Está aqui

ambiente

Jornadas de Desenvolvimento Rural Norte Alentejano em Elvas

Com a agricultura de precisão e de conservação, o seu contributo para a neutralidade carbónica e o enquadramento na nova PAC como temas, de 12 e a 13 de novembro, na Escola Superior Agrária de Elvas, irão realizar-se III Jornadas de Desenvolvimento Rural Norte Alentejano.

Este será o programa das jornadas:

12 de novembro 2019

09:00 – Abertura do Secretariado

09:30 – Sessão de Abertura (Jovem agricultor convidado, Comissão Organizadora)

 

Painel – SOLO e CLIMA

09:30 – Fatores limitantes dos solos do Alentejo (Prof. José Manuel Rato Nunes)

Alentejo vai sofrer perda de 30% da precipitação alerta Universidade de Aveiro

Entre os anos 2046 e 2065, Portugal continental vai sofrer uma diminuição da precipitação média anual de 10 por cento na zona norte e em todo o litoral e de cerca de 30 por cento nas zonas interiores e no sul. As previsões, realizadas na Universidade de Aveiro (UA) apontam para um cenário de escassez de água no ecossistema e, naturalmente, para consumo humano. Face ao cenário, os investigadores apelam à implementação de medidas urgentes para, no futuro, melhor captar e gerir a água da chuva.

Moura instala 21 novas ilhas de ecopontos para um melhor ambiente

O Concelho de Moura no Baixo Alentejo está a instalar 21 novas ilhas de ecopontos por todo o concelho.

No total encontram-se instaladas, e em funcionamento, três novas ilhas de ecopontos subterrâneos, localizadas na Praceta Zeca Afonso, no Bairro do Mourasol e na Avenida Poeta Joaquim Costa (junto à Escola Secundária), em Moura.

População de javalis continua a aumentar

São informações do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) os que revelam que a população de javalis em Portugal é cada vez maior, e o Alentejo é das zonas mais afetadas.

De acordo com o relatório do ICNF “tendo em conta o número crescente dos avistamentos, o aumento dos pedidos de correção de densidades e o consequente aumento do número de abates por parte das zonas de caça, existe uma perceção de que as populações desta espécie estão a aumentar.” 

Efeito Greta: 156 países em defesa do ambiente e Évora também

Esta semana, numa iniciativa que começou com os discursos e movimentos da jovem de 16 anos Greta Thunberg, começou uma onda de contestação e manifestações pelo ambiente, marcadas sobretudo pela elevada participação de jovens, tal como as ocorridas na passada a sexta-feira, um pouco por todo o mundo, em que centenas de milhares de jovens reclamaram aos líderes mundiais medidas urgentes contra a crise climática.

Gestão agrícola e florestal em foco em Montemor-o-Novo

A Terras Dentro — Associação para o Desenvolvimento Integrado, de Alcáçovas, em parceria com o ICNF — Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas, o Município de Montemor-o-Novo e a Delegação Distrital de Évora da Região Sul da Ordem dos Engenheiros, organizam o encontro “Gestão Florestal em Áreas Classificadas”.

A Amazónia não é de esquerda nem de direita

Um dos piores inimigos das democracias atuais é esta divisão simplista, pueril e ultrapassada de esquerda/direita, aliada ao ódio, cegueira coletiva e alienação que provoca. Não discutimos políticas, não analisamos resultados nem consequências, é tudo visceral e nada racional, é bom porque é de esquerda e mau porque é de direita, ou vice-versa, dependendo da pala que cada um decidiu vestir. Não conseguimos andar em frente, porque todos queremos andar para o lado, cada um para o seu lado.

Sim, o nosso pulmão está a arder

Nas últimas três semanas a Amazónia esteve a arder. Curiosamente, apenas duas semanas após o início dos incêndios todo o Mundo teve conhecimento dos mesmos, podendo começar a procurar responsabilidades.

A principal causa apontada é a desflorestação que aumento cerca de 200 por cento desde o início do mandato de Bolsonaro.

Nas primeiras intervenções públicas que fez logo após os incêndios, Bolsonaro deu a conhecer o seu plano de construir duas barragens nos terrenos da Amazónia o que só por si revela a sua preocupação com o que tem estado a acontecer.

Alentejo com barragens quase secas

É um problema mundial e um quarto da população de todo o planeta pode mesmo, num curto espaço de tempo, vir a ficar sem água.

Não são dados novos os que apresenta o relatório do Instituto Mundial de Recursos, no entanto, há um agravamento das situações relativas à escassez de água e Portugal é mesmo o 41.º na lista dos países em risco, sendo considerado que está num nível de escassez de água elevado - nível que atingem países que utilizam mais de 40% dos recursos hídricos disponíveis.

Empresa em Portalegre inova na produção de inseticidas biodegradáveis

Será instalado em Portalegre um centro de investigação, desenvolvimento e produção de inseticidas biodegradáveis e não tóxicos para outras espécies ou ambiente; um investimento de cerca de 2,3 milhões de euros, financiado em cerca de um milhão de euros por fundos comunitários através do Portugal 2020.

Páginas