Está aqui

CDS

Partidos Políticos amanhã em Évora para debate sobre a Europa

Amanhã, sexta-feira, 22 de março, os dirigentes políticos Carlos Zorrinho (PS), Pedro Mota Soares (CDS), Marinho e Pinto (PDR), Alma Rivera (CDU) e José Gusmão (BE) deslocam-se a Évora para participarem num debate sobre a Europa. A iniciativa, que decorre às 15h30 no Auditório Nobtre da Universidade de Évora, é promovida pelo Centro de Informação Europe Direct Alentejo Central e Litoral, em parceria com o Centro de Documentação Europeia da Universidade de Évora, e pretende ser um "Diálogo com os Cidadãos sobre as Eleições para o Parlamento Europeu", que vão acontecer em maio deste ano.

Um teste disfarçado de censura

Há poucos dias CDS apresentou uma moção de censura ao Governo. Mais uma vez uma moção chumbada à nascença pelos votos contra de PS, PCP e BE.

Não sendo uma surpresa este tipo de atitude por parte da actual direção do CDS-PP, Assunção Cristas acabou por surpreender, pela negativa, ao ter dificuldades em justificar a própria moção de censura, quase pedindo desculpa por tê-lo feito aquando da sua apresentação.

Não obstante os pontos de discórdia já conhecidos, Assunção Cristas acabou por não recorrer a nenhum para justificar esta iniciativa.

"Governo deve indemnizar já famílias das vítimas do acidente de Borba"

"Neste ponto que tem a ver com a nossa segurança, com a nossa tranquilidade, com a forma como coletivamente nos podemos sentir seguros quando andamos pelo nosso país, é muito importante dizer que o Estado falhou. E quando o Estado falha, tenha ou não culpa direta, tem que indemnizar aqueles que são atingidos pelo seu falhanço", disse hoje a presidente do CDS-PP.

Tragédia em Borba. CDS pede ao Governo lista de infraestruturas de risco

O CDS quer lista de infraestruturas de risco e plano de segurança associado a cada uma delas. O pedido surgiu por parte dos deputados do CDS e de Assunção Cristas, que querem saber se o Ministério do Planeamento e das Infraestruturas tem na sua posse uma listagem de infraestruturas de risco, bem como um plano de segurança associado a cada uma delas.

Assunção Cristas reúne "Estado Maior" em Barrancos

A Comissão de Organização do CDS- PP vai reunir-se, hoje, 31 de agosto em Barrancos. O órgão do CDS a quem compete o acompanhamento às Autarquias Locais desloca-se hoje a Barrancos, no distrito de Beja, para a sua reunião mensal, que é presidida por Assunção Cristas.

O encontro reúne presidentes da comissões políticas distritais de todo o país, deputados do CDS e outros membros do partido. Segundo Luís Dargent, presidente da Comissão Política Distrital de Beja do CDS-PP, a reunião vai permitir dar a conhecer com detalhe os problemas do Alentejo aos decisores políticos do CDS.

Eutanásia: O Católico e a Política

Por Sara Sepúlveda da Fonseca*

Hoje, na Assembleia da República, serão discutidos e votados os projectos de lei do Partido Socialista, do Bloco de Esquerda e do PAN com vista à legalização da eutanásia. Discussão que se fará à margem da vontade do povo português que, para tal, não lhes concedeu mandato. Apenas o PAN – Pessoas-Animais-Natureza se referia a esta questão no seu programa eleitoral.

A desinformação corrói

Há dias o CDS Almada fez sair um cartaz com o seguinte alerta: “a Eutanásia mata!” alertando para algo que todos sabemos e que acabou por se tornar uma campanha que se destacou pela negativa e que levou o próprio Partido a afastar-se dela.

Perdeu-se aqui uma boa oportunidade para discutir seriamente um tema que irá ser discutido e votado na Assembleia da República.

O desafio do novo CDS: Pragmatismo na Ideologia

«...) Depois de qualquer eleição a sensação dos políticos - quer tenham perdido quer tenham ganho - é a de que o povo mais profundo acaba de entrar todo num comboio, dirigindo-se, compactamente, para uma terra distante. Esse povo voltará apenas, no mesmo comboio, nas semanas que antecedem a eleição seguinte.» Gonçalo M. Tavares in “ O senhor Kraus”

Liderança reforçada (internamente)

Teve lugar este fim-de-semana o Congresso do CDS-PP.

Assunção Cristas renova o seu mandato à frente do partido com cerca de menos 6 por cento dos votos dos delegados.

Vozes dissonantes, apenas uma que não chegou a apresentar lista por falta do número mínimo exigível para o efeito.

AFINAL, AS AZINHEIRAS NÃO DERAM CORTIÇA!

Apesar da abstenção ter permanecido extremamente elevada, os resultados provisórios das eleições autárquicas de 2017 sugerem que quem votou, não só, não se deixou seduzir pelo canto das sereias como, ainda, penalizou fortemente os erros de “casting”.

Páginas