Está aqui

AVC

Como tratar um AVC agudo durante a pandemia Covid-19

A Sociedade Portuguesa do Acidente Vascular Cerebral (SPAVC) acaba de publicar um documento com orientações para a atividade dos profissionais de saúde ligados ao tratamento do AVC, com o objetivo de continuar a assegurar os cuidados adequados aos doentes durante a pandemia Covid-19.

“Este documento reúne um conjunto de recomendações dirigidas aos hospitais, centros de tratamento de AVC (primários e compreensivos) e profissionais de saúde da área, no sentido de promover a manutenção de cuidados adequados aos doentes com AVC nesta situação pandémica”, adianta a Direção da SPAVC.

Uma em cada quatro pessoas vai sofrer um AVC

A estatística defende que uma em cada quatro pessoas vai sofrer um AVC ao longo da vida e o melhor remédio é prevenir. Chamando a atenção para o panorama nacional o presidente da Direção da Sociedade Portuguesa do Acidente Vascular Cerebral (SPAVC), José Castro Lopes, frisa que “o AVC continua a ser a principal causa de mortalidade e incapacidade permanente no nosso país”. “Por hora, três portugueses são vítimas de um AVC. Destes, um deles não sobreviverá. Dos restantes, 50% ficará com incapacidade de grau variável”, adiantou.

ELVAS VAI TER UNIDADE ESPECIAL PARA AVC

Nos próximos meses, o Hospital Santa Luzia, em Elvas, vai passar a ter uma unidade especialista no tratamento de Acidentes Vasculares Cerebrais - mais conhecidos como AVC - e que procura dar resposta a uma patologia cada vez mais frequente.

Os afetados por um AVC têm uma elevada taxa de mortalidade e mesmo quando sobrevivem, muitas vezes o paciente passa a deter um elevado grau de dependência. É de modo a dar resposta as estas necessidades que o Hospital transfronteiriço promove a criação desta unidade especial integrada no serviço de medicina interna do hospital de Elvas.