Está aqui

Auschwitz

A LIÇÃO DE AUSCHWITZ QUE A EUROPA NÃO APRENDEU

Se há uma semana escrevia sobre a celebração da libertação dos prisioneiros de Auschwitz, hoje escrevo - e confesso que desejava não o fazer - sobre a tentativa do governo polaco de querer branquear a História.

Foi aprovada esta semana, no senado polaco, uma lei que prevê até três anos de prisão ou uma multa para quem, na Polónia, utilize a expressão "campos da morte polacos" para se referir a campos de concentração do regime nazi, na Polónia, durante a Segunda Guerra Mundial, como é o caso de Auschwitz- Birkenau.

HOJE CHORA-SE O HOLOCAUSTO DA ALEMANHA NAZI

O Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto tem o seu lugar a 27 janeiro.

Este dia não celebra um dos momentos mais hediondos da história da Humanidade, procura sim relembrar os milhões de vítimas provocadas pelo genocídio da Alemanha nazi sobre os judeus, ciganos, homossexuais, entre outros, e que ocorreu durante a II Guerra Mundial.

O dia 27 de janeiro de 1945 foi o dia em que o principal campo de concentração nazi, Auschwitz (a sul da Polónia) foi libertado pelas tropas da União Soviética.

Para que ninguém esqueça!

Hoje, dia 27 de Janeiro, assinala-se o Dia Internacional de Recordação do Holocausto, 70 anos volvidos tal acontecimento, dia em que os prisioneiros de Auschwitz foram libertados, em 1945. Alguns historiadores ignoram o Holocausto, enquanto outros o admitem e consideram o maior massacre da história mundial, tendo vitimado mais de 11 milhões de civis, incluindo judeus e outros grupos étnicos, sociais e políticos.

Guarda nazi julgado 70 anos depois

Johann Breyer seria só o nome de um emigrante alemão, com 89 anos, a viver nos EUA desde 1952, não fosse o fato de ter sido um guarda nazi em Auschwitz e que foi agora acusado de cumplicidade na morte de 216 mil judeus.

Não fugiu nem desapareceu, Breyer vive em Philadelphia, pacificamente e as únicas ameaças que faz é ao cão do vizinho. A sua identidade há muito que não é segredo para ninguém, nem mesmo para os caçadores de nazis (pessoas que procuram e reúnem informações sobre ex-nazis no sentido de os levar a tribunal).