Está aqui

Desemprego

Desemprego diminui 18% no Alentejo

No final de setembro estavam inscritos nos Centros de Emprego do Alentejo 14 876 desempregados, menos 3 276 indivíduos do que em setembro do ano passado. Os dados do Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) indicam que o desemprego caiu, assim, 18% face a período homólogo.

Ainda de acordo com os mesmos dados, citados pela Rádio Pax, o Algarve e o Alentejo foram as regiões onde se registou a maior quebra do desemprego.

Desemprego em queda no Alentejo

Os números colocam o Alentejo como a segunda região nacional com maior queda, face ao mesmo período de 2020, segundo dados do  Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP), relativos a junho, e que apresentam uma diminuição do número de desempregados inscritos nos centros de emprego alentejanos.

A diferença é de 15,3% comparativamente ao período homólogo e de 5,5% face a maio deste ano, sendo agora 15 536 os inscritos nos centros de emprego do Alentejo.

Desemprego aumenta em 2020 em todo o país exceto no Alentejo

Em 2020, a taxa de desemprego aumentou na maioria das regiões da União Europeia (UE) e também em Portugal, com exceção para o Alentejo e Açores, segundo dados divulgados esta quarta-feira pelo Eurostat.

De acordo com a Lusa, o gabinete estatístico europeu refere que o desemprego aumentou em Portugal de 6,5% em 2019 para 6,9% em 2020, mantendo-se abaixo da média da União Europeia (UE 7,1%, face aos 6,7% de 2019).

Não tenho emprego! E agora?

A melancolia dos dias, provocada pela ausência de contacto com familiares e amigos, com o corte repentino com a rotina, ou com a excessiva pacatez das cidades vazias e cinzentas representa um impensável desafio prestes a celebrar o seu primeiro aniversário. Do ponto de vista psicológico, vivenciar um período de pandemia pode ser uma enorme provação, que alguns conseguem encarar como a forma de acertar contas com a biblioteca lá de casa ou desenvolver o projeto de bricolage pendente há algum tempo.

Moura e Barrancos deverão terminar o ano com desemprego superior a 20%

Moura e Barrancos são dois dos concelhos do Alentejo, que segundo um estudo publicado pela Universidade Nova de Lisboa, deverão encerrar o ano de 2020 com uma taxa de desemprego superior a 20 por cento, adianta a Rádio Pax.

De acordo com o estudo, o agravamento do desemprego (ainda sem reflexo do fim do “lay-off” simplificado nas empresas) surge diretamente associado à pandemia de covid-19.

Insolvência de Centro Comunitário em Portalegre arrasta 30 pessoas para o desemprego

O Centro Social e Comunitário de São Bartolomeu, em Portalegre, entrou em insolvência, arrastando cerca de 30 trabalhadores para o desemprego, revelou a Associação de Pais e Amigos da instituição.

Em declarações à Lusa, Ana Salomé de Jesus, presidente da Associação de Pais e Amigos do Centro Social e Comunitário de São Bartolomeu (APASBart), lamenta a situação, considerando que foi provocada por “desleixo”, pela forma como a instituição foi gerida ao longo dos últimos tempos. “A direção deveria ter estado mais presente e nunca esteve”, acrescentou.

Taxa de desemprego dispara 22,1% em abril

Segundo dados do Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP), o número de desempregados em abril aumentou 22,1% em abril, em comparação com o mesmo período do ano passado.

No mês de abril o IEFP tinha registo de 392.323 desempregados neste período, uma subida de 14,1% em relação a março, com destaque para a região do Algarve, com mais 123,9% de desempregados, para o período homólogo de 2019.

Moura: fecha fábrica de painéis solares e deixa 105 no desemprego

Em Moura, o fecho de uma fábrica de painéis solares deixa 105 desempregados.

A fábrica MFS - Moura Fábrica Solar, da empresa espanhola ACCIONA – após um investimento de 10 milhões de euros - era o maior empregador privado do concelho e fecha por, segundo fonte da empresa, já não ter viabilidade económica devido ao abandono do parceiro chinês que decidiu transferir a sua produção para fábricas na Ásia após a decisão da União Europeia em eliminar as tarifas sobre a importação de painéis da China.

INSCRITOS NOS CENTROS DE EMPREGO DO ALENTEJO EM QUEDA

O número de desempregados inscritos em Novembro passado no Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) voltou a manter-se abaixo dos 500 000 pelo quinto mês consecutivo, sendo que e quando comparado com o perí0do homólogo representa uma quebra de 11,6%, ou seja, menos 63.816 pessoas inscritas.

DESEMPREGO AUMENTA NO ALENTEJO

No final do mês de maio de 2016, estavam inscritos nos Centros de Emprego 534.958 indivíduos, o que corresponde a uma variação homóloga de -3,4% (menos 19.112 desempregados) e a uma variação mensal de -5,0% (menos 27.976 indivíduos).

Segundo a dimensão regional, sobressaem os valores homólogos da região do Algarve e dos Açores que registaram uma diminuição no desemprego de 15,5% e de 7,3% respetivamente, enquanto o Alentejo registou um aumento de 6,5%.

Páginas