Está aqui

Arqueologia

Novas descobertas arqueológicas em Moura vão ser reveladas no final de agosto

O sítio de Castelo Velho de Safara, no concelho de Moura, corresponde a um povoado fortificado com uma primeira ocupação que remonta ao Calcolítico, há cerca de 5000 anos, estando comprovada uma segunda ocupação na Idade do Ferro (século IV a.C.) e, posteriormente, no período Romano (século I a.C.).

Novas descobertas geram entusiasmo arqueológico no Alentejo

Marvão, Moura, Alandroal e Reguengos de Monsaraz estão a ser palco nos últimos dias de valiosas descobertas arqueológicas por um lado e de uma aproximação da população e visitantes por outro à riqueza arqueológica da região, aspetos que pelo menos não têm merecido nos últimos anos grandes referências na comunicação social.

Monte dos Perdigões volta a abrir as portas

Finalmente reconhecido e classificado como Monumento Nacional pelo Estado Português, o Complexo Arqueológico dos Perdigões, em Reguengos de Monsaraz, volta a ter o seu “Dia Aberto”.

Após o - o Monte dos Perdigões, como, esta será a primeira edição do dia aberto nestas condições.

Cultura do Alentejo criou guia de boas práticas para agricultores

A Direção Regional de Cultura do Alentejo (DRCA) - após os incidentes arqueológicos registados nos últimos anos, sobretudo durante o processo de transformação da agricultura que o Alentejo tem vindo a assistir, fruto do regadio do projeto Alqueva - criou e vai lançar um guia de boas práticas a seguir pelos agricultores.

Laje votiva encontrada em Arronches em vias de ser classificada

A laje votiva em língua latina, encontrada no concelho de Arronches, e que vê agora acontecer a abertura do procedimento - para posterior publicação em Diário da República – de modo a ser classificada.

A Direção-Geral do Património Cultural já notificou a autarquia de Arronches que se mostrou a favor da classificação, mas contra a saída do concelho do referido achado arqueológico que, em 2015, integrou e esteve em destaque na exposição “Lusitânia Romana: Origem de Dois Povos”, patente no Museu Nacional de Arte Romana, em Mérida, Espanha.

Alentejo: Complexo Arqueológico dos Perdigões já é monumento nacional

Foi aprovado pelo Governo, em reunião de Conselho de Ministros, o decreto que classifica como sítio de interesse nacional – ou monumento nacional - o Complexo Arqueológico dos Perdigões, em Reguengos de Monsaraz.

O que andaram Gregos, Egípcios e Fenícios a fazer em Beja?

O que andaram Gregos, Egípcios e Fenícios a fazer em Beja é uma pergunta a que a EDIA- Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas de Alqueva, pode ajudar a responder com a exposição patente no Núcleo Museológico da Rua do Sembrano, em Beja.

Inserida no ciclo de exposições da EDIA, a exposição “Gregos, Egípcios e Fenícios em Beja?” surge com base no espolio descoberto durante as intervenções arqueológicas realizadas na construção de Alqueva e é uma medida de salvaguarda e de minimização dos impactes no Património Arqueológico.

4500 anos de civilização em Reguengos de Monsaraz

Nas escavações na Herdade dos Perdigões, – um campo arqueológico com 16 hectares - em Reguengos de Monsaraz, foi descoberto, o ano passado, um conjunto de cerca de 20 estatuetas com cerca de 4500 anos.

A cargo da ERA Arqueologia - há 15 anos a investigar os Perdigões - as escavações permitiram descobrir pequenas estatuetas de marfim africano – 12 a 15 centímetros - com o corpo esguio, bem delineado, tatuagens faciais e olhos grandes que poderiam ter tido incrustações

Grutas do Escoural vão continuar abertas

As grutas do Escoural vão continuar abertas aos visitantes após a renovação do protocolo de cooperação para a gestão, salvaguarda e visita pública, assinado entre a Câmara Municipal de Montemor-o-Novo, a Direção Regional de Cultura do Alentejo, a Junta de Freguesia de Santiago do Escoural e a Associação Amigos Unidos pelo Escoural.

A Gruta do Escoural, no concelho de Montemor-o-Novo, foi uma das maiores descobertas arqueológicas realizadas em Portugal, em 1963, e por lá passaram populações ancestrais durante cerca de 50 mil anos.

Beja: novo projeto de escavação no Outeiro do Circo

Beja tem um novo projeto de escavação arqueológica Outeiro do Circo para 2019.

Com duração prevista para 3 anos, o projeto está em apreciação pela autarquia e prevê escavações numa área de 150 m2 – perto da muralha intervencionada em campanhas anteriores – e o foco estará na área habitacional da zona arqueológica com o objetivo de perceber com maior detalhe o quotidiano das populações que ocuparam o Outeiro do Circo durante a Idade do Bronze.

Páginas