Está aqui

Crónica Literária

Vestimenta

Hoje de manhã, a criança quando se levantou tinha já a roupa separada pela mãe e de parte para vestir. Eram 6 da manhã, mas era o horário do costume que tinha para se levantar, tomar banho e apanhar a carrinha para ir para outro lugar.

Campos de arroz

Escondidos no meio da imensidão que era aquele país, os campos de arroz fecundavam dia após dia. Rodeados de montanhas, descansavam num terreno plano, divididos em parcelas que cada família cuidava. Homens e mulheres passavam os dias com os pés enfiados nas águas que alimentavam os pés de arroz, picados incessantemente por mosquitos de estirpes várias. Umas vezes traziam consigo malária, outras sugavam apenas algumas gotas de sangue. Quase todos tinham já experimentado uma ou outra situação.

A morte

Todos os momentos são propícios a reflexão, sejam eles mais alegres ou mais tristes, mais gratificantes ou mais dolorosos. Ontem, dia 20, só num dia, quatro pessoas amigas e conhecidas, do meu círculo pessoal, partiram para o descanso eterno, como todos nós gostamos de pensar. Imaginar aqueles que mais amamos num lugar belo, conforta-nos e alivia a nossa dor. Alivia, porque essa dor, creio, nunca nos abandona.

A planta

No dia em que foi à grande superfície, que poderá ter sido qualquer uma, a mulher de cabelo encaracolado sabia que havia alguma coisa que teria de forçosamente trazer consigo para casa.

Linda de Suza, ou a nossa mala de cartão

Começa o ano de 2023. 2022 foi, à semelhança de muitos outros anos que o antecederam, e muitos outros que o seguirão, um ano repleto de acontecimentos bons e maus. Talvez mais maus que bons, neste especificamente.

2023 começará cheio de esperança, de boas novas, de desejos de prosperidade e felicidade. Aquilo que todos nós desejamos e que, lá para meio do ano, percebemos que as coisas não vão ser bem assim.

Nenhuma das opções está correta

O tempo passa e nós passamos pelo tempo. Tantas vezes o tempo passa por nós e não sabemos bem como entender se é ele a adiantar-se, se o atraso é nosso, se as coisas são assim ou diferentes na vida de cada um. O tempo baralha-nos. Na vida, nos serviços públicos, nos transportes, em todo o lado. Até parece que nos regemos por aquela famosa frase dos testes de escolha múltipla, em que nenhuma das opções está correta…

Lugares vagos

Hoje, ao percorrer uma curta distância de comboio, houve algo na viagem que me começou a atormentar e a preencher o pensamento. A maioria dos lugares no comboio, naquele percurso que estava a fazer estavam vagos.

A viagem não ocorreu durante a pandemia, claramente. Aí tudo estava vago. Quase toda a gente mudou os seus hábitos, ficando em casa, trabalhando a partir daí, fosse essa decisão por obrigação ou por decisão consciente de saúde.

A profecia das três bolotas

No ano longínquo de 2198, após anos e anos de guerras nucleares e devastações naturais, cansadas por tudo o que é menos natural e menos humano. Foram anos seguidos de devastação. Portugal tinha deixado de existir e de ser conhecido como tal. Nas grandes cidades restavam escombros e cinza. Não crescia nada nelas. Além do castanho e do cinzento, nada mais havia.

Ninguém se lembrava das cores do mundo, das cores da natureza. Ninguém existia para se lembrar das cores, ou na vida em si.

A torre da igreja

Caiu a torre da igreja! Caiu a torre da igreja e é mau presságio! Caiu a torre da igreja e nesta terra ninguém mais se vai levantar, ninguém mais vai acompanhar as horas e o cronometrar dos tempos. Gritava a mulher idosa em frente aos escombros daquela igreja com duas torres. Assustada, vestida de negro pelos pesos e as mortes todas que tinha já carregado na sua vida. O luto acompanhava-a já há pelo menos mais de um quarto de século.

Almas desalinhadas

Uma caiu, e a seguinte ameaça percorrer o mesmo caminho.

Há nuvens com formatos por desvendar que cobrem a minha cabeça, há um sentimento novo que me agarra e promete ficar até aos finais dos meus dias.

A cor azul prende-me para que nunca mais seja largada contra o vento. Sorrio pela solidão ser tão colorida.

Uma dor está deitada sob o meu corpo e forma um novo corpo que se junta ao meu. Uma vontade. Um desejo. Foi prometida a eternidade e não há rasto.

Páginas