Está aqui

alterações climáticas

Alterações climáticas vão ter impacto na mortalidade

Um estudo realizado por Mónica Rodrigues, investigadora no Centro de Estudos de Geografia e Ordenamento do Território (CEGOT) da Universidade de Coimbra (UC), projeta o impacto das alterações climáticas na mortalidade em Portugal a curto e a longo prazo.

Lançada plataforma de apoio aos Montados alentejanos

A Associação de Defesa do Património de Mértola (ADPM) desenvolveu uma ferramenta digital de apoio à decisão dos proprietários de Montados de Portugal e Espanha, que vai estar disponível a partir de hoje, dia 21 de março, em que se comemora o Dia Mundial da Árvore e da Floresta.

Segundo o jornal Planície, esta iniciativa insere-se no âmbito do projeto LIFE Montado-Adapt, que desenvolveu o SIGM –Sistema Integrado de Gestão do Montado, uma metodologia de adaptação do Montado às alterações climáticas.

Feira do Porco Alentejano de Ourique debate impactos da seca

A Feira do Porco Alentejano, que se irá realizar em Ourique de 25 a 27 de março de 2022, conta com uma programação técnica em que serão debatidos os impactos das alterações climáticas no território, os ecossistemas de montado, e o desenvolvimento das atividades agroalimentares, com destaque para o porco alentejano, “importante pilar da economia nacional e da afirmação de Ourique como Capital do Porco Alentejano”.

Baixo Alentejo está em risco de se tornar zona desértica

Nuno Lacasta, presidente da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), alerta que o Baixo Alentejo está em risco de se tornar numa zona desértica.

De acordo com a Rádio Pax, o responsável falava no Seminário “Baixo Alentejo Território Sustentável”, organizado pela Comunidade Intermunicipal do Baixo Alentejo, que decorreu no passado dia 10 de dezembro.

Segundo os estudos já realizados, no âmbito das alterações climáticas, num cenário mais gravoso e se nada for feito, o Baixo Alentejo será das zonas do país com maiores consequências.

Projeto “Além Risco” apresentado publicamente em Redondo

O projeto “Além Risco”, que visa mitigar as ondas de calor no Alentejo, derivadas das alterações climáticas, vai ser apresentado no próximo dia 7 de setembro, pelas 18:30, no Jardim Municipal de Redondo.

Em comunicado, a autarquia refere que o projeto, financiado pelo EEA Grants e apoiado pela Comunidade Intermunicipal do Alentejo Central e a Fundação Calouste Gulbenkian, “pretende envolver os cidadãos na plantação de cinquenta mil de árvores nos aglomerados urbanos do distrito de Évora, reduzindo o efeito de ‘ilha de calor’ por eles criados”.

Central de Cercal do Alentejo está em “contraciclo” com alterações climáticas

A porta-voz do PAN, Inês Sousa Real, criticou a “luz verde” dada à Central Fotovoltaica de Cercal do Alentejo, em Santiago do Cacém, que está “em contraciclo” com o combate às alterações climáticas.

Alentejo será a zona mais afetada pelas alterações climáticas

A ONU apresentou, na passada segunda-feira, o aviso mais severo de sempre da comunidade científica mundial sobre os efeitos das emissões de gases de estufa e consequentes alterações climáticas.

O relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês) aponta o Mediterrâneo, incluindo Portugal, como uma das regiões mais vulneráveis do mundo às alterações climáticas. O Alentejo poderá ser a região mais afetada.

População de Alandroal começou a arborizar território para combater alterações climáticas

O jardim de S. Pedro em Alandroal recebeu no final da semana a apresentação do Projeto Além Risco, que se traduz-se num investimento da autarquia de cerca de 40 mil euros e tem como objetivo aumentar a resiliência dos municípios do Alentejo Central às alterações climáticas, mitigando as ondas de calor que são cada vez mais frequentes e prolongadas

Cientista alentejano Miguel Bastos Araújo entre os melhores do mundo

O cientista Miguel Bastos Araújo - investigador responsável na Cátedra Rui Nabeiro - Biodiversidade da Universidade de Évora (UÉ) - foi classificado pela agência Reuters como é um dos mil cientistas climáticos mais proeminentes do mundo.

Miguel Bastos Araújo é mesmo o primeiro português a surgir neste ranking, surgindo o investigador da UÉ na 57.ª posição desta “hot list”que conta com os principais cientistas do clima a nível mundial.

Politécnico de Portalegre com 2,4 M/€ para combater a crise climática

Numa parceria com o Fórum da Energia e Clima e a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Alentejo (CCDR), o Instituto Politécnico de Portalegre (IPP) desenvolveu o “Projeto Guardiões” para combater a crise climática e que conta com um financiamento global de cerca de 2,4 milhões de euros.

Coordenado por Luís Loures, vice-presidente do IPP, este projeto pretende ser um instrumento de sensibilização, formação e informação da sociedade civil para a temática das alterações climáticas.

Páginas