Está aqui

Consumo

Água: Évora é quem mais gasta

Cada consumidor português gasta em média 187 litros de água por dia, representando o consumo doméstico 124 litros.

Entende-se por água consumida não só a que chega às torneiras das habitações, mas também os gastos no comércio, na indústria e na agricultura e segundo dados da Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos (ERSAR), em 2016, Lisboa tinha a média mais elevada, com 281 litros, mas era Évora quem tinha a maior capitação doméstica pertence a Évora com 175 litros por habitante por dia.

OS EXCESSOS DOS JOVENS ALENTEJANOS

Segundo um inquérito feito a jovens de 18 anos participantes no dia da defesa nacional, o Alentejo é a região do país onde se verifica maior consumo de substâncias aditivas, enquanto a Madeira é a zona com menor consumo. A nível regional, o estudo destaca que existe maior consumo de álcool e tabaco no Alentejo, de drogas ilícitas no Algarve e tranquilizantes/sedativos sem prescrição médica nos Açores, quer no que respeita à experimentação, ao consumo recente e ao consumo atual. A Madeira é a região com menor prevalência de consumo diário de álcool, os Açores de tabaco, o Alentejo de cannabis e o Algarve de tranquilizantes.

O CRÉDITO A QUEM O CONCEDE

Na semana passada chegou ao fim o julgamento dos suspeitos de burla a um Banco na compra fraudulenta de casas. Ficou provado que a dona de uma imobiliária angariou um casal de indivíduos (toxicodependentes) que sem a menor capacidade financeira, apresentaram um pedido de financiamento para a aquisição de casa. Cederam os documentos de identificação e assinaram o que foi preciso. Obviamente que estas pessoas nunca pagaram uma prestação da “sua” casa e o banco foi forçado a vendê-la por um valor muito inferior para o qual havia concedido o crédito. Isto não é surpresa nenhuma, certo?

TERÁ SALVAÇÃO O COMÉRCIO TRADICIONAL?

O tema é recorrente e divide os que acham que o comércio tradicional pura e simplesmente não tem salvação e os que defendem que salvar o comércio tradicional é salvar a genuinidade e identidade das comunidades.

Consumidor ou Consumista!

Com o Natal à porta, começamos a pensar nas prendas para oferecer, pensamos também nos menus para a noite da Consoada, pensamos em tudo aquilo que temos de comprar, o que na realidade está fora do espirito natalício. Deveríamos pensar na família, em solidariedade, amor, fraternidade e tudo aquilo que o Natal deveria simbolizar e simboliza cada vez menos.