Está aqui

Agricultura

Canadianos querem mais 20 hectares de canábis no Alentejo

Os canadianos da Tilray já fecharam um acordo com a Herdade do Esporão para aumentar a sua produção de canábis em Portugal, passando dos 5 hectares que dispõe atualmente, para os 25.

A empresa farmacêutica canadiana tem também em Portugal instalações para processamento da canábis, em Cantanhede.

Alentejo: produção de vinho pode subir 10%

Começam cada vez mais cedo as vindimas no Alentejo. Tendo que adaptar-se às condições climatéricas, já há vindimas a decorrer no Alentejo e as perspetivas para a produção deste ano são animadores, prevendo-se uma subida de até mais 10% na produção.

Este presumível aumento de entre 5% a 10% pode representar mais 120 milhões de litros, segundo a estimativa da Comissão Vitivinícola Regional Alentejana (CVRA), e que colocará o Alentejo com uma produção média – nos últimos 5 anos – acima de 110 milhões de litros.

Agricultores alentejanos terão facilitado acesso à água do Alqueva

Os agricultores alentejanos verão facilitado acesso à água do Alqueva para gado e rega. Esta é uma das medidas tomadas pela Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva (EDIA) para prestar auxílio aos agricultores no combate à seca, cuja área, a sul, é cada vez maior.

De acordo com o Boletim Climatológico do Instituto Português do Mar e da Atmosfera do início de julho, 33,9% do território continental estava em seca extrema ou severa, 22,7% em seca moderada e 40,9% em seca fraca.

Alentejo com 10 concelhos em seca extrema força auxílio do Governo

Um inverno e uma primavera pouco chuvosas provocaram que 10 concelhos alentejanos seca extrema ou severa.

Entre o Alto e centro Alentejo, Setúbal e Lisboa, são mais 51 os que se encontram em seca severa.

A situação preocupa o Governo e, a partir da próxima semana, estarão disponíveis apoios superiores a três milhões de euros para auxílio aos agricultores em dificuldades.

O canábis legal de Aljustrel

Quase um ano depois de no Parlamento ter sido aprovada a legalização da canábis em Portugal para fins medicinais, no Alentejo vai haver uma plantação de canábis leal e oficial. Localizada em Aljustrel, esta plantação destina-se a fins medicinais e vai criar cerca de 150 postos de trabalho.

Numa área de aproximadamente 70 hectares - que estarão funcionais já em 2020 - esta plantação representa um investimento de 45 milhões de euros por parte da multinacional RPK Biopharma, do grupo internacional Holigen, e prevê uma produção anual de 700 toneladas.

168 milhões de euros e a Barragem do Pisão será realidade em 2027

Depois de prometida e projetada por quatro vezes ao longo de quarenta anos, a Barragem do Pisão será realidade 2027 e após um investimento estimado de 168 milhões de euros.

O despacho conjunto publicado em Diário da República, identifica a barragem do Pisão como financeiramente viável, com uma Taxa Interna de Rentabilidade (TIR) de 4,9% de 20 anos de operação, um Valor Atualizado Líquido (VAL) para uma taxa de atualização de 4% de 14,7 milhões de euros e um tempo de amortização do investimento para uma taxa de atualização de 4% de 22 anos"

Nasceu o MED e os alentejanos estão envolvidos

Já nasceu o MED, o Mediterranean Institute for Agriculture, Environment and Development, um centro único de Investigação em Ambiente e Agricultura no Mediterrâneo e que envolve os Centros de Investigação do Alentejo e Algarve, nomeadamente o ICAAM - Universidade de Évora, o Cebal - Beja, o Cibio - Pólo de Évora e o MeditBio – Universidade do Algarve.

Os chineses estão encantados com o Alentejo

Os chineses estão encantados com o Alentejo e com as maravilhas alentejanas.

Como o TA referiu, há um interesse enorme no Porto de Sines e na importação e abate de suínos no concelho de Reguengos de Monsaraz, mas o gigante oriental desperta agora também para a agricultura alentejana e para o vinho.

Amanhã, o ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, o alentejano Luís Capoulas Santos, receberá o ministro da Administração Geral das Alfândegas da República Popular da China, Ni Yuefeng.

A longa metamorfose do vinho alentejano

O vinho alentejano mudou muito nos últimos 30 anos e sempre com um crescimento significativo.

No 11.º Simpósio de Vitivinicultura do Alentejo, que decorreu nesta semana, Francisco Mateus, presidente da Comissão Vitivinícola Regional Alentejana (CVRA) revelou que dos 720 mil litros certificados em 1990, o vinho alentejano passou a ter 85 milhões de litros em 2018.

Governo instala em Elvas laboratório avançado de 2,4 milhões para combate às alterações climáticas

A ideia envolve instituições científicas, o sector agrícola e empresarial e visa dar resposta às consequências que as alterações climáticas já estão a ter no domínio da agricultura e que afetam sobretudo o Alentejo. O laboratório de combate às consequências das alterações climáticas na agricultura vai ficar instalado na estação nacional de melhoramento de plantas, em Elvas e implica um investimento de 2,4 milhões de euros para equipamento de ponta e contratação de cientístas.

Páginas