em Seul e um ataque nuclear na ilha de Guam.

COLHER O QUE SE SEMEOU

Gostaria de poder dizer que o que sucedeu em Charlottesville foi uma total surpresa mas, infelizmente, tal é impossível.

É impossível não esperar este tipo de actos provindos de grupos de extrema direita após termos assistido a toda a argumentação e a todo o discurso de ódio da campanha de Donald Trump.

Surpreendente é ver o discurso de Donald Trump a criticar os assassinos e responsáveis pelo atentado de Charlottesville depois de ter andado meses e meses a incentivar ao ódio contra todos os que não eram americanos.

DESACORDO CLIMÁTICO

São inúmeros os modos insidiosos de manifestação de arrogância sobre a problemática das alterações climáticas. O mais recente prende-se com a decisão anunciada por Donald Trump que visa a saída dos Estados Unidos do Acordo de Paris.

Todavia, a retirada dos EUA do Acordo de Paris pode marcar uma nova era na agenda ambiental do planeta, a meu ver bem mais promissora.

UM HOMEM NÃO FAZ UM IMPÉRIO

Quem não se lembra de ouvir a retórica de Donald Trump durante a campanha eleitoral, quer para a nomeação quer para a presidência, e mesmo até durante os primeiros meses na Casa Branca?

Páginas